Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Peixes - Isogomphodon oxyrhynchus (Müller & Henle, 1839) - Cação-quati
Início do conteúdo da página

Peixes - Isogomphodon oxyrhynchus (Müller & Henle, 1839) - Cação-quati

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Peixes
Elasmobranchii
Carcharhiniformes
Carcharhinidae
Isogomphodon oxyrhynchus (Müller & Henle, 1839)
Cação-quati
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
CR
A2bd
IN MMA 005/2004
Justificativa
Isogomphodon oxyrhynchus é uma espécie de tubarão tropical com distribuição restrita, endêmica das águas costeiras do norte da América do Sul. Apresenta uma alta vulnerabilidade intrínseca por ter uma baixa fecundidade e uma taxa de mortalidade natural alta. A espécie é capturada incidentalmente na pesca artesanal com redes de emalhar. No Brasil, a pressão da pesca em seu habitat continua a aumentar. Análises demográficas recentes indicam que nos últimos 10 anos, a população tem diminuído, resultando em quedas acentuadas (> 90%). Embora atualmente não existam dados para a Venezuela, Trinidad, Guiana, Suriname e Guiana Francesa, é provável que declínios similares também ocorram nesses países, uma vez que a espécie é capturada pela pesca artesanal. A pressão de pesca é intensa em toda a área de ocorrência, que é naturalmente pequena, e o impacto tende a continuar a aumentar no futuro. A população pequena pode limitar a recolonização de áreas onde a espécie declinou. Esses fatores, juntamente com a distribuição limitada, os traços da história de vida e o dramático declínio da população, resultam que I. oxyrhynchus foi considerada uma espécie Criticamente em Perigo, sob o critério A2bd. A implementação de medidas para proibição total de capturas e os desembarques da espécie, além do estabelecimento de áreas de proteção integral, na sua área de ocorrência, para garantir a conservação da mesma, são urgentes.
Pesquisadores Participantes do Processo*

Alessandra Lonardoni – UEM, Ana Rita Onodera Palmeira – UFPB, Arturo Mora – IUCN, Carolus Maria Vooren – FURG, Cristiane Elfes - University of California, Santa Barbara, Domingos Garrone Neto – UNESP, Emanuel C. Ferreira – FURG, Fábio Hissa Vieira Hazin – UFRPE, Fernando Fernandes Mendonça – UNESP, Fernando Pedro Marinho Repinaldo Filho – ICMBio, Francisco M. Santana – UFRPE, Getúlio Rincon – UNIP, Guilherme Moro – UFPB, Jorge Eduardo Kotas - CEPSUL/ICMBio, Jules Soto – UNIVALI, Leandro Yokota – USP, Manoel Mateus Bueno Gonzalez - Núcleo de Pesquisa e Estudo em Chondrichthyes/UNISANTA, Maria Cristina Oddone – FURG, Maria Lúcia Góes de Araújo – UFRPR, Mônica Brick Peres – ICMBio, Patricia Charvet - SENAI/PR, Ricardo de Souza Rosa – UFPB, Roberta Aguiar dos Santos - CEPSUL/ICMBio, Rodrigo Risi Pereira Barreto – UFRPE, Rosângela Lessa – UFRPE, Santiago Monte alegre Quijano – FURG, Vicente Faria – UFC.

* São listados os nomes de todos os pesquisadores que participaram de qualquer etapa do processo de avaliação do estado de conservação da espécie (envio de informações e oficina de avaliação). A categoria foi determinada na oficina pela maioria dos participantes, seguindo rigorosamente o método utilizado, e posteriormente validada seguindo o método de análise de consistência.

Referências
Compagno, L.J.V. 1984. FAO species catalogue. Vol. 4. Sharks of the world. An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date. FAO Fish. Synop. No. 125, vol. 4.

Elias, M.P.P. 2004. Diagnóstico da pesca de elasmobrânquios oriundos da costa norte brasileira e desembarcados nos portos da região Bragantina (Pará). In: IV Reunião SBEEL: A busca da sustentabilidade pesqueira de elasmobrânquios no Brasil, 2004, recife. iv reunião da sbeel (Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios), 2004. Recife-PE: Bagaço, v. v.únic. p. 66-67.

Lessa, R. 1986. Levantamento faunístico dos elasmobrânquios do litoral ocidental do Estado do maranhão, Brasil. Bol. Lab. Hidrobiol., São Luis 7:27–42

Lessa, R. 1987. Aspectos da biologia do cação-quati, Isogomphodon oxyrhynchus das rentrâncias Maranhenses. Bol. Cic. Mar. 44:1–18

Lessa, R., Batista, V. and Almeida, Z. 1999. Occurrence and biology of the daggernose shark Isogomphodon oxyrhynchus (Chondrichthyes: Carcharhinidae) off the Maranhão coast (Brazil). Bulletin of Marine Science 64(1):115–128.

Lessa, R., Santana, F.M., Batista, V. and Almeida, Z. 2000. Age and growth of the daggernose shark Isogomphodon oxyrhynchus from northern Brazil. Marine and Freshwater Research 51:339–347.

Lessa, R. & Compagno, L.J.V. 2002. Daggernose shark Isogomphodon oxyrhynchus. Pp. 306-308.

Lessa, R., Charvet-Almeida, P., Santana, F.M. & Almeida, Z. 2006. Isogomphodon oxyrhynchus. In: IUCN 2011. IUCN Red List of Threatened Species. Version 2011.2. . Downloaded on 20 March 2012.

Machado, A.B.M.; Martins, C.S.; Drummond, G.M. 2005. Lista da fauna brasileira ameaçada de extinção: incluindo as espécies quase ameaçadas e deficientes em dados. Belo Horizonte, Fundação Biodiversitas, 160p.

Rodrigues-Filho, L F da S., Rocha, T C, Rêgo, P. S, Schneider, H., Sampaio, H., Vallinoto, M. 2009. Identification and phylogenetic inferences on stocks of sharks affected by the fishing industry off the Northern coast of Brazil. Genetics and Molecular Biology. 1-9p.

Santana, F.M. and Lessa, R. 2002. Análise demográfica do cação-quati, Isogomphodon oxyrhynchus na região norte do Brasil. III Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios 3: 90–91.

SEMA – PA (Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Governo do Pará). 2007. Resolução nº 054/2007 (Homologa a lista de espécies da flora e da fauna ameaçadas no Estado do Pará). Disponível em: http://www.sema.pa.gov.br/interna.php?idconteudocoluna=2283 Acesso em: 19 mar 2012

Stride, R.K., Batista, V. and Raposo, L. 1992. Pesca Experimental de Tubarões com redes de emalhar no Litoral Maranhense. São Luis. Vol. III. ODA/ FINEP, UFMA.
Fim do conteúdo da página