Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Pesquisa > Projetos Apoiados > Projetos Apoiados em 2014 > Manejoerradicação do Macaco-de-Cheiro (Saimiri Sciureus) na Reserva Biológica de Saltinho/PE
Início do conteúdo da página

Manejo\erradicação do Macaco-de-Cheiro (Saimiri Sciureus) na Reserva Biológica de Saltinho/PE

Ano: 2014

Em meados de 1987, cerca de 20 macacos endêmicos da Floresta Amazônica pertencentes ao gênero Saimiri (Voigt, 1831), conhecidos vulgarmente por macaco-de-cheiro, foram apreendidos em ação de combate ao tráfico ilegal e, posteriormente, soltos na Mata Atlântica do Estado de Pernambuco, na Reserva Biológica de Saltinho (REBIO), municípios de Tamandaré e Rio Formoso. O único primata nativo que ainda ocorria na REBIO naquele período era (e ainda é) o sagui-do-nordeste ou sagui-do-tufo-branco, Callithrix jacchus (Linnaeus, 1758), endêmico dos biomas característicos da Região Nordeste do Brasil (CAMAROTTI, 2009). Porém, além do sagui, que apresenta grande plasticidade ecológica e resiliência, outras duas espécies de primatas nativos tiveram suas presenças confirmadas, mais recentemente, em remanescentes de Mata Atlântica particulares, em um raio menor que 20 km a partir dessa REBIO: macaco-prego-galego, Cebus flavius, presente em seis fragmentos de Pernambuco, o mais próximo a 8 km a leste da REBIO, na Mata da Usina Salgado; e guariba-de-mãos-ruivas, Alouatta belzebul, com uma única população na Mata do Engenho Sacramento, em Água Preta, a cerca de 16 km a oeste da REBIO (MENDES-PONTES, 2006; MONTEIRO DA CRUZ et al., 2002; OLIVEIRA & LANGGUTH, 2006; OLIVEIRA et al., in press). Resumo completo

Responsável pelo ProjetoUnidade
Pedro Augusto Macedo Lins
pedro.lins@icmbio.gov.br
Reserva Biológica de Saltinho
Fim do conteúdo da página