Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Mamíferos - Ungulados

coabio ungulados

DOCUMENTOS E ARQUIVOS
Nome
Baixar
Lista das espécies avaliadas alt

Cervos e Veados


Anta


Caititu e Queixada
PUBLICADO

N° DE ESPÉCIES: 12

Os cervídeos, antas e porcos-do-mato do Brasil, pertencentes às Ordens Perissodactyla e Artiodactyla e conhecidos coletivamente como Ungulados, são mamíferos dotados de cascos e estão entre as espécies mais populares como alvo de caça ou cinegéticas. Têm ciclos de vida longos e demoram muitos anos para começarem a se reproduzir, possuem um longo tempo de gestação e algumas delas vivem em grupos bastante conspícuos. Devido a essas características, são espécies muito suscetíveis à extinção local em função de pressões humanas.

Nos dias 26 e 27 de novembro de 2010, foi realizada na ACADEBio a oficina para a avaliação do estado de conservação das espécies de ungulados do Brasil, organizada pelo CENAP/ICMBio em parceria com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e com o apoio do CBSG da IUCN.

As avaliações da anta e dos taiassuídeos por bioma traçaram um quadro grave, com a ocorrência de extinção regional e espécies criticamente ameaçadas (CR) nos biomas Caatinga e Mata Atlântica. Um exemplo é o queixada (Tayassu pecari), que não tem nenhuma  população na Mata Atlântica com o tamanho suficiente para que a espécie esteja isenta do risco de extinção local súbita, como já aconteceu em grandes áreas protegidas do Bioma, como o Parna Iguaçu (PR) e o PE do Morro do Diabo (SP).

Outro resultado alarmante foi o mapa da Amazônia com exclusão das áreas onde as pressões humanas já podem ter eliminado as espécies cinegéticas, como faixas de 5 km ao redor de assentamentos, elaborado pela analista ambiental do CENAP Lilian Bonjorne. Esse mapa mostrou que cerca de 20 a 25% da Amazônia já não pode mais ser considerada uma área para a conservação de antas e queixadas, levantando a necessidade de rever o conceito da Amazônia como uma imensa área impertubável pelas pressões humanas.

N° DE OFICINAS:

1 Oficina realizada

COORDENADORES DE TAXON:

Dr. José Maurício Barbanti Duarte (NUPECCE/UNESP), Dra. Emília Patrícia Medici (IUCN/Tapir Specialist Group), Dra. Alexine Keuroghlian (WCS Brasil/IUCN Peccary Specialist Group) e Dr. Arnaud Léonard Jean Desbiez (Royal Society of Scotland/IUCN Peccary Specialist Group/ IUCN CBSG Rede Brasil)

PONTO FOCAL:

Dra. Beatriz de Mello Beisiegel (CENAP - ICMBIO)

EMAIL: coabio@icmbio.gov.br

Fim do conteúdo da página