Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Estudo acompanha rotas de tartarugas marinhas
Início do conteúdo da página

Todos podemos cuidar dos parques. Entre nessa!

Publicado: Quarta, 02 de Março de 2016, 09h09
Programa de voluntariado abrange 96 unidades de conservação


Programa de voluntariado abrange 96 unidades de conservação

Foto: Parna Chapada dos Veadeiros

Reportagem: Letícia Verdi
Edição: Alethea Muniz
Do Ministério do Meio Ambiente

Brasília (02/03/2016) - Voluntariado é uma atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública ou privada sem fins lucrativos, movida pelo sentimento de solidariedade e pelo desejo de novos conhecimentos, competências e habilidades. No caso dos voluntários nas unidades de conservação (UCs) do Brasil, a motivação vem também do amor pela natureza e da vontade de colaborar com a preservação do meio ambiente. Atualmente, 96 UCs estão cadastradas no programa de voluntariado do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A frase “Deixe apenas a sua pegada, leve somente fotos” é um bom mote para esse movimento.

No Brasil, o trabalho voluntário foi criado pela Lei 9.608/98 e regulamentado, no ICMBio, pela Instrução Normativa número 3/2009. Hoje, cada Unidade de Conservação é responsável pela divulgação do próprio programa de voluntariado. A ideia, porém, segundo a chefe da Divisão de Monitoramento e Informações do ICMBio, Kelly Borges, é que, no futuro, o Instituto passe a centralizar os dados sobre voluntariado nas UCs. Conheça a seguir algumas experiências e se inspire!

Matérias relacionadas:
PAÍS ALERTA PARA CONSERVAÇÃO DA VIDA SELVAGEM
PARQUE DE BRASÍLIA ABRIRÁ TRILHA PARA CICLISTAS

Parque Nacional Chapada dos Veadeiros

O Parque Nacional Chapada dos Veadeiros tem capacidade para receber até 50 voluntários no alojamento recém-reformado. Em janeiro e fevereiro deste ano, já foram 60 voluntários. As temáticas do programa de voluntariado são pesquisa, visitação e comunicação. “Não temos preferência de área, todo mundo chega com alguma coisa para acrescentar”, diz a chefe do parque, Carla Guaitanele.

O voluntário no PN Chapada dos Veadeiros tem a oportunidade de avistar lobos-guará, siriemas, emas, raposinhas e muitos pássaros. “O grande ganho para os voluntários é que eles ficam dentro do parque, onde vivem muitos bichos”, destaca Carla. Recepcionar os visitantes na entrada do parque e fazer monitoramento das trilhas está entre as atividades desempenhadas. No final da experiência, para receber um certificado, o voluntário produz um relatório sobre os ganhos pessoais e profissionais com o programa e elenca sugestões.

O analista ambiental Luis Henrique Neves, chefe do programa de voluntariado, desmistifica a ideia de que no Brasil não existe a cultura do voluntariado. “Acredito que haja uma demanda reprimida”, diz. “Falta as pessoas saberem que existem programas de voluntariado”. Aires Ferreira dos Santos, morador de Alto Paraíso (GO), trabalha na brigada de incêndio do parque como voluntário desde 2014. “Faço de tudo, o que precisar”, afirma.

A chefe do parque conta que, na Páscoa de 2015, após a chamada para voluntariado feita pelo Facebook, chegaram 1,2 mil inscrições de todo o Brasil. “Formamos um banco de dados grande que usamos à medida que precisamos”. No segundo feriado, foram mais 800. Em época de férias e feriados, a demanda é maior, mas o parque recebe voluntários o ano todo. Interessados podem enviar email para voluntariado.pncv@gmail.com

Parque Nacional Marinho dos Abrolhos

O Parque Nacional (PN) Marinho de Abrolhos oferece vagas para voluntários em terra, no centro de visitantes, e no arquipélago. “Recebemos pessoas do Brasil inteiro, estudantes e profissionais de meio ambiente e vida marinha”, conta o chefe do PN de Abrolhos, Ricardo Jerozolimski.

Os voluntários recebem o deslocamento de Caravelas e alojamento na ilha Santa Bárbara. Eles têm a oportunidade de participar da rotina do parque em meio a uma natureza exuberante, acompanhar a recepção dos visitantes e caminhadas monitoradas pela ilha Siriba, além de apoiar o trabalho de pesquisadores. No alojamento coletivo, os voluntários dividem todos os afazeres, desde a limpeza à cozinha e arrumação.

Foto: Paulo de Araújo/MMASirleide Santana Rocha é estudante de Biologia na Universidade do Estado da Bahia em Teixeira de Freitas, formada técnica de controle ambiental e já está no terceiro ano de voluntariado. Na primeira vez, trabalhou no centro de visitantes da sede do PN dos Abrolhos em Caravelas (BA), recebendo os turistas e explicando particularidades do arquipélago. “É um lugar muito aberto para quem quer aprender”, diz.

Depois de um mês ali, ela e outros voluntários receberam uma surpresa gratificante: cinco dias no arquipélago. Na segunda temporada de voluntariado, Sirleide ficou quatro meses na sede e uma semana na ilha. Na terceira, foram 39 dias ilhada. “Foi fantástico”, conta com entusiasmo. “Presenciei as desovas das tartarugas, aprendi a identificar alguns corais e acompanhei a chegada dos turistas. Tive contato direto com o que vejo na teoria”.

Sobre o voluntariado, ela diz: “Me identifico com esse trabalho e é muito bom saber que estou contribuindo de alguma forma. Além de tudo, o trabalho voluntário serviu para me dar um norte na área que quero seguir. Agora sei que minha mochila tem que ser aquática”.

Em 2015, passaram 40 voluntários pelo PN de Abrolhos. Interessados devem entrar em contato pelo email voluntariado.abrolhos@icmbio.gov.br.

Parque Nacional do Iguaçu


O Parque Nacional do Iguaçu abre espaço em seus setores, projetos e programas para o trabalho voluntário, entendendo que por meio dele a sociedade tem a chance de exercitar a cidadania e conhecer atividades que buscam a integração homem-natureza, como as propostas por uma Unidade de Conservação.

A estudante de Biologia Tainara Zandona é estagiária na Escola Parque no Parque Nacional de Iguaçu, instituição inteiramente dedicada à educação ambiental dentro da UC mais visitada do Paraná. “Voluntários têm prioridade na contratação”, explica ela, que trabalhou como voluntária por um ano antes de ser contratada. “Faço atendimento para escolas, falo das características do parque, da fauna e da flora, oriento a não jogar lixo nem moedas nas cataratas”, conta ela. O contato com crianças e adultos de escolas e faculdade ajudou Tainara a se tornar mais comunicativa. "Era nervosa, agora aprendi a conversar, a explicar para os outros o que vejo aqui. Antes, não sabia nem o que era uma UC”.

Os voluntários do PN Iguaçu participam de um curso de 20 horas para atuarem nos diversos setores do parque e, ao final, e recebem certificados de, no mínimo, 200 horas de trabalho. Até sexta-feira (04/03), estão abertas as inscrições para o voluntariado no Parque Nacional de Iguaçu. 

Quer ser um voluntário?

As Unidades de Conservação abaixo tem programa de voluntariado ativo para 2016: 

1) ESEC Tupinambás
2) RESEX Lago do Cedro
3) PN Chapada dos Guimarães
4) PN Serra das Lontras
5) REBIO do Rio Trombetas
6) RESEX Arapixi
7) PN Caparaó
8) APA Serra da Mantiqueira
9) APA de Guapimirim
10) REBIO Uatumã
11) RESEX Baixo Juruá
12) PN Iguaçu
13) ESEC Aiuaba
14) PN Aparados da Serra e PN Serra Geral
15) PN Cabo Orange
16) PN Chapada dos Veadeiros
17) FLONA Açu
18) ESEC Tamoios
19) ESEC Taim
20) PN Sempre Vivas
21) CEPTA Sede
22) PN Serra do Divisor
23) FLONA do Tapajós
24) CEPAM Sede
25) ESEC Tupiniquins
26) APA Carste Lagoa Santa
27) PN Bocaina
28) RDS Nascentes Geraizeiras
29) ARIE Mata da Santa Genebra
30) PN Pantanal Matogrossense

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA): (61) 2028-1353
Comunicação ICMBio: (61) 2028-9280
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página