Pesquisa Científica

 

O Parque Nacional é uma das áreas mais importantes de conservação do Planalto Central do Brasil. Constitui uma das áreas-núcleo da Reserva da Biosfera do Cerrado, inserindo-se no corredor ecológico Paranã-Pirineus e na Área de Proteção Ambiental – APA do Pouso Alto.

Sua beleza cênica é conhecida internacionalmente, sendo que em 2001 a União Mundial pela Natureza - IUCN emitiu parecer favorável ao titulo de Patrimônio Mundial Natural.

O Parque apresenta relevante importância para a conservação de amostras representativas do Cerrado do Brasil Central, especialmente do Cerrado de altitude, para a proteção das reservas hídricas da área do alto curso do rio Tocantins, bem como para a realização de atividades de ecoturismo, recreação e educação ambiental em áreas naturais.  A altitude (cerca de 1.400 m) e as diversas faces do Cerrado corroboram para explicar a grande riqueza de espécies endêmicas e raras, e faz desta área um excelente laboratório de estudos da distribuição e adaptação de espécies.

O Parque Nacional abriga diversas fitofisionomias e paisagens do Cerrado, bem como uma grande diversidade de flora e fauna, que inclui espécies raras e ameaçadas de extinção. A alta biodiversidade da região atrai pesquisas básicas de zoologia e principalmente botânica, como aquelas que envolvem biologia, biogeografia, taxonomia, sistemática e filogenética. Atrai também pesquisas em ecologia, que buscam compreender a relação das espécies umas com as outras e com o meio físico.

Embora o Parque Nacional  se encontre entre as quatro Unidades de Conservação mais pesquisadas no Bioma Cerrado, apresenta muitas lacunas de conhecimento, sobretudo em mastofauna, anurofauna e entomofauna.

Além disso, os atrativos turísticos do Parque Nacional demandam  pesquisas na área de turismo, manejo, monitoramento e impactos em trilhas, ciências sociais, geografia e planejamento urbano e ambiental.

O Parque Nacional abriga diversas fitofisionomias e paisagens do Cerrado, bem como uma grande diversidade de flora e fauna, que inclui espécies raras e ameaçadas de extinção.

Fauna

Em termos de proteção de espécies ameaçadas de extinção, o PNCV abriga as seguintes espécies de mamíferos: Lonchophylla dekeyseri (morcego-beija-flor), Monodelphis rubida (catita), Myrmecophaga tridactila (tamanduá-bandeira), Ozotocerus bezoarticus (veado campeiro), Chrysocyon brachyurus (lobo-guará), Leopardus pardalis (jaguatirica), Leopardus tigrinus (gato-do-mato- pequeno), Oncifelis colocolo (gato-palheiro), Panthera onça (onça-pintada), Puma concolor (onça-parda) Speothos venaticus (cachorro-do-mato-vinagre). As duas espécies do gênero Leopardus encontradas no Parque (jaguatirica e gato-do-mato) ocorrem em baixas densidades.

Entre as espécies ameaçadas e endêmicas do Parque Nacional que merecem especial atenção temos: Lonchophylla dekeyseri (morcego-beija-flor), Monodelphis rubida (catita), Monodelphis Kunzi (Catita-terrestre-marrom), Calomys tener (rato), Psudoryzomys simplex (rato-do-mato), Lycalopex vetulus (raposinha-do-campo).

No grupo de aves, o Parque Nacional abriga algumas espécies que se encontram na lista de espécies brasileiras ameaçadas de extinção: Mergus octosetaceus (pato-mergulhão), Culicivora caudacuta (papa-moscas-do-campo), Alectrutus tricolor (Galito), Tigrisoma fasciatum (socó-jararaca), o Coryphaspiza melanotis (socó-boi-escuro), Geobates poecilopterus (andarilho), Nothura minor (codorna), Taoniscus nanus (carapé), sendo que as três últimas espécies são endêmicas do Cerrado. Também há registros de espécies presumivelmente ameaçadas ou prestes a serem consideradas em extinção, representadas na região por: Rhea americana (Ema), Spizaetus tyrannus (gavião-pega-macaco), Micropygia schomburgkii (maxalalagá), Philydor dimidiatus (limpa-folha- ferrugem), Hylocryptus rectirostris (barranqueiro), Cypsnagra hirudinaceae (bandoleta), Neothraupis fasciata (tié-do-cerrado) e Porphyrospiza caerulescens (azulão-do-cerrado).

Outras espécies endêmicas para o biomas são: Amazona xanthops (papagaio-galego), Melanopareia torquata (mineirinho), Herpsilochmus longirostris (chorozinho-bicudo) Hylocryptus rectirostris (Barraqueiro) Antilophia galeata (Soldadinho) Cyanocorax cristatellus (Gralha) Neothraupis fasciata (Tié-do-cerrado), Poospiza cinerea (capacetinho-cinza), Saltator atricollis (Batuqueiro), Porphyrospiza caerulescens (Azulão-do-cerrado) e Charitospiza eucosma (Mineirinho).

No grupo de anfíbios são registradas diversas espécies de anuros endêmicas de Cerrado, como o Proceratophrys goyana (sapo-de-chifre); as Hyla pseudopseudis e Hyla rubicundula (pererecas); Colosthetus goianus (sapo); Leptodactylus tapeti  (rã); Odontophrynus salvatori (sapo-fusquinha), Bufo ocellatus (sapo). Entre as espécies de lagartos são registrados Hoplocercus spinosus (calango-roseta), Norops meridionalis, Tropidurus oreadicus (calango), Tropidurus itambere (calango), Bachia bresslaui e Micrablepharus atticolus (lagartinho).

Para a fauna ictia são registradas para a região circundante do Parque Nacional as espécies: Prochilodus nigricans (curimatá), Leporinus friderici (piau), Hypostomus emarginatu, Geophagus cf. surinamensis, Pseudodoras niger (abotoado) e Pimelodus blochii (mandí).

A entomofauna da região do Parque Nacional é extremamente diversa, entretanto há insuficiência de estudos atualizados sobre esse grupo.

Flora

Dentre as espécies de flora raras ou endêmicas presentes na região podem ser encontrados: Ilex congesta (Aquifoliaceae), Maytenus chapadensis (Celastraceae), Calea irwinii, Eremanthus veadeiroensis, Planaltoa lychnophoroides, Trichogonia grazielae, Trichogonia prancei, Vernonia grearii e V. souzae (Compositae), Lomatozana artemisaefolia (Compositae), Leucothoe chapadensis (Ericaceae), Paepalanthus phaeocephalus e Syngonanthus appressus var. chapadensis (Eriocaulaceae), Manihot irwinii (Euphorbiaceae), Chamaechrista altoana, Chamaecrista cavalcantina, Mimosa irwinii e M. venatorum (Leguminosae), Hyptis paradisi e H. tagetifolia (Labiatae), Diplusodon appendiculosus (Lythraceae), Banisteriopsis irwinni e Peixotoa goiana  (Malpighiaceae), Miconia irwinii e Lavoisiera ordinata (Melastomataceae), Encyclia chapadensis (Orchidaceae), Podocarpus sellowii, P. brasiliensis (Podocarpaceae), Barbacenia andersonii e B. cylindrica (Velloziaceae) e Xyris goyazensis e X. Metallica (Xyridaceae). E algumas espécies estão ameaçadas por super exploração, tais como Lynchnophora ericoides - arnica (Compositae) e a Myracodruon urundeuva – aroeira (Anacardiaceae), enquanto outras estão ameaçadas pela destruição de seus habitat, como as espécies de matas mesofíticas.

 A lista completa de registros de fauna e flora para o Parque Nacional pode ser acessada no Plano de Manejo.

Sites para dowload:

Lista atualizada das espécies brasileiras ameaçadas de extinção - 2014: http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/fauna-brasileira/lista-de-especies.html

Livro Vermelho da Flora do Brasil - 2013: http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/livro

Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/publicacoes/publicacoes-diversas/dcom_sumario_executivo_livro_vermelho_ed_2016.pdf 

Atlas da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção em Unidade de Conservação Federais: www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/.../Atlas-ICMBio-web.pdf

Livro vermelho da Fauna Ameaçada no Estado do Paraná: http://www.maternatura.org.br/livro/

Livro vermelho da Fauna Ameaçada no Estado de Minas Gerais: http://www.biodiversitas.org.br/cdlistavermelha/default.asp

Lista da Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo: www.ib.usp.br/~lfsilveira/pdf/l_2010_faunaextsp.pdf       

Lista da Fauna Ameaçada de Extinção do Rio de Janeiro: http://www2.uerj.br/~imprensa/Listaoficial.htm.

Lista da Fauna Ameaçada de extinção do Distrito Federal e Goiás: http://www.ibram.df.gov.br/component/content/article/273.html

Aves Ameaçadas de Extinção no Brasil: www.ib.usp.br/~lfsilveira/pdf/l_2008_avesextbr.pdf

Todas as solicitações de pesquisa no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros devem ser feitas através do SISBIO – Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. O SISBIO foi instituído pela Instrução Normativa 154/07.

O Plano de Manejo do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros estabelece normas e procedimentos para o desenvolvimento de pesquisa na Unidade de Conservação. As orientações para os pesquisadores estão reunidas no Guia para Pesquisas no PNCV.

O Sisbio é um sistema de atendimento à distância que permite a pesquisadores solicitarem autorizações para coleta de material biológico e para a realização de pesquisa em unidades de conservação federais e cavernas. Conheça a Instrução Normativa n° 154/2007 que instituiu e regulamenta o Sisbio.

Os tipos de solicitações disponíveis no Sisbio são:
•Autorizações para atividades com finalidade científica
•Autorizações para atividades com finalidade didática (no âmbito do ensino superior)
•Licença Permanente
•Registro Voluntário para coleta e transporte de material botânico, fúngico e microbiológico

Procedimentos para autorização

A IN 154/07 regulamenta as seguintes atividades, com finalidade científica ou didática (no âmbito do ensino superior):
I - coleta de material biológico;
II - captura ou marcação de animais silvestres in situ;
III - manutenção temporária de espécimes de fauna silvestre em cativeiro;
IV - transporte de material biológico;
V - recebimento e envio de material biológico ao exterior; e,
VI - realização de pesquisa em unidade de conservação federal ou em cavidade natural subterrânea.

Para submeter uma solicitação de autorização para a realização das atividades descritas acima, o pesquisador deverá:

1) Cadastrar no SISBIO (www.icmbio.gov.br/sisbio) e manter atualizados os seguintes dados: nome, CPF, endereço para correspondência e endereço eletrônico, identificação da instituição científica à qual está vinculado ou pela qual foi indicado, currículo na Plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

2) Cadastrar projeto de pesquisa contendo objetivos, descrição das atividades a serem executadas, metodologias, indicação dos táxons que serão coletados, capturados, marcados ou transportados, indicação do destino previsto para o material coletado, indicação das áreas, épocas escolhidas, se haverá acesso ao patrimônio genético ou ao conhecimento tradicional associado, assim como outras informações pertinentes a atividade a ser executada.

3) Informar nome e CPF dos membros da sua equipe, que constarão na autorização.

No caso de pesquisa no PNCV, a equipe da Unidade de Conservação avalia o pedido considerando os seguintes aspectos:  
- se a pesquisa é relevante para o manejo da Unidade, podendo-se utilizar os seus resultados; 
- se está garantida a integridade do ecossistema com a condução da pesquisa;  
- se há disponibilidade de infra-estrutura e equipamentos da Unidade para as atividades previstas, bem como possibilidade de acompanhamento eficiente das atividades dos pesquisadores.  

Em projetos  de pesquisa com participação de pesquisadores estrangeiros, os trâmites incluem uma autorização expedida pelo CNPq.

Manual do usuário do SISBIO

Saiba mais sobre o SISBIO: http://www.icmbio.gov.br/sisbio/ 

Normas para Pesquisa em Unidades de Conservação em Goiás

No Estado de Goiás a Resolução CEMAm nº 029, de 20 de maio de 2003, é a norma que regulamenta as pesquisas científicas em nossas Unidades de Conservação (UC), estabelecendo normas para a realização de estudos, pesquisas ou atividades de cunho técnico-científico, envolvendo seus elementos bióticos, abióticos e antrópicos, devendo ser autorizada pela gerência responsável pela gestão das UCs (Gerência de Áreas Protegidas). As atividades técnico-científicas de prospecção, exploração, topografia e mapeamento de cavidades naturais subterrâneas e outras que implicarem na coleta de dados espeleológicos em Goiás, também estarão sujeitas a esta resolução.

Maiores informações acesse: http://www.semarh.goias.gov.br/site/pagina/pesquisas-em-unidades-de-conservacao

O Plano de Manejo do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros pode ser acessado no link: http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/cerrado/unidades-de-conservacao-cerrado/2081

Mapas  da Unidade podem ser acessados no link:

http://www.icmbio.gov.br/portal/servicos/geoprocessamento/51-menu-servicos/4004-downloads-mapa-tematico-e-dados-geoestatisticos-das-uc-s.html

Mapas temáticos em jpeg e  formato shp do Parque Nacional.

bioma cerrado                  (bioma cerrado)

vegetação                         (vetação utm)    (campo limpo utm)   (campo rupestre utm)  (campo sujo utm)

                                         (cerrado denso utm)  (cerrado ralo utm) (cerrado rupestre utm) (mata de galeria utm)

                                         (mata seca utm)  (palmeiral vereda utm)  (área antropizada utm) (mata galeria utm)

                                         (vegetação_embrapa)  (uso do solo)

bacias hidrográficas         (micro bacias utm)  (hidrografia utm)  (pontos de banho utm)  (hidrografia pncv utm)

solos                                 (solos utm)

geomorfologia                   (geomorfologia utm)

geologia                            (geologia utm)

altimetria                           (altimetria utm)  (altimetria pncv utm)

reserva da biosferafera    (reserva da biosfera utm)

áreas prioritárias               (áreas prioritárias para conservação latlong)

corredores ecologicos      (corredores ecológicos latlong)

carta-imagem IKONOS

Mapas planialtimetricos Radam - Brasil

Outros mapas de interesse entrar em contato através do email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros conta com alojamentos para o uso de pesquisadores e uma biblioteca. A biblioteca possui um pequeno acervo de livros e monografias disponíveis  para os pesquisadores em visita no PNCV  e para grupos em visita didática.

Monografias disponíveis:

Abelhas do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros                                 Raw, Anthony.           UnB   - -    
Aspectos Naturais e Sociais do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros Sousa, Edileusa. Nascimento Dantas, Mário.  UNICEUB 2000
Aves do cerrado da Silva Braz, Vívian. UnB 2008
Bryophyta de Capões de Mata no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros Marília Lima Pinheiro, Eliana. UnB 2010
Classificação fitofisionômica com aplicação de uma análise combinatória Gomes dos Santos Loebmann, Daniel..  UnB 2008
Espaço público em unidades de conservação Maria Corbucci,Eliana. UnB 2000
Geologia Daedenne, Marcel.Alvarenga, Carlos.Martins, Francisco.Campos, José. UnB 1997
Os impactos do turismo no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros Carolina Lacerda, Roberta. UMA 2007
Psitacídeos neotropicais por análise de regiões do genoma nuclear Caparroz, Renato. USP 2000
Solos das trilhas turísticas do Parque Nacional Chapada dos Veadeiros Bento de Almeida, Ronaldo. UnB 2004
Turismo no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros Abrão Rabahy, Wilson. FIPE --
Turismo no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros Gomes Tavares, Taiany. UCG 2005
Zona de amortecimento no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros  Carvalhes Lorena da Silva, Eliane.
Campos, Erides.
UCG --

Títulos de livros e periódicos disponíveis:

Títulos da biblioteca do ParNa Chapada dos Veadeiros

Pesquisas em andamento                                                                                   Pesquisador

Biologia reprodutiva de Podostemaceae.                                                               Inara Carolina Da Silva

Sinopse de Paepalanthus ser. Paepalanthus                                                        Caroline Andrino
Eriocaulaceae) e filogenia molecular de
Paepalanthus

O gênero Microstachys A. Juss                                                                              Allan Carlos Pscheidt
e a tribo Hippomaneae (Euphorbiaceae)

Filogeografia, variação adaptativa e                                                                      Bárbara Simões Santos Leal
biologia reprodutiva do complexo
Pitcairnia lanuginosa (Bromeliaceae)

Avaliação do potencial aromático e medicinal                                                       Marcia Ortiz Mayo Marques
de espécies nativas do genêro Lychnophora no
bioma cerrado: ocorrência, taxonomia,
caracterização química, genética, fisiológica e
atividade biológica

História demográfica de cinco espécies                                                               CARLA SUERTEGARAY FONTANA
de papa-capins Sporophila (Aves: Emberizidae)
com base em evidências fenotípicas, variações
biogeográficas, genéticas e ecológicas

Filogeografia, evolução e conservação dos                                                          Mariana Mira Vasconcellos
sapos do grupo Hypsiboas
(Amphibia: Anura) no Cerrado brasileiro

ESTABELECIMENTO DO PROGRAMA DE REPRODUÇÃO                              Luís Fábio Silveira
EM CATIVEIRO DO PATO-MERGULHÃO,
MERGus OCTOSETACEUS

O gênero Justicia L. (Acanthaceae)                                                                      Rodolph Delfino Sartin
no Estado de Goiás

Filogeografia comparada de
Tropidurus itambere, Gymnodactylus amarali,                                                    Fabricius Maia Chaves
Micrablepharus atticolus

Ecologia e Evolução
de Plantas de Campo Rupestre                                                                          André Vito Scatigna

Monitoramento da biodiversidade                                                                       Danilo do Carmo Vieira Corrêa
de mariposas do Parque Nacional
Chapada dos Veadeiros.

Estudo populacional e taxonômico                                                                    Flávio Kulaif Ubaid
visando a reintrodução do bicudo
Sporophila maximiliani

Análise da Estabilidade dos Solos e                                                                 Rodrigo Castro Borchio
Técnicas de Combate a Processos Erosivos na
Reserva Natural Serra do Tombador

Conservação de Espécies da Flora
Criticamente em Perigo de Extinção do Cerrado                                             Gustavo Martinelli