Recursos-alvo que são também bycatch, e recomendação para a gestão da pesca de emalhe no litoral do Paraná, Brasil

Paulo de Tarso da Cunha Chaves, Amanda Ventura Firmino da Silva

Resumo


Estudou-se a captura não-alvo, em redes de emalhe na pesca de pequena escala no litoral do Paraná. De março a outubro de 2017 foram observados na Praia Central de Matinhos 28 desembarques pesqueiros, colhendo-se informações sobre técnicas de captura, dimensões das redes, recursos-alvo e acompanhantes, e destinação dos pescados. Trinta e três gêneros de pescados foram identificados. Cavala foi o recurso mais comum na condição de espécie-alvo, e peixe-espada e corvina, de fauna acompanhante. Todos os recursos-alvo ocorreram ao menos uma vez na condição não-alvo, corvina o mais comum. Tal captura, aqui genericamente designada incidental, foi mais variada na técnica fundeio, que visa a recursos demersais, que na caceio, que visa a pelágicos, mas ambas apresentaram captura incidental demersal e pelágica, indistintamente. Parte deste bycatch é comercializada ou doada, outra é descartada ao mar. A normatização da pesca com emalhe deve considerar que a diversidade da fauna em regiões tropicais amplia o espectro de capturas não desejadas ou, até, inconvenientes. Visto que toda espécie-alvo pode ocorrer também como bycatch, normas de pesca baseadas em especificações das redes não são efetivas para a conservação dos recursos na região estudada, podendo a exclusão temporária de áreas de pesca, mediante rodízio, ser melhor instrumento de manejo.


Palavras-chave


captura incidental; recursos-alvo; Scomberomorus; Micropogonias; Cynoscion; caceio; fundeio.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2177-9392

Qualis Periódicos (2013 - 2016):

“B5” - CIÊNCIAS AMBIENTAIS; ENSINO; INTERDISCIPLINAR.

“C” - BIODIVERSIDADE; ZOOTECNIA / RECURSOS PESQUEIROS; BIOTECNOLOGIA; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO.