Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Unidades Abertas a Visitação

Parque Nacional do Jaú

O Parque Nacional do Jaú é uma unidade de conservação federal de 2.272.000 hectares de área, localizada entre os municípios de Novo Airão e Barcelos, no Baixo Rio Negro, Amazonas.

Ele protege uma das maiores extensões de florestas tropicais úmidas contínuas do mundo. Destaca-se por ser o único parque do Brasil que protege praticamente a totalidade da bacia hidrográfica de um rio de águas pretas, o rio Jaú. Os seus limites são demarcados pela bacia hidrográfica do rio Jaú e estendem-se até as águas do rio Carabinani, ao sul, e as dos rios Unini e Paunini, ao norte. O rio Negro forma o limite leste do parque.

Criado em setembro de 1980, o ParNa Jaú é assim denominado por situar-se na bacia do rio Jaú (do tupi ya’ú), nome que deriva de um dos maiores peixes brasileiros, o jaú (Zungaro sp).

O cenário histórico da formação de toda a região apresenta importantes peculiaridades, pois o Parque Nacional do Jaú está assentado tanto sobre formações geológicas antigas de 100 a mais de 500 milhões de anos, bem como sobre formações geologicamente mais recentes, cerca de dois a seis milhões de anos. Além disso, o Parque abriga também relíquias da história da ocupação humana na região. Foram identificados vários sítios arqueológicos e diversas inscrições em pedras (petróglífos).

O Parque Nacional do Jaú foi reconhecido como Sítio do Patrimônio Mundial Natural e Reserva da Biosfera pela Organização das Nações Unidas pela Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e integra o Sítio de Ramsar Rio Negro. O Parque também faz parte do Corredor Central da Amazônia e é uma das reservas mais representativas da flora e fauna das bacias de águas pretas na Amazônia Central. Sua biodiversidade é tão rica quanto desconhecida, abriga animais pouco conhecidos pela ciência e um dos fatores responsáveis pela ocorrência de tantas espécies no Parque é o grande número de habitats.

Percorrer os cursos d’água do Parque em uma voadeira é a melhor forma de conhecer e apreciar as belezas da região. Ao longo dos rios Jaú, Carabinani e Unini, o visitante pode observar bandos de araras e papagaios sobrevoando a floresta de igapós. Na parte mais calma, orquídeas floridas refletem sua delicada forma nas águas escuras. Extensas praias de areia clara formam-se no rio Negro - entre novembro e janeiro -, nas proximidades da foz do rio Jaú.

Quando ir

O Parque Nacional do Jaú dispõe de atrativos durante todo o ano. Os períodos de seca (normalmente entre setembro e fevereiro) e cheia (entre março e agosto) na Amazônia proporcionam paisagens e experiências diferentes. O ideal é poder conhecer a Amazônia nos seus diferentes ciclos. Durante o período de seca é possível visitar as praias, corredeiras, pedrais, petróglifos, enquanto na cheia é possível adentrar a mata de igapó e fazer trilhas aquáticas.
Normalmente o fluxo de visitantes é baixo durante todo o ano, de modo que o número de encontros com outros grupos é pequeno.


Como chegar:

O acesso ao parque se faz por via fluvial ou aérea.

Mapa do Parque Nacioanl do Jaú
Mapa do Parque Nacional do Jaú, ilustrando os rios que limitam o parque e as distâncias da Sede (Nova Airão/AM) para a Base (100 km) e de Manaus para a Sede (187 km).


Partindo diretamente de Manaus:

Rota Fluvial – O deslocamento pode ser feito através de embarcações regionais, que levam em média 14 a 18 horas, ou voadeiras, que levam 5 horas. Diversos operadores de turismo trabalham com a rota Manaus – Parque Nacional do Jaú.

Rota Aérea – Por meio de hidroavião monomotor, bimotor ou helicópteros fretados em Manaus. Um hidroavião monomotor leva cerca de 1 hora de viagem; um bimotor cerca de 45 minutos e um helicóptero em torno de 1 hora.

Nesse caso, o visitante precisará providenciar voadeiras para realizar os passeios no parque.


Passando por Novo Airão, existem algumas alternativas:

Rota terrestre de Manaus para Novo Airão – Este trajeto pode ser feito em veículo particular, ônibus intermunicipal, táxi-lotação ou embarcação.

Novo Airão fica a 187km de Manaus, com acesso pelas rodovias AM – 070 e AM- 352. O acesso a Novo Airão realiza-se a partir da rodovia que liga Manaus a Manacapuru (AM – 070), após a travessia da Ponte do Rio Negro. Feita a travessia, dirija-se em direção a Manacapuru por cerca de 80 Km e antes de chegar à sede do município, siga por mais 98 Km até Novo Airão, através da AM – 352. As duas rodovias são pavimentadas, estando a primeira com cerca de 35km duplicados e o restante do percurso em estado de conservação que não é bom.

Existem ônibus que fazem o percurso Manaus - Novo Airão diariamente. O ônibus sai do terminal rodoviário de Manaus e leva aproximadamente 4 horas de viagem.

Quadro de horário de ônibus

Uma terceira opção é pegar um táxi-lotação para Novo Airão. Os táxis ficam estacionados no início da Ponte do Rio Negro, na cidade de Manaus. A viagem leva aproximadamente 2h30.

Os telefones da cooperativa de taxi são:
Em Manaus: (92) 99428.0595
Em Novo Airão: (92) 99168.0804

Rota Fluvial – Existem embarcações de linha, recreio, que fazem o percurso de Manaus a Novo Airão. Os barcos do tipo recreio que saem de Manaus, do Porto São Raimundo, e levam em torno de 8 horas até Novo Airão. Eles transitam pelo Hidrovia do rio Negro, passando pelo Parque Nacional do Jaú.

Horário do barcos que passam pelo parque

De Novo Airão até o parque não existe transporte regular, mas é possível contratar empresas operadoras de turismo ou barcos das associações de transportes turísticos locais.

Autorização de Entrada

Atualmente não é feita cobrança da taxa de entrada no Parque, mas é necessário ter uma autorização de entrada, através do preenchimento de um formulário com as informações sobre os visitantes e da visita.

É possível obter a autorização através de E-mail (parnajau@icmbio.gov.br) ou diretamente no escritório do Parque, em horário comercial.

A permanência no Parque está permitida 24 horas, mas a passagem de entrada e saída na base avançada do Parque Nacional do Jaú deve ocorrer entre 7h e 20h.


Atrativos/Atividade

Árvores Grandiosas

O Parque Nacional do Jaú abriga árvores que testemunharam muitas histórias:

Sumaúma (ou samaúma), que também são conhecida como Mãe das Árvores, Árvore da Vida ou Escada do Céu, são consideradas as maiores e uma das mais antigas árvores da Amazônia.

Macacarecuias: em estudos recentes descobriu-se que são as árvores mais antigas da Amazônia. O parque dispõe de várias áreas com belíssimas e antigas macacarecuias.

Macucus: árvores de grande porte que podem ser encontradas nas áreas de igapó do Parque. O Senhor da Mata fica no rio Carabinani e estimula nossa imaginação, revelando seres mágicos. Durante o período de maio a agosto é provável que o Senhor da Mata esteja submerso.


Rios espelhados

O Rio Jaú e seus afluentes, com águas negras, são atrativos à parte, encantando os visitantes com o espelhamento perfeito das paisagens compostas pela floresta e o céu incrivelmente azul, ou das estrelas à noite.


Praias do Rio Negro

Durante a seca, várias praias surgem no Parque Nacional do Jaú, na área do Rio Negro, sendo a Praia da Maquipana a maior delas. Destaca-se também a Praia da Velha, do Boi e da Enseada.

O contraste entre o negro da água e o branco da areia torna as praias uma das maravilhas do Parque, que convidam os visitantes para banhar-se e relaxar em suas águas quentes.


Banho e contemplação da natureza nos rios Carabinani e Jaú

O Rio Carabinani é o atrativo mais visitado do Parque Nacional do Jaú e sua beleza justifica a procura. Durante a seca, são formadas corredeiras e pequenas cachoeiras de grande beleza cênica, propícias para a contemplação da natureza, banho, meditação, esportes aquáticos, dentre outras atividades. A cachoeira do Rio Jaú também oferece essas possibilidades ao visitante, estando a uma distância um pouco maior.


Canoagem e outras atividades esportivas em águas

Os rios Carabinani e Jaú, com suas corredeiras, apresentam grande beleza cênica e a possibilidade de realização de atividades esportivas, como canoagem, boia-cross e rafting. Esse último mais com objetivo contemplativo que de aventura, já que somente uma das corredeiras, a Guariba, apresentam grau de dificuldade maior.

Deve-se considerar que o Parque não tem estruturas de resgate e comunicação.


Trilhas terrestres

De trilhas curtas a longo curso é possível adentrar a floresta amazônica e apreciar a beleza de cada detalhe, na ansiedade de avistar animais, encontrar árvores gigantes e de mergulhar nas águas de pequenas cachoeiras. O Parque possui um sistema de trilhas que busca atender as expectativas dos diferentes perfis de visitantes. Esse sistema integra o Caminho do Rio Negro, que está em estruturação para ligar as unidades de conservação do Baixo Rio Negro.

A trilha do Itaubal é a mais procurada, com 3,5km de extensão em formato circular, oferecendo como experiência um contato íntimo com a natureza, com possibilidade de avistamento de diversas espécies da flora e da fauna nativa e banho na cachoeira do Itaubal.

A trilha do Pesquisador, com extensão de 5km em formato linear, passa por ambientes como a mata alagada de igapó, capoeira, mata de terra firme, campinarana alta e baixa e campina, com grande potencial para observação de aves.

A trilha dos Igapós do Carabinani possui aproximadamente 3km de extensão em formato linear, e em sua grande parte margeia o rio Carabinani, facilitando o acesso às corredeiras localizadas em áreas inacessíveis a embarcações.

Trilha do Seringalzinho, localizada na comunidade de mesmo nome, possui 2,5km de percurso linear, com grande variedade de flora e possibilidade de ver animais silvestres, terminando em um buritizal, ideal para observação de aves.

As trilhas da Sumaúma da Enseada e Sumaúmas da Base são curtas, com aproximadamente 150m e 1km respectivamente, e oferecem a oportunidade de contato com árvores de grande porte.
A trilha da Biodiversidade fica na foz do rio Jaú e possui 1 km. Um dos principais atrativos da trilha é um castanhal que os visitantes podem percorrer, entendendo como se dá a distribuição de um dos principais recursos extrativistas da Amazônia.

O Trekking do Interflúvio é uma trilha de longo curso, de aproximadamente 60km, que demanda 3 pernoites na floresta, em acampamento selvagem, com uso de rede e lona. A captação de água se dá diretamente em nascentes, sendo recomendado o uso de purificadores. Também é necessário levar fogareiros portáteis, pois é proibido o uso de fogueiras nessa área. É uma atividade que demanda planejamento e envolvimento de condutores da comunidade local, que conhecem bem o trajeto, assim como combinar o resgate do ponto final da trilha.

Existem outras trilhas previstas no Plano de Uso Público do Parque, mas ainda não estão manejadas.


Trilhas Aquáticas/Excursões de canoas

No período de cheia, as trilhas aquáticas são uma excelente oportunidade para o visitante percorrer de barco entre as árvores das ilhas inundadas do Rio Negro ou das margens do Rio Jaú. Destaca-se o Lago Santo Antônio, o Furo do Sabino, Igarapé do Gavião, Furo da Enseada, Igarapé Preto, que fica no entorno, mas com acesso pelo Parque, e o Circuito Aquático da Cachoeira do Jaú, onde é possível o avistamento de grupos de macacos bicós (uacari, cacajao malanocephalus) e outras espécies nativas.


Observação de Aves (Birdwatching)

A observação de aves é um segmento do turismo que tem bastante espaço no Parque Nacional do Jaú, podendo ser realizado nas trilhas terrestres, aquáticas, ilhas e praias.

O inventário da avifauna do Parque catalogou a presença de 445 espécies, sendo que esse número deve ser maior, pois os estudos se concentraram em algumas áreas do Parque. A heterogeneidade de hábitats encontrados no Parque, que incluem matas de terra firme, matas de igapó, campinaranas, entre outros, explica em parte a alta diversidade de espécies de aves. Trilhas, como a do Pesquisador, tem um potencial grande para a atividade, com seus diferentes ambientes, indo de mata de igapó à campina.

Observação dos Petróglifos

O Parque Nacional do Jaú possui um rico patrimônio arqueológico, principalmente nas proximidades da boca do Rio Jaú, tanto no Rio Jaú como no Negro. Também é possível encontrar uma área com vários registros no entorno imediato do Parque.

A observação dos Petróglifos é uma atividade sazonal, na época da seca, com acessibilidade somente via fluvial com canoas.

Por ser um patrimônio frágil, os visitantes devem tomar cuidado para não bater com as embarcações nas gravuras nem as tocar.

É possível percorrer os sítios de petróglifos numa trilha aquática de 31km, passando ainda por áreas de praias e no meio de ilhas.


Observação noturna.

Durante as noites é possível sair pelos rios, igapós e igarapés para observar a fauna de hábito noturno.


Fotografia

A realização de workshops e passeios fotográficos no Parque Nacional do Jaú proporciona o encontro de fotógrafos amadores, iniciantes ou avançados, e profissionais. O Parque é um destino que reúne aspectos interessantes para esse tipo de atividade, como seu rico e diversificado patrimônio natural e histórico-cultural e além de aperfeiçoar as técnicas de fotografia, os visitantes podem usufruir das belezas do Parque.


Salve as Tartarugas!

Entre outubro e fevereiro o visitante pode acompanhar nosso Programa de Monitoramento de Quelônios, que acontece na foz do rio Jaú. De outubro a novembro acontece o monitoramento das praias em busca dos ninhos de tartaruga-da-Amazônia e transferência ou marcação desses ninhos. Dezembro e janeiro são os meses de nascimento dos filhotes e fevereiro é realizada a soltura dos mesmos.


Voluntariado, apoiando as atividades da gestão do Parque Nacional do Jaú.

As pessoas também podem ter oportunidade de conhecer o parque através do trabalho voluntário, principalmente atuando nas áreas de gestão socioambiental, monitoramento da biodiversidade, uso público, administração, dentre outras.


Roteiro Integrado do Baixo Rio Negro

No trajeto entre Novo Airão e o Parque Nacional do Jaú existem outros atrativos interessantes para serem visitados, localizados no Parque Nacional de Anavilhanas (circuito aquático, praias, trilhas em igapó e terra firme), Parque

Estadual do Rio Negro Setor Norte (Cachoeira do São Domingos e as ruínas do Airão Velho, a 10 minutos da entrada do Parna Jaú), e Área de Proteção Ambiental da Margem Direita do Rio Negro (trilha e grutas do Madadá).


Principais Regras para a Visitação

Leve somente fotografias, o que é da natureza, fica com a natureza;
Não corte ou colha flores e plantas.
É proibido depredar a vegetação, inclusive extrair madeira, coletar plantas visando qualquer uso e corte da vegetação para abertura de trilhas e áreas para acampamento;
Traga seu lixo de volta para a cidade, não jogue nas trilhas e nos rios;
Seja cortês, respeite as comunidades anfitriãs, funcionários e outros visitantes, inclusive solicitando ao condutor que diminua a velocidade da embarcação ao passar em frente às casas de moradores;
Ao avistar animais, não se aproxime muito, não tente pegá-lo ou alimentá-lo. Cobre para que seu condutor também não faça;
Não toque nos petróglifos;
Não compre nem leve artefatos arqueológicos;
Na época das praias, só usufrua das suas belezas das 07h00 às 18h00. Durante a noite, as praias são usadas pelas tartarugas para desova;
Cobre do seu condutor o respeito às regras da natureza e do Parque;
Cobre que a empresa ou condutor contratado não pague comunitários com bebidas alcóolicas;
Não é permitido realizar pesca esportiva;
É proibido caçar, aprisionar, transportar e comercializar animais silvestres;
É proibido provocar queimadas;
Não é permitido portar petrechos de pesca, pescar ou molestar animais silvestres; e
Não é permitido entrar no Parque com animais domésticos.


Recomendações:

Mosquiteiros;
Repelente;
Protetor solar;
Boné e óculos escuros;
Para as trilhas, estar vestido com calça comprida, meia e tênis ou bota;
Perneira contra animais peçonhentos nas trilhas;
Blusas de manga compridas para proteger contra o sol e contra insetos quando estiver dentro da floresta;
Capa de chuva ou roupas impermeáveis;
Medicamentos próprios (anti-histamínico, por exemplo); e
Baterias e cartões de memória extras.


Contatos do Parque Nacional do Jaú

Rua Antenor Carlos Frederico n° 69 – N. Sra. Auxiliadora – Novo Airão/AM – 69.730-000
Email: parnajau@icmbio.gov.br
Telefone: (92) 3365-1345 (horário comercial)
Facebook: https://www.facebook.com/parquenacionaldojau/
Instagram: @parquenacionaldojau




Fim do conteúdo da página