Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Manejo para Conservação
Início do conteúdo da página

Manejo para Conservação

Representação Gráfica para o Processo de Avaliação do Risco das Espécies Ameaçadas (Arte: ICMBio)


A Coordenação Geral de Manejo para Conservação (CGESP) está ligada à Diretoria de Pesquisa, Avaliação e Monitoramento da Biodiversidade (DIBIO) e conta com três coordenações - de Avaliação do Estado de Conservação da Biodiversidade (COABIO), de Análise e Prognóstico de Risco à Biodiversidade (COAPRO), e de Planos de Ação de Espécies Ameaçadas de Extinção (COPAN), que avalia o risco de extinção das espécies brasileiras, identifica cenários de perda dessa biodiversidade no país, e traça ações estratégicas para a conservação dessa biodiversidade.

  1. Propor a normatização das ações de regulamentação para o manejo e conservação das espécies da biodiversidade brasileira;
  2. Aprovar e supervisionar ações que são desempenhadas pelas unidades de conservação (UCs) federais, Coordenações Regionais, e Centros nacionais de Pesquisa e Conservação, visando à conservação das espécies da fauna brasileira;
  3. Supervisionar ações de ordenamento das informações sobre as espécies da biodiversidade brasileira, executadas pelas demais unidades do ICMBio;
  4. Supervisionar ações relacionadas à avaliação do estado de conservação das espécies da fauna brasileira, realizadas pelas demais unidades do ICMBio;
  5. Supervisionar o estudo de possíveis cenários de risco para a perda da biodiversidade;
  6. Coordenar ações desenvolvidas pelos Centros Nacionais de Pesquisa e Conservação na atuação como autoridade científica da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna Selvagem em Perigo de Extinção (CITES),
  7. Supervisionar a elaboração e a implementação, em articulação com órgãos governamentais, não governamentais e entidades privadas, de
  • Planos de ação nacionais (PANs) para a conservação de espécies ameaçadas de extinção, ou do patrimônio espeleológico, e espécies dependentes de conservação;
  • Programas de conservação de espécies relevantes para a biodiversidade, especialmente aquelas ameaçadas de extinção no Brasil, e
  • Programas de manejo em cativeiro de espécies ameaçadas.

  • Coordena atividades relacionadas à avaliação do estado de conservação das espécies da fauna brasileira, realizadas pelos Centros Nacionais de Pesquisa e Conservação;
  • Coordena atividades de publicação das informações sobre o estado de conservação das espécies da fauna brasileira, em especial daquelas ameaçadas de extinção;
  • Analisa informações sobre a biodiversidade brasileira para subsidiar a atualização das listas nacionais oficiais de espécies ameaçadas de extinção;
  • Elabora atos normativos relativos à avaliação do estado de conservação da biodiversidade;

  • Coordena atividades de geração, ordenamento, e análise de dados e informações qualificados sobre as espécies da biodiversidade brasileira e sobre as ameaças à biodiversidade;
  • Avalia as pressões exercidas sobre as espécies da biodiversidade brasileira e sobre os ambientes, em especial em unidades de conservação (UCs) federais;
  • Propõe o estabelecimento de estudos de possíveis cenários futuros sobre a conservação das espécies a fim de subsidiar o processo decisório de gestão;
  • Elabora atos normativos relativos à análise e prognóstico de risco à biodiversidade.

  • Coordena e monitora atividades de elaboração e implementação de planos de ação nacinais (PANs) para a conservação de espécies ameaçadas de extinção, ou do patrimônio espeleológico, e espécies dependentes de conservação;
  • Coordena atividades de publicação dos planos de ação nacionais (PANs) para a conservação de espécies ameaçadas de extinção, ou do patrimônio espeleológico, em articulação com os Centros Nacionais de Pesquisa e Conservação;
  • Acompanha o estabelecimento e a execução dos programas de manejo em cativeiro de espécies ameaçadas;
  • Elabora atos normativos relativos ao manejo das espécies ameaçadas de extinção;

 

Fim do conteúdo da página