Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Unidades de Conservação - Amazônia

Projetos Apoiados em 2016

Inventário Anual do Patrimônio Espeleológico Nacional

Unidade Proponente: CECAV

Coordenador do Projeto: Diego de Medeiros Bento

Síntese:

O território brasileiro é composto por extensas áreas propícias à ocorrência de ambientes cársticos e, até o momento, foram identificadas pouco mais de 16.000 cavernas (o que representa menos de 10% do potencial estimado). Dessas, menos de 20% são validadas e
12
outros 10% ou não dispõem de dados referentes à localização geoespacial ou apresentam dados errôneos, tendo em vista que a coleta e sistematização desses dados geralmente são precárias.
No intuito de aumentar o conhecimento sobre o patrimônio espeleológico nacional, as Bases Avançadas do CECAV no RN, MT e MG vêm realizando o trabalho de prospecção e validação de cavidades naturais subterrâneas existentes em sua área de atuação.
No caso do Estado do Rio Grande do Norte, que têm atualmente cadastradas 985 cavidades naturais subterrâneas, a grande maioria destas foi identificada por meio da prospecção exocárstica durante atividades deste projeto, ficando clara a importância das prospecções para a identificação de novas cavidades. Apesar disso, o aumento do conhecimento acerca do patrimônio espeleológico (gerando informações necessárias ao seu correto manejo e conservação), só é plenamente alcançado por meio do mapeamento e caracterização (geológica e biológica) das cavidades, motivo pelo qual tem se desprendido esforços no mapeamento e caracterização das cavidades já conhecidas.
Os resultados obtidos até o momento com a execução deste projeto em 2016 e anos anteriores podem ser assim resumidos: Prospecção exocárstica de aproximadamente 2.941 hectares de áreas de alta potencialidade espeleológica (afloramentos calcários) no Rio Grande do Norte; identificação e validação de 1108 novas cavernas, sendo 634 no Rio Grande do Norte, 62 em Sergipe, 61 na Bahia, 79 em Pernambuco, 16 no Ceará, 07 no Piauí, 65 em Minas Gerais, 172 no Mato Grosso e 12 em Santa Catarina; validação geoespacial de 767 cavernas já constantes na Base de Dados do CECAV, sendo 326 no Rio Grande do Norte, 19 em Sergipe, 17 na Bahia, 111 no Mato Grosso, 223 em Minas Gerais, 50 no Pará, 11 em Pernambuco, 07 no Ceará e 03 no Piauí; e a topografia e caracterização ambiental de 125 cavernas, sendo 108 no RN, 08 em Pernambuco, 08 em Santa Catarina e 01 no Mato Grosso.
Como principal impacto resultante da execução do projeto temos o aumento do conhecimento sobre o patrimônio espeleológico nas áreas onde foram desenvolvidas as atividades. Secundariamente, a geração de conhecimento para aprimoramento da legislação atual de proteção ao patrimônio espeleológico, caso da IN MMA 2/2009, que periodicamente sofre revisão tendo o CECAV como coordenador do processo e a geração de conhecimento necessário à elaboração e revisão de planos de manejo de Unidades de Conservação onde as atividades são desenvolvidas, como os Parques Nacionais da Furna Feia, do Catimbau, das Cavernas do Peruaçu, da Serra do Gandarela e das Sempre-Vivas e as APAS do Morro da Pedreira, Lagoa Santa e Chapada do Araripe, e complementa os estudos ainda em elaboração para a proposição de mais duas unidades de conservação federis com foco na proteção e uso sustentável do patrimônio espeleológico potiguar, no município de Felipe Guerra e adjacências, e do Domo de Araguainha, em Mato Grosso. Também há o fortalecimento da atuação e articulação interinstitucional do CECAV e grupos de espeleologia/outras instituições afetas à temática espeleológica com atuação nas áreas onde as atividades do projeto são executadas.
Por fim, a execução do projeto vem ao encontro do estabelecido no Programa Nacional de Conservação do Patrimônio Espeleológico (instituído pela Portaria MMA PORTARIA No 358, de 30 de setembro de 2009) e também se insere nas ações do Plano de Ação Nacional para a Conservação do Patrimônio Espeleológico nas Áreas Cársticas da Bacia do Rio São Francisco - PAN Cavernas do São Francisco (aprovado pela Portaria ICMBio Nº 18, de 17 de fevereiro de 2012). Desta forma, apesar de considerar os objetivos anuais do projeto
13
alcançados, resta ainda um enorme caminho a ser percorrido e a continuação do projeto é considerada prioritária.

Informações para contato: diego.bento@icmbio.gov.br
Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6523092826116933


Fim do conteúdo da página