CEMAVE PROMOVE EXPEDIÇÃO AO EXTREMO SUDOESTE DO PAÍS PARA INVESTIGAR A SAÚDE DO CRITICAMENTE AMEAÇADO CARDEAL-AMARELO E OUTRAS AVES CAMPESTRES

A expedição de campo, que encerrou-se no último sábado (16/02), contou com equipe de ornitólogos do ICMBio/CEMAVE, pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC RS e doutoranda da Universidade Federal do Paraná engajados na implementação de algumas das estratégias do Plano de Ação Nacional para a Conservação das Aves dos Campos Sulinos, que encontra-se em seu segundo ciclo de gestão. O trabalho teve duração de quatro dias em campo e ocorre em incrível savana de arvoretas espinhentas e retorcidas típica da extremidade oeste do Rio Grande do Sul, a formação parque espinilho. Esta ocorre em sub-região dos Campos Sulinos e possui espécies de aves raras e especiais, restritas a essa formação, sendo também o único ambiente de ocorrência de espécies vegetais com extrema dificuldade de regeneração, os algarrobos e inhanduvás (Prosopis nigra e P.affinis).

equipe completa com gestores

Os Campos Sulinos são ecossistemas naturais com alta diversidade de espécies vegetais e animais. São os campos dos biomas brasileiros Pampa e Mata Atlântica e que se estendem sobre amplas regiões do Uruguai e Argentina. Nas últimas décadas, cerca de metade da superfície originalmente coberta com os Campos no estado do Rio Grande do Sul foi transformada em outros tipos de cobertura vegetal. Considerando este cenário e o estado de conservação das aves dos Campos Sulinos, em 2011 foi elaborado um Plano de Ação Nacional para a conservação não apenas das espécies criticamente ameaçadas do bioma, como o cardeal-amarelo (Gubernatrix cristata) ou as espécies migratórias dos campos naturais contempladas pela CMS (Convenção sobre Espécies Migratórias da ONU), mas todas aquelas espécies de aves ameaçadas com ocorrência para os Campos Sulinos e Espinilho, ambientes submetidos a fortes pressões e impactos gerados pela expansão da agricultura, silvicultura e outras atividades como a captura ilegal de espécimes para o tráfico de animais. O conceito subjacente a proposta é de que uma mesma ação pode beneficiar não apenas a uma espécie, mas a um conjunto de espécies, uma vez que os fatores de pressão são essencialmente os mesmos para muitas destas aves.

O cardeal-amarelo é um pássaro de beleza e canto extraordinários. É uma das aves mais ameaçadas do Brasil na atualidade, restando cerca de 50 indivíduos no ambiente natural. A única população realmente conhecida e monitorada no Brasil está restrita ao Parque Estadual do Espinilho e arredores, no extremo oeste do Rio Grande do Sul.

Cardeal amarelo. Foto: Márcio Repenning.

Além de percorrer toda a região que abrange os remanescentes de parque espinilho na busca ativa dos territórios conhecidos dos cardeais-amarelos, a equipe dedicou-se à captura das aves para a colheita de material biológico com o intuito de subsidiar a avaliação da saúde destas aves da região e anilhamento dos passeriformes silvestres capturados com a instalação de redes de neblina no Parque Estadual do Espinilho e arredores. Os gestores do Parque Estadual do Espinilho também foram muito importantes para o sucesso do trabalho desenvolvido, inclusive estando presentes acompanhando as atividades em campo com as aves e nos apoiando na logística e articulação com os proprietários.

Neste sentido, vale à pena ainda ressaltar que um dos objetivos da expedição foi também aproximar-se dos proprietários de terras e produtores rurais da região que são os verdadeiros responsáveis pela manutenção dos processos que mantém ambientes adequados para a permanência destas aves ameaçadas na região do Parque Estadual do Espinilho. Ao longo dos últimos anos de implementação do PAN Campos Sulinos tem se observado que é possível aliar a produção rural com a conservação dos campos nativos e com as espécies que estes abrigam. Esta percepção tem sido internalizada cada vez mais entre os produtores rurais no Estado e sua ampla valorização na sociedade é chave crucial para o sucesso em grande escala do PAN Campos Sulinos. Ao longo de nosso trabalho de campo tivemos o apoio fundamental de vários aliados, como o Grupo Ceolin, que acolheu os pesquisadores na Fazenda São João, e os irmãos da Família Doviggi da Fazenda São Marcos.

Além dos importantes contatos realizados e do estreitamento de relações que podem ser muito frutíferas para a conservação, o resultado geral da expedição de campo foi extremamente positivo em números, 118 aves silvestres foram marcadas com anilhas e seus dados de ocorrência alimentarão o banco de dados do Sistema Nacional de Anilhamento (SNA), gerido pelo ICMBio/CEMAVE e 04 cardeais-amarelos foram identificados em quatro territórios prospectados, foi possível a captura de um dos cardeais para colheita de material para exames de saúde, genéticos e marcação com anilhas coloridas para o monitoramento em longo prazo.

Os resultados referentes à saúde das populações de cardeal-amarelo e outras aves campestres que compartilham do mesmo ambiente são foco do trabalho da doutoranda Bianca Resseti Silva, da UFPR, que tem seu trabalho apoiado pelo ICMBio/CEMAVE e por projeto aprovado conjuntamente com a PUC RS pelo Edital Universal do CNPq com este fim. Parte das análises de saúde são realizadas no laboratório do CEMAVE em Santa Catarina e os resultados sobre a saúde da comunidade de aves silvestres no interior da UC Parque Estadual do Espinilho serão aplicados pelos gestores desta área protegida para a tomada de decisões e para embasar eventual manejo de atributos naturais da Unidade e do cardeal-amarelo, visando a conservação das espécies ameaçadas.

Mais informações sobre o PAN Campos Sulinos, o cardeal-amarelo e suas estratégias de conservação podem ser encontradas nos seguintes links:

https://www.youtube.com/watch?v=8ettTPHUKcA

http://revista.pucrs.br/pub/revistapucrs/?flip=portal&page=materia&cd=75fc093c0ee742f6dddaa13fff98f104

http://www.icmbio.gov.br/portal/faunabrasileira/plano-de-acao-nacional-lista/869-pan-passeriformes-dos-campos-sulinos