Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Monitoramento de concessões é tema de oficina
Início do conteúdo da página

Operação combate crimes contra a fauna no Maranhão

Publicado: Quarta, 16 de Agosto de 2017, 17h40
Agentes do ICMBio participaram da ação que prendeu nove pessoas e apreendeu 62 pássaros canoros usados em torneios na região de São Luís

thumbnail Op. Curió Legal 1 7 768x576

Brasília (16/08/2017) - O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) participou, junto com a Polícia Federal (PF) e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da operação Curió Legal na região de São Luís (MA). O objetivo foi combater delitos ambientais contra a fauna praticados nos torneios de pássaros canoros (aves que possuem canto harmonioso).

A ação ocorreu em um clube local utilizado para competição de pássaros canoros e frequentado pelos criadores de canários e outras aves na capital maranhense. Foram efetuadas nove prisões em flagrante e apreendidas 62 aves, 1.750 projéteis de pistola 9mm, 3 armas de fogo, 101 projéteis de fuzil 556, além de 2 caixas acústicas, meio extremamente cruel usado para treinamento dos pássaros cantores.

A partir das investigações, foi possível constatar que as suspeitas recaiam sobre os criadores amadoristas competidores. A recorrência de anilhas falsas ou fraudadas nesses concursos é muito grande e, muitas vezes, os pássaros nem sequer possuem a marcação. A corroborar as suspeitas, o Ibama informou que há mais de um ano não entrega anilhas novas a criadores amadoristas no estado do Maranhão.

Assim, muitos dos pássaros que participaram desse torneio teriam sido capturados na natureza de forma clandestina e foram postas anilhas falsas, caracterizando os delitos tipificados na Lei de Crimes Ambientais e no Código de Processo Penal.

Os espécimes vencedores são muito valiosos, chegando a custar dezenas de milhares de reais cada um. Evidentemente que os melhores cantores são encontrados na natureza e não nos cativeiros, onde, em tese estariam legais.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280


registrado em: ,
Fim do conteúdo da página