Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Destaques > Publicação internacional lista dois primatas brasileiros
Início do conteúdo da página

Publicação internacional lista dois primatas brasileiros

Publicado: Sexta, 26 de Fevereiro de 2016, 11h22
Eles estão entre as 25 espécies mais ameaçadas de extinção no mundo


Eles estão entre as 25 espécies mais ameaçadas de extinção no mundo

caiarara-kaapor (Cebus kaapori) e barbado-vermelho (Alouatta guariba guariba)

Brasília (26/02/2016) - A publicação Primates in Peril 2014-2016, lançada no final de 2015, lista dois primatas endêmicos ao Brasil - o barbado-vermelho (Alouatta guariba guariba) e o caiarara-kaapor (Cebus kaapori) - entre os 25 primatas mais ameaçados do mundo.

A indicação dessas duas espécies para compor a lista dos 25 mais ameaçados do mundo foi realizada pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação dos Primatas Brasileiros (CPB-ICMBio), durante workshop do Primate Specialist Group no 25° Congresso Internacional de Primatologia, realizado em Hanoi/Vietnam, em 2014, e foi um dos resultados do processo de avaliação do estado de conservação dos primatas brasileiros.

Esta publicação é organizada a cada dois anos pelo Grupo Especialista em Primatas da União Internacional para a Conservação da natureza (IUCN/SSC/PSG) e pela Sociedade Internacional de Primatologia (IPS), com apoio da Conservação Internacional (CI).

Esses dois primatas foram listados como Criticamente em Perigo de extinção pela Portaria MMA n° 444/2014, assim como o sauim-de-coleira (Saguinus bicolor), o cuxiú-preto (Chiropotes satanas), o guigó-da-Caatinga (Callicebus barbarabrownae) e o muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus).

É destacada a relevância da Reserva Biológica da Mata Escura (MG) e de outras UC do sul da Bahia e norte do Espírito Santo para a conservação do barbado-vermelho. A Rebio da Mata Escura é a única UC que tem o barbado-vermelho ocorrendo juntamente com outros dois primatas altamente ameaçados: o muriqui-do-norte e com o macaco-prego-do-peito-amarelo (Sapajus xanthosternos, Em Perigo).

Outra reserva importante é a Reserva Biológica do Gurupi (MA) para a conservação do caiarara-kaapor. Esta é a única UC de Proteção Integral em que essa espécie ocorre, e ainda convivendo com o também altamente ameaçado cuxiú-preto. Estes representam os últimos refúgios para esses primatas criticamente ameaçados.

Acesse na íntegra a Portaria MMA 444/2014 aqui.

Trabalho do CPB junto às espécies

Em relação à conservação do Alouatta guariba guariba, o CPB está desenvolvendo um projeto de levantamento das populações remanescentes, para definir os limites de distribuição geográfica da espécie e conhecer a situação de conservação dessas populações.

Este projeto é desenvolvido em parceria com o Instituto de Estudos Sócio-Ambientais do Sul da Bahia (IESB) e com a Universidade Federal de Goiás (UFG), contando com apoio do Primate Specialist Group da União Internacional para Consevração da natureza (IUCN).

O projeto faz parte da implementação do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Mamíferos da Mata Atlântica Central, coordenado pelo CPB-ICMBio, que enfoca 27 espécies de mamíferos, sendo 13 primatas, inclusive o barbado-vermelho (Alouatta guariba guariba).

Já em relação à conservação do caiarara-kaapor (Cabus kaapori), o CPB realizou o levantamento de suas populações no Maranhão e Pará e está preparando a publicação dos resultados. Além disso, a espécie recebeu especial atenção em expedição do projeto Primatas em Unidades de Conservação da Amazônia (PUCA), coordenado pelo CPB e realizada em 2013, à Reserva Biológica do Gurupi (MA), UC federal administada pelo ICMBio.

“Nessa expedição fizemos a estimativa de abundância populacional dos primatas dessa Rebio, e concluímos que a mesma desempenha um papel fundamental na conservação dos primatas daquela região, inclusive do caiarara. Está prevista para este ano a elaboração de um Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Primatas Amazônicos, incluindo o Cebus kaapori.”, frisou o coordenador do CPB, Leandro Jerusalinsky.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página