Plenária final do CBUC pede concurso para contratar servidores para as UCs

Elmano Augusto
elmano.cordeiro@icmbio.gov.br

cbucfechamentoNatal (27/09/2012) - A plenária final do VII Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), ocorrida na manhã desta quinta-feira (27), em Natal (RN), aprovou 22 moções, sendo seis delas dirigidas ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e outros órgãos do governo. 

Uma das moções pede ao governo federal a realização imediata de concurso público para suprir o corpo técnico das unidades de conservação federais. Segundo a proposta aprovada, as unidades dispõem hoje de equipes muito reduzidas para cuidar de imensas áreas naturais.

Outra moção lembra que a caatinga tem hoje apenas 1% de seu território protegido por unidades de conservação (UCs) de proteção integral e 6,4% de uso sustentável. Pede, então, que sejam criadas mais UCs na região, até que se atinja a meta da Convenção da Diversidade Biológica (CDB) de se preservar até 2020 pelo menos 17% do bioma.

Foi aprovada também moção pedindo a inclusão das unidades de conservação do Rio Grande do Norte no Projeto Parques da Copa, dos ministérios do Turismo e do Meio Ambiente. O projeto prevê a estruturação de parques nacionais para servir de opção de visitação e turismo para brasileiros e estrangeiros durante os intervalos do campeonato mundial de futebol, que será realizado em 2014 e terá Natal como uma de suas sedes.

Os participantes do congresso solicitaram ainda que no licenciamento ambiental da duplicação da BR 101, na altura da Reserva Biológica União, no interior do estado do Rio, seja inserido um item, obrigando os empreendedores a instalar passarelas sobre a rodovia. A ideia é que as passarelas sirvam para o fluxo dos macacos da espécie mico-leão-dourado, que habitam local.

Por fim, a plenária de encerramento do CBUC aprovou moção que sugere a criação da Área de Proteção Ambiental (APA) do Litoral Leste do Ceará, processo que está tramitando no ICMBio desde 2009. Segundo os proponentes, a região sofre forte pressão humana.

Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280