Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Autoridades da área ambiental debatem o futuro do SNUC
Início do conteúdo da página

Abrolhos promove oficina de interpretação ambiental

Publicado: Quinta, 21 de Setembro de 2017, 12h37
Iniciativa integra as ações de ordenamento e qualificação da visitação, a aproximação com o entorno e a comunicação com o público alvo do parque nacional marinho no litoral baiano

IMG 0375

Brasília (21/09/2017) – O Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, no litoral da Bahia, realizou, entre os dias 11 e 16, a oficina para a elaboração do plano interpretativo da unidade de conservação (UC). A iniciativa foi conduzida por representantes da equipe ampliada de Interpretação Ambiental, vinculada à Coordenação de Planejamento, Estruturação da Visitação e do Ecoturismo (COEST/CGEUP/DIMAN).

A atividade integra as diferentes ações que vêm sendo implementadas pela gestão da unidade de conservação, buscando o ordenamento e qualificação da visitação, a aproximação com o entorno e a comunicação com o público alvo do parque nacional marinho.

Neste ano, já foram feitos vários investimentos na qualificação dos profissionais envolvidos nas atividades de visitaçã no parque, tendo sido realizadas um conjunto de capacitações, como os cursos de Princípios de Interpretação Ambiental e Técnicas de Excelência no Atendimento aos Visitantes; de Noções de Primeiros Socorros com Ênfase em Reanimação Cardio-Pulmonar (RCP); de Atendimento de Emergências de Mergulho com Provedor de Oxigênio.

Em setembro, foi iniciado o curso para a formação de profissionais de mergulho – divemaster. Para o treinamento, que está em execução, foram selecionados, a partir de 38 inscrições, seis moradores do entorno do Parque Nacional. Todas as capacitações recebem apoio do Projeto GEF Mar, por meio do componente "Integração com o Entorno".

A prioridade conferida à interpretação ambiental como ferramenta de gestão tem o objetivo de qualificar as estratégias de sensibilização, melhorando a comunicação do parque com os diferentes públicos que se relacionam com a UC, principalmente da região em que a unidade está inserida.

Participação

Para isso, a construção do plano interpretativo será participativa, de forma a despertar o pertencimento e o engajamento dos parceiros. Neste primeiro momento, foi realizada uma oficina de dois dias para coleta de subsídios com atores locais de diferentes instituições, representantes das comunidades do entorno, conselheiros do parque, condutores de visitantes, entre outros.

Assim que a primeira versão do plano estiver pronta, será apresentada em reunião do Conselho Consultivo, para validação e aporte de outras contribuições. A partir do plano serão planejados os produtos interpretativos considerados estratégicos para a UC e mapeados os parceiros potenciais para implementação.

De acordo com Fábio Negrão, instrutor de mergulho e participante da oficina, “é importante falar de Abrolhos e falar bem, valorizar toda a riqueza que temos no parque. No processo de construção do plano interpretativo as pessoas estão tendo essa oportunidade, elas se conectaram com a proposta, principalmente pela forma que está sendo conduzido”.

O condutor de visitantes Pedro Paulo Linares aprovou o trabalho em equipe que foi feito. “Me senti parte do processo, espero que gere resultados positivos e melhore o atendimento ao público”.

Para Fernando Repinaldo, chefe do parque, é importante destacar que Abrolhos está registrado no imaginário da população desde a descoberta do Brasil e, nos últimos 34 anos, por ter sido o primeiro parque nacional marinho criado no país, promovendo iniciativas para a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento socioambiental da região onde está inserido.

“É importante que, além das informações sobre o contexto histórico, cultural, geológico e de biodiversidade, o público seja cada vez mais sensibilizado para os importantes serviços prestados pelo parque para a sociedade, valorizando as iniciativas de conservação desenvolvidas na região e estimulando que mais pessoas conheçam e participem dessa história", disse Repinaldo.

Saiba mais

O que é interpretação ambiental?

A interpretação ambiental é um conjunto de estratégias de comunicação destinadas a revelar os significados dos recursos ambientais, históricos e culturais a fim de provocar conexões pessoais entre o público e o patrimônio protegido.

O que é o Plano Interpretativo?

O Plano Interpretativo é o documento que orienta o desenvolvimento de meios e serviços de interpretação ambiental e que considera a missão da Instituição, os objetivos de criação da unidade de conservação, os significados e características dos recursos protegidos e os interesses dos diferentes públicos.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página