Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Seminário de pesquisa do ICMBio recebe 126 resumos
Início do conteúdo da página

Cemave abre consulta sobre aves limícolas

Publicado: Sexta, 07 de Julho de 2017, 19h14
Espécies vivem em ambientes aquáticos, sendo que a maioria é migratória. Trabalho faz parte do segundo ciclo de avaliação do estado de conservação das aves brasileiras

Calidris canutus 4 Renato Grimm

Brasília (07/07/2017) – O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave), que tem sede em João Pessoa (PB) e é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), acaba de abrir consulta ampla sobre o processo de avaliação do estado de conservação das aves limícolas (espécies vinculadas a ambientes aquáticos).

Integrantes da comunidade científica e demais interessados podem participar com informações sobre as espécies por meio da ficha base da avaliação. As fichas estão disponíveis para edição e envio de contribuições por meio do Atlas de Registros de Aves Brasileiras (ARA) no site ara.cemave.net. O prazo vence no dia 31 de agosto.

A próxima Oficina de Avaliação do Estado de Conservação das Aves Brasileiras, que ocorrerá nos dias 2 e 3 de outubro, em Tamandaré, Pernambuco, abrangerá 41 espécies de aves limícolas – espécies associadas a ambientes aquáticos, que ocorrem da costa ao interior. A maior parte delas é migratória, sendo que algumas chegam a viajar cerca de 25 mil km entre os sítios de reprodução e de invernada. Cerca de 15 especialistas nessas aves deverão participar da oficina.

Processo contínuo e cíclico

Existem no mundo cerca de 10.400 espécies de aves (dados da BirdLife International). Dessas, 1.919 são encontradas no Brasil, segundo o Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (CBRO). Esse alto número de espécies coloca o Brasil entre os três países detentores da maior diversidade de aves do mundo.

Apesar da grande maioria das espécies passarem todo o ciclo de vida em território brasileiro, algumas vêm do Hemisfério Norte, do sul da América do Sul e de países a oeste do Brasil, passando apenas parte do ciclo de vida no País. Algumas são consideradas vagantes por possuírem uma ocorrência irregular.

O processo de avaliação de risco de extinção das espécies é contínuo e cíclico, com intervalos de cinco anos entre uma avaliação e outra. Atualmente, a avaliação do estado de conservação das aves brasileiras passa pelo seu segundo ciclo. Os trabalhos são conduzidos pelo Cemave.

Mais informações:


Coordenador de taxon:
Wallace Rodrigues Telino-Junior

Ponto focal:
Diego Mendes Lima (ICMBio/Cemave)

E-mail: avaliação.cemave@icmbio.gov.br

Comunicação ICMBio – (61) 2028-9280 – com informações do Cemave (Diego Mendes)
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página