PROTOCOLO PARA MONITORAMENTO DE COMUNIDADES DE AVES EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS

Arthur Angelo Bispo, Albert Gallon Aguiar, Rodrigo de Almeida Nobre, Caio Graco Machado, Mario Cohn-Haft, Pedro Ferreira Develey, Thiago Orsi Laranjeiras, Carolina Alves Lemos, Marcio Uehara-Prado

Resumo


Este protocolo de monitoramento de comunidades de aves foi construído no contexto do Programa de Monitoramento in situ da Biodiversidade em unidades de conservação federais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. As unidades de conservação federais possuem diferentes condições de gestão, relacionadas aos recursos humanos, financeiros e materiais, e que, consequentemente, influenciam sua capacidade de execução de propostas e programas ambientais. Com essa realidade em mente, foi construído um protocolo mínimo que fosse factível mesmo em unidades de conservação que não apresentassem condições ideais de estrutura e logística. Com base em uma análise sistemática, e com a finalidade de fornecer dados sobre a estrutura de comunidade de aves, o método de ponto fixo foi o selecionado para compor o protocolo por ser versátil, apresentar melhores características de custo-benefício e ser amplamente utilizado em outros projetos de monitoramento de comunidades de aves. O protocolo apresentado propõe a adoção de uma estação de amostragem constituída por 12 pontos fixos com uma distância mínima de 200 metros entre eles e raio de detecção máximo de 50 metros. Em cada unidade de conservação deverá ser implementado um mínimo de três estações de amostragem independentes, totalizando 36 pontos avaliados durante a estação reprodutiva. Esperamos que este protocolo contribua com a coleta de dados padronizada nas unidades de conservação – e até mesmo em projetos similares, e dessa maneira seja possível que os resultados desse monitoramento permitam avaliar o grau de integridade dessas unidades assim como comparar as informações entre as unidades de conservação, avaliando a efetividade do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC).

Texto completo:

PDF