Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > ICMBIO VALORIZA PRÁTICAS INOVADORAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO
Início do conteúdo da página

ICMBIO VALORIZA PRÁTICAS INOVADORAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Publicado: Sexta, 12 de Dezembro de 2014, 16h27

Elas solucionam problemas que afetavam as Unidades de Conservação

Elas solucionam problemas que afetavam as Unidades de Conservação

ICMBIO VALORIZA PRÁTICAS INOVADORAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

João Freire
joao.freire@icmbio.gov.br

Brasília (12/12/2014) — O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) lançou nesta quinta-feira (11) a revista e o site "Práticas inovadoras na Gestão de Áreas Protegidas". A publicação e o site reúnem 27 experiências bem sucedidas na gestão de Unidades de Conservação (UC) desenvolvidas pelos servidores do ICMBio, em busca de soluções para problemas do dia a dia das UCs.

Conheça o site  das práticas inovadoras

As práticas apresentadas foram selecionadas por dois critérios: solucionar problemas que afetavam as unidades e o potencial de replicabilidade. "A intenção é que os gestores das unidades possam aprender com a experiência dos outros", explica o diretor de Ações Socioambientais (Disat/ICMBio), João Arnaldo Novaes.

O projeto "Práticas Inovadoras na Gestão de Áreas Protegidas" busca qualificar a gestão e atender às demandas por conhecimento e intercâmbio de experiências nos diversos temas que permeiam a gestão das 320 unidades de conservação administradas pelo ICMBio, em todo o país.

"Estamos vendo nas experiências desta revista que é plenamente possível romper esse estigma, que persiste em alguns lugares, de que as UCs são vistas de maneira separada, como um gueto isolado do seu contexto e da sociedade. Nestas experiências, as comunidades abraçaram as UCs. Isso aconteceu porque as unidades souberam se abrir e reconhecer que sem essa participação nós não teremos chance", destaca o presidente do ICMBio, Roberto Vizentin.

O Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) participou do grupo de trabalho formado ‡por ‡pesq‚uisadores e es‡pecialistas em €gestão de áreas ‡proteg€idas p‡ara analisar as iniciativas. "A gente precisa enaltecer essas pessoas que têm a coragem de quebrar a inércia e ir atrás. Eu fico fascinada com isso", elogia a presidente do IPÊ, Suzana Pádua. "90% destas experiências não contaram com dinheiro. Então, dizer que 'não tenho recursos para fazer' não é desculpa. As pessoas fazem pela paixão, em parceria com populações locais e instituições não governamentais", afirma Pádua.

"O apoio social é o limiar entre a crise e o sucesso. A relação com a sociedade é que dá a diretriz e faz a diferença", orienta Novaes. "Mostramos para a sociedade e para os gestores como é possível, com criatividade e com um pouco de apoio, fazer coisas extraordinárias e avançar na implementação das unidades", conclui.

Algumas práticas inovadoras

Reserva Extrativista Soure (PA)

Com a implementação do Programa de Voluntariado (em 2013), a UC desenvolveu o projeto "Praias de Soure: nosso paraíso marajoara" com a sociedade civil. Voltado para o ordenamento do uso público, desenvolvimento de atividades culturais e de educação ambiental nas praias, motivou o surgimento de outros projetos, entre eles, o "Mãos ao Lixo" que tratou do problema do lixo com as associações das comunidades e bairros de beneficiários da UC.

Os resultados positivos trouxeram outras pessoas para o programa. No inicio de 2014, a unidade abriu um novo período de inscrição de voluntariado e recebeu 92 inscrições.

Saiba mais sobre essa prática

Reserva Extrativista do Médio Purus (AM)

As Reserva Extrativista devem promover o uso sustentável dos recursos naturais e implementar estratégias de conservação que envolvam as comunidades locais. O pirarucu é uma das maiores espécies de peixes de água doce do mundo, pode atingir até 3 metros de comprimento e pesar 250 quilos. A espécie tem ocorrência registrada em toda a bacia amazônica e costuma ser encontrada em lagos. A captura dos peixes de forma desordenada tem levado a uma diminuição dos indivíduos da espécie.

Foram construídos acordos com as comunidades locais para determinar os tipos de uso que seriam permitidos em cada um desses lagos. Os destinados à conservação estrita foram mantidos em constante vigilância e os lagos de pesca para consumo tiveram o seu uso permitido, de acordo com as regras acordadas. Com essa prática, houve aumento do número de peixes e as comunidades pescaram cerca de 12 toneladas de pirarucu, sendo um total de 134 peixes provenientes de dois lagos da Reserva.

Saiba mais sobre essa prática

Sobre o projeto Práticas Inovadoras na Gestão de Áreas Protegidas

É uma iniciativa do ICMBio, em parceria com o Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ), a Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) e a Fundação Gordon and Betty Moore, para valorizar e estimular o diálogo a partir da divulgação de práticas de gestão que colaboram de forma articulada e coordenada para a implementação das Unidades de Conservação e, consequentemente, para a consolidação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC.

registrado em:
Fim do conteúdo da página