Menu - Quem Somos

Coordenações Regionais

Quem Somos

A CR realiza julgamentos de autos de infração, emite pareceres e autorizações para licenciamento, apóia a agenda socioambiental das UC, promove a articulação local e regional e estimula a colaboração mutua entre as equipes. Realiza a análise dos processos de licenciamento após manifestação das UC e emite, quando for o caso, as respectivas autorizações. Supletivamente, realiza vistorias nos empreendimentos solicitados. Também controla e compila informações sobre autorizações para licenciamento concedidas dentro de sua área de abrangência e produz informações com base nas análises dos processos sob demanda.

Áreas de Atuação

Presta apoio técnico nos processos de formação e modificação de conselhos gestores. Atuando também nas reuniões de diagnóstico e planejamento participativo, bem como, na elaboração e na execução de programas e projetos. Realiza a consolidação dos boletins mensais de frequência, folhas de ponto, férias e dos atestados médicos que são encaminhados ao SIASS, sendo que a coordenação das atividades relacionadas a este sistema também é de responsabilidade da área administrativa. Ainda é responsabilidade desta área o recepcionamento, cadastramento, autuação e movimentação de documentos e processos e a divulgação e orientação de procedimentos relacionados às questões de administração de pessoal.

Selecione uma Coordenações Regional nas abas abaixo:

CR 07

ONDE ESTAMOS Julgamento dos autos de infração
Editais

Sediada em Porto Seguro/BA, apóia a gestão de 29 unidades de conservação (UC) nos estados da Bahia e do Espírito Santo. Em seu conjunto, as unidades abrangem uma área de aproximadamente 920.465,06 hectares e protegem importantes fragmentos dos biomas Mata Atlântica, Caatinga e Cerrado, além de áreas costeiras e marinhas.

MODELO DE GESTÃO

Considerando a importância da gestão integrada para otimizar o uso de recursos humanos e financeiros das UC, a CR7 propôs a construção de um modelo de gestão integrada, com o intuito de promover a descentralização institucional e o aumento da responsabilidade individual e organizacional das equipes. Este modelo será composto por um colegiado formado por todos os gestores das UC. O colegiado tomará decisões com base no trabalho desenvolvido por grupos menores, organizados em câmaras técnicas (CT) e/ou grupos de trabalho (GT), definidos de acordo com as áreas prioritárias para a gestão.

CONTATOS

COORDENAÇÃO REGIONAL DA 7ª REGIÃO - CR7
Rua Momoeiro, nº 25, Bairro Taperapuã - Porto Seguro-BA CEP:45810-000
Fone: (73) 3288-1633 e (73) 3288-1518
Email: cr7.icmbio@icmbio.gov.br 

NOSSA EQUIPE

EQUIPE DA CR7

ServidorÁrea de atuaçãoFormação
Rodolpho Antunes Mafei Coordenador Regional
Representação Institucional
Articulação Regional

Ecólogo com Mestrado em Ecologia
Amarílio Coutinho Fernandes Avaliação de Impacto e Regularização Fundiária
Engenharia Agrícola /
Pós-graduação em Irrigação e drenagem / Gestão de Florestas Publicas
Carolina Peixoto Ferreira Gestão Socioambiental/Pesquisa Geógrafa / Mestrado em Ciência Ambiental
Luís Carlos Andreatta Autos de Infração Administrador / Especialização em Gestão Pública
Pedro Carlos Oliveira Júnior Autos de Infração Biólogo
Nayara Menezes Lobo Recursos Humanos e Comunicação Jornalista
Josi Evaldt Mengue Finanças e Logística Administração Pública
Marco Anselmo Magalhães Correspondência e Apoio Logístico Nível médio

CR 09

ONDE ESTAMOS

Sediada na cidade de Florianópolis/SC e apoia a gestão de todas as Unidades de Conservação (UC) federais da região Sul, além de uma outra situada na divisa entre os estados do Paraná e Mato Grosso do Sul.

ÁREA DE ATUAÇÃO

No total são 41 UCs, sendo 23 de Proteção Integral (12 Parques Nacionais, 5 Estações Ecológicas, 4 Reservas Biológicas e 2 Refúgios de Vida Silvestre) e 18 de Uso Sustentável (10 Florestas Nacionais, 5 Áreas de Proteção Ambiental, 2 Áreas de Relevante Interesse Ecológico e 1 Reserva Extrativista). Em seu conjunto, as UCs vinculadas à CR9 contemplam uma área de aproximadamente 2.430.000 hectares e protegem importantes fragmentos dos biomas Mata Atlântica e Pampa, além de áreas costeiras e marinhas - Quadro resumo das categorias e UCs vinculadas à CR 09.

OBJETIVOS, ATRIBUIÇÕES E GESTÃO ESTRATÉGICA

A CR9 tem como objetivo central atuar para a consolidação das Unidades de Conservação federais nos três Estados do sul do Brasil de forma harmônica às regiões onde as mesmas estão inseridas. Possui importantes atribuições administrativas, especialmente àquelas ligadas ao julgamento dos autos de infração, processos de autorização para licenciamento ambiental de empreendimentos que afetem as UCs e gestão de pessoas.

Entre as atribuições técnicas, merecem destaque o apoio nas atividades de planejamento – como plano de manejo – e implementação dos conselhos gestores, comercialização de produtos florestais, estabelecimento de instrumentos de parceria com outras instituições e gestão de conflitos socioambientais.

Em 2014, seguindo o caminho da Gestão Estratégica adotada pelo ICMBio, a CR9 finalizou a construção de seu planejamento estratégico, tendo estabelecido como missão "promover a integração entre o ICMBio e a sociedade na esfera regional e cooperar de maneira consistente e contínua com a gestão das Unidades de Conservação".

A visão, pactuada para o período de 2014 a 2018 foi definida como "Ser instância fortalecida, com efetividade de seus processos, consolidando procedimentos e difundindo conhecimentos para a gestão das Unidades de Conservação, com reconhecimento da sociedade".

Com o Planejamento Estratégico elaborado, a CR9 pretende atuar com maior eficiência para o cumprimento da missão do ICMBio e demonstrar metas claras para melhor atender as demandas das UCs à ela vinculadas.

CONTATOS

COORDENAÇÃO REGIONAL DA 9ª REGIÃO - CR9
Endereço: Rodovia Jornalista Maurício Sirotsky Sobrinho, Km 2, Jurerê. Florianópolis/SC. CEP 88053 700
Telefones: (48) 3282-2617; (48) 3282-2163
E-mail: cr9.icmbio@icmbio.gov.br
DEPARTAMENTO DA PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA –DPFE/CR9
Martin Erich Rodacki - Procurador Federal
Endereço: Rua Padre Schuler nº 56, Centro. Florianópolis-SC – CEP: 88010-310
Telefone: (48) 3298-9585 

 NOSSA EQUIPE

EQUIPE DA CR9

ServidorÁrea de atuaçãoFormação
Daniel Guimarães Bolsonaro Penteado Coordenador Regional
Representação Institucional
Articulação Regional
Biologia
Caren Andreis Colegiado de Julgamento de Auto de Infração
Comercialização de produtos florestais
Engenharia Florestal – Mestrado em Engenharia Agrícola
Carina Estevam Fernandes Gestão administrativa Administração
Carolina Mattosinho de Carvalho Alvite Gestão socioambiental/conflitos SISBIO Biologia – Mestrado em Sustentabilidade de Ecossistemas
Cristina Lemos Gestão de pessoas
Gestão administrativa
Direito - Pós Graduação em Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável
Felipe Sardella Autorizações para licenciamento ambiental Biologia
Jully Anne Araujo Brizolla Colegiado de Julgamento de Auto de Infração Geografia – Pós Graduação em Gestão e Controle Ambiental
Patrícia Kidricki Iwamoto Planejamento de Operações de Proteção
Colegiado de Julgamento de Auto de Infração
Biologia – Pós-graduação em Gestão Ambiental Sustentável e Recursos Hídricos
Marcelo Silveira
Colegiado de Julgamento de Autos de Infração
RPPN
Plano de Manejo
SISBIO
Biologia – Mestre em Ecologia 
Márcia Casarin Strapazzon
Autorizações para licenciamento ambiental
Biologia - Mestre em Desenvolvimento Regional Sustentável

CR10

Informações em consolidação.

Demais Coordenações

Informações em consolidação.

Gestão Estratégica

De forma a modernizar a estrutura de estado para lidar com a gestão da biodiversidade brasileira, logo após a sua criação, o ICMBio iniciou seu planejamento estratégico com o objetivo de implantar modelo de Excelência em Gestão Pública, que é o sistema de gestão de referência para as organizações do setor público brasileiro, para isto, foi realizada a modelagem institucional, implantando-se a gestão orientada para os resultados, com estrutura de gestão por processos.Atualmente, o ICMBio, já opera mediante os instrumentos de Gestão Estratégica, seguindo a metodologia internacionalmente consolidada de Balanced Scorecard (BSC). A estratégia institucional é comunicada a todas as instâncias organizacionais, e cada uma delas possuem indicadores e metas e desenvolvem seus planos de ação para o alcance dos objetivos estratégicos, sendo que os resultados realizados por cada unidade organizacional são monitorados permanentemente por meio do Sistema Integrado de Gestão Estratégica-SIGE.No modelo de Gestão por Resultados, adotado pelo instituto desde sua criação, o Direcionamento Estratégico constitui o eixo estruturador da gestão ao estabelecer os resultados que norteiam a atuação institucional. Este direcionamento é construído a partir da definição de Diretrizes Estratégicas de longo, médio e curto prazo que precisam se articular de forma dinâmica por meio de um modelo conceitual e metodológico que ofereça ao mesmo tempo a constância de propósitos – estabilidade de rumo durante períodos de incerteza – e a flexibilidade estratégica para se antecipar e responder às mudanças e aos diferentes cenários econômicos, políticos, sociais e ambientais nos quais o ICMBio atua.Estas Diretrizes Estratégicas são constituídas pela Missão, Visão e Objetivos Estratégicos que por sua vez possuem Indicadores e Metas correlacionados.

A formulação da proposição de missão do ICMBio é fruto das percepções obtidas em amplas discussões internas com o corpo gerencial e do refinamento pela diretoria ampliada. Assim, o enunciado de missão do ICMBio é:

Proteger o patrimônio natural e promover o desenvolvimento socioambiental

A Visão de Futuro complementa o esclarecimento de propósitos dado pela Missão ao apontar o rumo institucional estabelecendo um desafio ousado e mobilizador a ser vencido pelo ICMBio e desta forma, orientar os resultados de médio e curto prazo. Assim, o enunciado da Visão de Futuro do ICMBio é:

Ser reconhecido pela sociedade brasileira como referência na conservação da biodiversidade e na gestão de unidades de conservação

Os objetivos estratégicos constituem os resultados prioritários que serão perseguidos pela Instituição A definição dos objetivos estratégicos é atualizada periodicamente considerando as principais demandas da sociedade, do governo e das comunidades interessadas para a atuação do ICMBio em consonância com a sua missão institucional, sua visão de futuro e os aspectos mais relevantes do ambiente interno e externo.O conjunto dos objetivos estratégicos (resultados prioritários) deve demonstrar a aposta ou hipótese estratégica da Instituição para alcançar sua visão de futuro e cumprir sua missão. Para isto os objetivos estratégicos precisam se articular mutuamente constituindo-se em um conjunto lógico, equilibrado e integrado. Este agrupamento lógico de objetivos estratégicos é conhecido como Mapa Estratégico – clique aqui para visualizar o mapa estratégico do  ICMBio.Cada um dos objetivos estratégicos (resultados prioritários) é tangibilizado por meio da identificação de indicadores de desempenho - que são métricas capazes de informar sobre o alcance ou não do objetivo – e de metas estratégicas, que quantificam e estabelecem o prazo para o alcance dos resultados prioritários - clique aqui para visualizar a relação de indicadores e metas do ICMBio.

O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ESTRATÉGICA-SIGE

Considerando a estrutura altamente capilarizada do Órgão, para o sucesso do monitoramento da gestão orientada para os resultados, o ICMBio investiu no desenvolvimento de um sistema informatizado que pudesse abranger as suas 401 unidades organizacionais em todo o território nacional, tendo sido então implantado no ano de 2012, o SIGE – Sistema Integrado de Gestão Estratégica, ferramenta de apoio a à realização e registro de todo o ciclo PDCA (Planejar, Executar, Checar e Agir Corretivamente).No SIGE, com base nos objetivos estratégicos do Instituto Chico Mendes, são definidos indicadores e metas para cada uma das unidades organizacionais onde há desdobramento de atividades vinculadas de forma a garantir as entregas previstas.

Confira a Portaria MMA nº 287/2014, que divulga o resultado das metas globais de desempenho institucional do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, no período de 1º de junho de 2013 à 31 de maio de 2014.Confira a Portaria nº 286, de 7 de agosto de 2014, que fixa as metas institucionais globais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, para fins de pagamento da Gratificação de Desempenho devida aos ocupantes dos cargos efetivos para o período de 1º de junho de 2014 à 31 de maio de 2015.Para saber mais sobre a Gestão Estratégica do ICMBio entre em contato:Instituto Chico Mendes de Conservação da BiodiversidadeDiretoria de Planejamento, Administração e Logística
Coordenação Geral de Planejamento Operacional e Orçamento
Coordenação de Planejamento – Central de Resultados
EQSW 103/104 – Complexo Administrativo Setor Sudoeste – Bloco C – Térreo
CEP: 70670-350 – Brasília/DF – Tel: 61 3341-9219/9570 Fax: 61 3341-9230
www.icmbio.gov.br / centralderesultados@icmbio.gov.br

Comitê Gestor - Atas de Reuniões

2016

Ata de Reunião - 22 de junho de 2015                                       

2015

Ata de Reunião - 22 de junho de 2015                                       

DIBIO

Marcelo Marcelino de Oliveira é mestre em Gestão de Políticas Ambientais pela Universidade Federal de Pernambuco e graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Paraíba, com experiência na área de biologia de conservação.

Analista Ambiental do Instituto Chico Mendes, atuou como chefe do Centro de Proteção de Primatas Brasileiros, em João Pessoa, Paraíba, e é membro do Primate Specialist Group, da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Já atuou na elaboração de Planos de Ação para conservação de espécies ameaçadas, revisão da Lista de Espécies Ameaçadas, distribuição geográfica e ocorrência de primatas, diagnóstico do estado de conservação de espécies de primatas e planejamento estratégico organizacional.

DISAT

Cientista social e especialista em Antropologia Social, Renato José Rivaben de Sales, possui larga experiência na área socioambiental, adquirida ao longo das últimas três décadas.

Renato Sales já atuou na criação e implantação de Unidades de Conservação e no apoio à exploração sustentável de recursos e espaços naturais por comunidades tradicionais.

Também desenvolveu atividades de avaliação de políticas e de atividades de gestão pública e atuou em projetos de avaliação de impactos socioambientais provocados por grandes empreendimentos econômicos.

Ao longo da carreira, Renato Sales trabalhou em instituições públicas, como a Secretaria do Meio Ambiente e Fundação Florestal do Estado de São Paulo; na área acadêmica, no Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras da Universidade de São Paulo (NUPAUB-USP); e em organizações internacionais, como a Aliança Mundial para a Natureza (UICN), na Guiné-Bissau.

Renato Sales já prestou consultorias ao Ibama e ao ICMBio, quando coordenou o processo de elaboração e implantação do Plano de Manejo da Reserva Extrativista do Mandira / SP, além de ter realizado trabalhos para o Ministério do Meio Ambiente (MMA), PNUD, BNDES, IDEMA/RN e WWF-Brasil, entre outros.

Recentemente, prestou serviços de consultoria para a FAO/ONU, trabalhando na avaliação de cooperativas pesqueiras e proposição de medidas para melhoria de seus processos produtivos, comerciais e administrativos.

DIMAN

Lilian Leticia Mitiko Hangae é graduada em Geografia pela Universidade de São Paulo (2000). Analista Ambiental do Ibama peloc oncurso público promovido em 2002, Lilian foi lotada inicialmente no Parque Nacional da Serra da Cutia, em Rondônia.

Em 2006 foi transferida para a Coordenação do Bioma Amazônia, da Diretoria de Ecossistemas do Ibama (DIREC/Ibama), em Brasília-DF e em 2009 foi redistribuida para a Coordenação de Avaliação e Monitoria de UC, da mesma diretoria. Em novembro de 2012 foi lotada na Estação Ecológica de Tupinambás, em São Paulo.

Desde maio de 2014 atua como Coordenadora Geral de Criação, Planejamento e Avaliação da Gestão de Unidades de Conservação (CGCAP) e Diretora Substituta da Diretoria de Criação e Manejo (DIMAN),ICMBio – Sede/DF.

Lilian possui, ainda, qualificações em educação ambiental em UC marinha, pela Universidade de São Paulo, USP, Brasil (2013), Padrões Abertos para a Prática da Conservação, pela Foundation ofSucess (FOS) (2012) e Manejo de áreas silvestres y áreas protegidas, pela Universidade Estadual do Colorado, USA (2009), entre outras.

Integra sua produção bibliográfica o capítulo 22 do livro 'Avaliação comparada das aplicações do método Rappam nas unidades de conservação federais, nos ciclos 2005-06 e 2010' e 'Aprofundamento em Gestão de Unidades de Conservação na Amazônia - Módulo: Monitoramento e Avaliação da Efetividade de Gestão de UC. 2011'.

DIPLAN

Rogério Guimarães é formado em Processamento de Dados, especialista em Gestão em Tecnologia da Informação.

Recentemente trabalhou no Ministério da Justiça, onde ocupou os cargos de Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração da Secretaria Executiva e de Coordenador-Geral de Logística.

Com larga experiência no Governo Federal, passou quatro anos no Ministério da Educação, atuando como Coordenador-Geral de Compras e Contratos da Subsecretaria de Assuntos Administrativos do MEC, entre outros cargos de coordenação.

Por 17 anos, Rogério Guimarães trabalhou em várias áreas da Caixa Econômica Federal onde foi Superintendente Nacional de Risco Operacional/Gerente Nacional de Risco Operacional da Vice Presidência de Administração de Riscos e Controle, de 2003 a 2009.

Presidência

Cláudio Maretti é gestor ambiental e trabalha com áreas protegidas e manejo do meio ambiente e de conservação há mais de 30 anos. Formado como geólogo em 1981, concluiu mestrado em Engenharia Geotécnica em 1990 (zoneamento da Região Estuarino-Lagunar de Iguape e Cananéia) e doutorado em Geografia Humana em 2002 (gestão territorial comunitária no Arquipélago dos Bijagós, África Ocidental). Cláudio vem trabalhando com projetos de apoio a comunidades locais, incluindo Patrimônio Mundial, Reservas da Biosfera e demais atuações internacionais.

Além de outros reconhecimentos, merece destaque o prêmio Fred Packard pela dedicação às áreas protegidas (considerado o reconhecimento de mais alto nível especificamente no tema das áreas protegidas – um "Nobel das áreas protegidas"), outorgado no Congresso Mundial de Parques, em 2014, na Austrália.

Trabalhou para o Governo de São Paulo por longos anos (Sudelpa, Cetesb, SMA, Fundação Florestal e Instituto Florestal), prestou cooperação técnica na África por cinco anos e fez consultorias para instituições internacionais e nacionais. Seus trabalhos se concentraram no Brasil (zona costeira, Mata Atlântica e Amazônia), na América Latina (Galápagos e Pan-Amazônia) e na África Ocidental (arquipélago dos Bijagós e zona costeira da Guiné Bissau).

Além da atuação por vários anos na Guiné-Bissau e inúmeras colaborações e consultorias específicas, Cláudio Maretti vem colaborando voluntariamente com a organização União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) há décadas e foi membro de seu Conselho Mundial, de 2004 a 2012, eleito como representante da América Latina, mas com dedicação global. É membro de Comissões da UICN, inclusive da Comissão Mundial de Áreas Protegidas, da qual foi vice-presidente regional, de 1997 a 2004, e ponto focal para o Brasil. Além de renomados especialistas nas Comissões, como por exemplo o juiz Antonio Herman Benjamin, presidente da Comissão Mundial de Direito Ambiental, importantes instituições brasileiras governamentais e não governamentais são membros da UICN, inclusive o ICMBio.

Em seu vínculo anterior, Maretti trabalhou no World Wide Fund for Nature (WWF) Brasil desde 2003, como coordenador para apoio à implementação do ambicioso Programa de Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) e em atividades complementares da organização. Depois de 2007, foi diretor de Conservação, responsável também por Cerrado-Pantanal, Mata Atlântica e Amazônia no Brasil, além da integração sul-americana. Esteve no Comitê Global de Conservação por vários anos e, ainda na Rede WWF, Maretti foi líder da Iniciativa Amazônia Viva de 2011 até recentemente. A iniciativa se destina ao desenvolvimento sustentável e à conservação da natureza em colaboração com governos, empresas, comunidades tradicionais, povos indígenas e outras organizações de conservação, congregando algumas dezenas de unidades numa rede.

O Instituto

altO Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade é uma autarquia em regime especial. Criado dia 28 de agosto de 2007, pela Lei 11.516, o ICMBio é vinculado ao Ministério do Meio Ambiente e integra o Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama).

Cabe ao Instituto executar as ações do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, podendo propor, implantar, gerir, proteger, fiscalizar e monitorar as UCs instituídas pela União.

Cabe a ele ainda fomentar e executar programas de pesquisa, proteção, preservação e conservação da biodiversidade e exercer o poder de polícia ambiental para a proteção das Unidades de Conservação federais.

Saiba o que o Instituto Chico Mendes tem feito para preservar nosso patrimonio natural, assista NOSSO VIDEO.

 

Diretoria de Unidades de Conservação de Uso Sustentável



CARGO

NOME

E-mail

TELEFONE

FAX

Diretor

Paulo Fernando Maier Souza

paulo.maier@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9267

 

Diretor Substituto

Osnil José Nepomuceno

osnil.nepomuceno@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9267

 

Assessoria

André Luis Rosa Soter da Silveira

andre.silveira@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9271

 

Coordenação Geral de Resex

Erika Fernandes pinto

erika.pinto@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9273

 

Coordenação de Gestão de Conflitos

Luiz Fernando Guimarães Brutto

luiz.brutto@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9273

 

Coordenação de Gestão Participativa

Viviane Lasmar Pacheco

viviane.pacheco@icmbio.gov.br

(61) 9034 - 9269

 

Coordenação Ambiental e Capacitação

Felipe Cruz Mendonça

felipe.mendonca@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9269

 

Coordenação Geral de Florestas Nacionais

Daniel Guimarães Bolsonaro Penteado

daniel.penteado@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9296

 

Coordenação de Produção e Uso

João da Mata Nunes Rocha

joao.rocha@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9338

 

Coordenação de Políticas e Comunidades Tradicionais

Mauricio Marcon Rebelo da Silva

mauricio-marcon.silva@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9338

 

Coordenação Geral de Regularização Fundiária

Eliani Maciel Lima

eliani.maciel@icmbio.gov.br

(61) 2028 - 9180

 

Coordenação de Consolidação de Limites

Rafael Ferreira Costa

rafael.costa@icmbio.gov.br

(61) 2028-9544