Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Produção sustentável é tema no Seminário de Boas Práticas
Início do conteúdo da página

Visitação e pesquisa serão debatidos no Boas Práticas

Publicado: Sexta, 24 de Novembro de 2017, 14h12
Conhecer para preservar, tanto pelo olhar da visitação quanto da pesquisa. Conheça as práticas selecionadas nestes temas.


Resumos04

Na próxima segunda-feira, dia 27 de novembro, começa o III Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação e I Fórum Internacional de Parcerias na Gestão de Unidades de Conservação em Brasília (DF).

46 boas práticas realizadas em unidades de conservação federais e estaduais foram selecionadas e serão apresentadas durante o evento. O objetivo é a troca de experiências bem sucedidas na gestão de unidades de conservação (UC) com potencial de replicação.

As experiências estão distribuídas por todo território nacional e contemplam diferentes temas. Entre eles está a visitação, que traz a população para dentro das unidades de conservação. Seja no Turismo de Base Comunitária em reservas extrativistas e florestas nacionais ou o turismo em parques estruturados com contratos de concessão como Iguaçu e Serra dos Órgãos. O contato com a natureza desperta o encanto e a consciência de que essas áreas devem ser preservadas. E assim conquistamos mais amantes e defensores do nosso patrimônio natural.

Apresentamos abaixo alguns resumos de práticas que serão discutidas durante o evento sobre uso público, sociedade e pesquisa.

Mais informações sobre o evento aqui

Veja também: Práticas sobre participação social

Veja também: Práticas sobre produção sustentável

Veja também: Práticas sobre capacitação e ferramentas de gestão

Alexandre Lorenzetto
Parque Nacional da Serra dos Órgãos/PR
Maio de 2014

Monitoramento automático de visitantes nas trilhas no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro

Realizada no Parque Nacional da Serra dos Órgãos: Trilha Cobiçado - Ventania e Trilha Cartão, a Prática contou com a participação de equipe do parque nacional e equipe técnica da empresa Soluções Ambientais com Inovação e Sustentabilidade/ Eco-Contadores Brasil. Com o objetivo de estimular Monitoramento e quantificação do número de visitantes que percorrem a Travessia Cobiçado Ventania e a Trilha Cartão Postal, visando melhorar a gestão para a visitação e interpretação ambiental; e elaborar análises do fluxo de visitantes de cada ponto monitorado por: quantificação total, perfil diário, perfil horário, horários de picos de visitação, sazonalidade (meses/estações), influências de eventos, tendências de visitação.

Manuela Tambellini
Gerência de Visitação, Negócios e Sustentabilidade/RJ
Janeiro de 2016

Gestão da Visitação: implantação de rede de monitoramento automática de visitantes no sistema fluminense de áreas naturais protegidas

Realizada na Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio Macacu, Parques Estaduais dos Três Picos, da Pedra Branca, da Costa do Sol, do Desengano, Cunhambebe, do Mendanha, da Pedra Selada, da Serra da Tiririca, da Ilha Grande, a Prática contou com a participação do FUNBIO, ITPA e SACIS. Com o objetivo de criar uma rede de monitoramento automático, aumentando a eficiência de consultado aos dados de monitoramento, elaborando análises do fluxo de visitantes, estimulando o fluxo de informações entre gestores e parceiros, além de disponibilizar a informação ao público geral.

Felipe Cruz Mendonça
Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha /PE
Fevereiro de 2017

Ordenamento participativo do uso público no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha: novo fórum e novos passos de um longo caminho

Realizada no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, a Prática contou com a participação da Associação de condutores de turismo de Fernando de Noronha. Com o objetivo de aproximação do diálogo com os condutores e o estabelecimento de um novo fórum permanente de contribuição da sociedade local na gestão do Parque, fortalecendo a relação de confiança entre condutores e ICMBio, buscando tratar de assuntos referentes a classe e ao ordenamento do uso público da Unidade.

Francisco Livino
Parque Nacional Serra da Bocaina/RJ
Fevereiro de 2009

Resgate gerencial das praias de Trindade, através da pluriparticipação

Realizada no Parque Nacional da Serra da Bocaina, a Prática contou com a participação de diversos atores sociais (AGU, MPF, SPU, ECONSENSO, SOS Mata Atlântica, INEA, PF, PRF, Associação de Moradores da Trindade e Associação de Barqueiros e Pequenos Pescadores da Trindade). Com o objetivo de resgatar as áreas ao domínio público visando a consolidação da unidade de conservação e a formalização e qualificação da atividade turística, com a repartição de responsabilidades e benefícios com a comunidade local.

Leonardo Martins Gomes
Parque Nacional da Serra dos Órgãos/RJ
Fevereiro de 2017

Caminhos Inteligentes - Desenvolvimento de Protótipo para monitoramento de trilhas em Unidades de Conservação

Realizada no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, a Prática contou com a participação do Centro Universitário da Serra dos Órgãos. Com o objetivo de priorizar solução final de baixo custo; adequabilidade do equipamento a diferentes regiões climáticas do Brasil; adequação do sistema de gestão dos dados às diversas dimensões de UC e quantidade de atrativos; intuitividade na operação do equipamento e no uso do sistema de gestão de dados coletados.

Marília Falconi Guerra
DISAT/CGPT/COPROD/DF
Dezembro de 2011

Turismo de Base Comunitária em Unidades de Conservação federais: princípios e diretrizes

Realizada nas Reservas Extrativistas do Soure e Rio Unini e na Floresta Nacional do Tapajós, a Prática contou com a participação da Associação de Moradores da Resex Soure; da Associação Comunitária Jamaraqua da Flona do Tapajós e da Associação de Moradores do Rio Unini. Com o objetivo de estabelecer um marco referencial para o Turismo de Base Comunitária, nas UC federais, direcionado principalmente para seus gestores, buscando orientar sua implantação, de acordo com princípios e diretrizes compatíveis com a conservação da biodiversidade, com a salvaguarda da história e cultura das comunidades locais e com o protagonismo comunitário no desenvolvimento da atividade, contribuindo para o alcance dos objetivos do SNUC, para a integração com as demais áreas protegidas e a inserção no contexto do desenvolvimento local.

Ana Cleia Teixeira de Azevedo
Reserva Extrativista Rio Iriri/PA
Julho de 2017

Parceria entre instituições permite a realização da II Feira dos Povos do Médio Xingu

Realizada nas Reservas Extrativistas do Riozinho do Anfrísio, Rio Iriri, Rio Xingu, a Estação Ecológica Terra do Meio e o Parque Nacional Serra do Pardo, além das 11 Terras Indígenas, das etnias Araweté, Parakanã, Xipaya, Kuruaya, Juruna, Xikrin, Kayapó, Kararaô, Arara e Asurini, a Prática contou com a participação FUNAI. Com o objetivo de apresentar para a população urbana a diversidade e qualidade de produtos da floresta, valorizando a diversidade cultural dos povos do Médio Xingu e sua conectividade e intercâmbio com a cidade de Altamira, proporcionando a construção de novas relações entre a floresta e o urbano com princípios de valorização, respeito e boa convivência, facilitando a troca de saberes, o encontro e a solidarização entre os povos do Médio Xingu.

Fernando Henrique de Sousa
Parque Nacional do Iguaçu/SC
Setembro de 2015

A concessão como estratégia de formação de cadeia de valor da economia verde no entorno do Parque Nacional do Iguaçu

Realizada no Parque Nacional do Iguaçu, a Prática contou com a participação de diversos atores sociais (Cooperativa da Agricultura Familiar do Oeste do Paraná, Associação Santa Anna de Fruticultura, WWF-Brasil, Associação Comercial de Foz do Iguaçu, Prefeituras Municipais de Capanema, Serranópolis, Santa Terezinha, Matelândia e Foz do Iguaçu, Cooperativa Biolabore, AMOP, SEBRAE/PR). Com o objetivo de incorporar as compras de fornecedores oriundos dos municípios do entorno do Parque, pequenos produtores oriundos da Agricultura Familiar baseado em agroecologia, garantir o caráter distributivo e inclusivo dos benefícios socioeconômicos da atividade turística da cadeia de valor da concessão pelos atores dos municípios do entorno do Parque.

Gilson Luis Souto Mota
Parque Nacional de Ubajara/CE
Março de 2013

Parque Nacional de Ubajara se reinventa sem o "Bondinho" apostando na parceria com condutores de visitantes

Realizada no Parque Nacional de Ubajara, a Prática contou com a participação do Conselho Consultivo do Parque e da CCOPTUR. Com o objetivo de promover a visitação ao parque; criar novos atrativos e revitalizar os atrativos existentes; promover a inclusão social; melhorar a relação da UC com o entorno; aplicar os procedimentos de credenciamento e regularização dos condutores de turismo no Parque Nacional de Ubajara, considerando os instrumentos legais disponíveis; apresentar procedimentos que proporcionem um incremento educativo, interpretativo e recreativo aos visitantes, a partir da atuação dos condutores.

Natacha Sobanski
Fundação Grupo Boticário - Áreas Protegidas/PR
Janeiro de 2017

Estabelecer parcerias para aumentar a geração de conhecimento específico sobre a Reserva, otimizar o monitoramento de Biodiversidade e auxiliar a gestão da Unidades de Conservação

Realizada na Reserva Natural Salto Morato, a Prática contou com a participação da Fundação Grupo Boticário, Instituto Federal do Paraná, Universidade Federal do Paraná, Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Com o objetivo de agregar mais informação ao monitoramento de biodiversidade da Reserva; otimizar os custos para a implementação de equipamentos de monitoramento de biodiversidade; integrar professores e alunos aos programas de gestão da Reserva Natural Salto Morato; contribuir para a geração de conhecimento científico consistente e de longo prazo, que possa embasar a tomada de decisão e auxiliar na definição de novas estratégias de conservação na Reserva; reforçar no meio acadêmico a importância de se desenvolver pesquisas que gerem resultados práticos para a conservação.

Pedro Paes Lira
Floresta Nacional de Canela/SP
Maio de 2017

Estudo de caso específico para as Florestas Nacionais de Canela e de São Francisco de Paula, vinculado ao Projeto Parcerias Ambientais Público-Privadas (PAPP)

Realizada na Floresta Nacional de Canela e Floresta Nacional de São Francisco de Paula, a Prática foi desenvolvida por consultoria especializada das empresas Natureza Urbana e Felsberg e Pedretti Advogados e envolveu a participação dos principais atores sociais e institucionais ligados à prática e ao mercado de turismo e ecoturismo local. Com o objetivo de formular e fomentar a aplicação de modelos de parcerias ou alianças ambientais público-privadas voltadas para o aproveitamento sustentável das potencialidades econômicas das unidades com vistas à melhoria da gestão e à conservação da biodiversidade, bem como a geração de benefícios sociais e econômicos para as populações residentes e do entorno.

Adriana Carvalhal Fonseca
Reserva Biológica Marinha do Arvoredo/SC
Junho de 2013

Projeto de monitoramento ambiental da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo e entorno – Projeto MAArE

Realizada na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, a Prática contou com a participação da Universidade Federal de Santa Catarina. Com o objetivo de levantar informações que pudessem subsidiar a construção de um programa de monitoramento ambiental sistemático e contínuo na Reserva.

Camile Lugarini
CEMAVE/SC
Setembro de 2016

Como a maracanã-verdadeira ajudará a recuperar uma das espécies mais ameaçadas de ave do Brasil?

Realizada no Projeto Ararinha na Natureza na proposta de criação de Unidades de Conservação (UC) na região de Curaçá/BA, a Prática contou com a participação de diversos atores sociais (ICMBio/CEMAVE, UFPB, UFRN, UNIVASF, UFMG, UFRJ, INPE, Al Wabra Wildlife Preservation, Parque das Aves, Instituto Arara-azul, Escola Estadual José Amâncio Filho, Mineração Caraíba, FUNBIO e patrocínio da Vale). Com o objetivo de produzir informação de alta qualidade sobre a biologia e ecologia da maracanã, ocupação de potenciais predadores, ocupação de aves e mamíferos ameaçados; interagir com as comunidades a fim de buscar parceiros e pessoas que se identifiquem com a causa, assumindo responsabilidade permanente na condução local do projeto; despertar entre os comunitários boas práticas ambientais.

Fernando Repinaldo Filho
Parque Nacional Marinho dos Abrolhos/BA
Novembro de 2014

Ordenamento participativo do uso público no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha: novo fórum e novos passos de um longo caminho

Realizada no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, a Prática contou com a participação do TAMAR/ICMBio, Fundação Pró-Tamar, Programa de Voluntariado e Marinha do Brasil. Com o objetivo de promover a execução de uma ação prioritária do PAN Tartarugas Marinhas e a geração de informações e avaliação sobre um dos objetivos específicos de manejo do Parque – a conservação das tartarugas marinhas.

Ivan Salzo
DIBIO/CGPEQ/COPEG/DF
201

Parcerias estratégicas na implementação de políticas públicas - CNPq e ICMBio fortalecem a pesquisa para gestão da biodiversidade por meio de chamadas de projetos com recursos de compensação ambiental

Realizada em Unidades do Bioma Caatinga e da Mata Atlântica, a Prática contou com a participação da EMBRAPA, INPA, UEFS, UFAL, UFC, UFPA, UFPE, UFRJ, UFRN e URCA. Com o objetivo de contribuir significativamente para o desenvolvimento científico e tecnológico, a inovação do País, a formação de recursos humanos relacionados ao manejo, uso sustentável e conservação da biodiversidade e à proteção do patrimônio cultural e dos recursos naturais em Unidades de Conservação federais e seu entorno, fortalecendo a inserção destas no desenvolvimento regional.

Marcia Charme
Fundação Oswaldo Cruz, Plataforma Institucional Biodiversidade e Saúde Silvestre/RJ
Janeiro de 2015

Saúde silvestre e inclusão digital: a participação de comunidades no monitoramento e na aplicação de boas práticas para o controle e prevenção de zoonoses emergentes

Realizada na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns/PA, Parque Estadual Serra do Conduru/BA e Parque Nacional Serra dos Órgãos/RJ, a Prática contou com a participação do FUNBIO, Conselho e Associação das Organizações da Resex Tapajós-Arapiuns, Instituto Arapyaú/SP/BA, Associação Mecenas da Vida/BA, Instituto Floresta Viva/BA, Instituto Marola/BA e Conselho do Parque Nacional Serra dos Órgãos. Com o objetivo de identificar riscos e a percepção de risco das comunidades com a relação da saúde silvestre com a humana; qualificar multiplicadores e comunidades para a compreensão da relação da biodiversidade com a saúde humana; implementar o uso do SISS-Geo para o monitoramento participativo de animais silvestres e potenciais riscos de emergências de zoonoses; elaborar materiais de boas práticas em saúde, qualidade de vida e conservação da biodiversidade.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página