Materiais de divulgação das aves marinhas do Arquipélago de Trindade e Martin Vaz

O Arquipélago de Trindade e Martin Vaz localiza-se a cerca de 1.100 km da costa do estado de Espírito Santo. Essa região abriga duas Unidades de Conservação: a Área de Preservação Ambiental (APA) de Trindade e Martin Vaz e o Monumento Natural (MONA) das Ilhas de Trindade e Martin Vaz e do Monte Columbia, e abrange uma rica biodiversidade, reconhecida globalmente, sendo, portanto, considerada área prioritária para conservação. Desde o seu descobrimento (1501), a introdução de animais exóticos, como cabras e porcos, assim como a destruição da vegetação resultou no declínio populacional e extinção de espécies de aves marinhas dependentes de árvores e arbustos para conseguirem se reproduzir.

O arquipélago é área de reprodução de oito espécies de aves marinhas, sendo que três estão criticamente em perigo (CR) de extinção no Brasil. Essas espécies são: a grazina-de-trindade (Pterodroma arminjoniana), fragata-pequena (Fregata trinitatis) e fragata-grande (Fregata minor nicolli). O atobá-de-pé-vermelho (Sula sula), que também nidificava na ilha, foi considerado extinto por muitos anos no local e voltou a ser avistado no local recentemente apenas em voo, ainda não se reproduzindo. As fragatas e o atobá nidificavam sobre a vegetação que foi extinta, sendo essa uma das causas para a redução dessas populações no Arquipélago.

Desde 1957, o Arquipélago sedia o Posto Oceanográfico da Ilha da Trindade (POIT), ocupado permanentemente pela Marinha do Brasil, e posteriormente por pesquisadores do Programa de Pesquisas Científicas na Ilha da Trindade (PROTRINDADE). O PROTRINDADE gerencia as pesquisas científicas no arquipélago e nas áreas marítimas adjacentes.

Com a finalidade de sensibilizar os militares e os civis que trabalham na ilha para auxiliar no monitoramento das aves marinhas do arquipélago, materiais de divulgação foram elaborados. Dois cartazes foram produzidos, um estimulando o registro fotográfico do atobá-de-pé-vermelho, e outro apresentando a diversidade das espécies e recomendações para colaborar na conservação das aves marinhas, com especial destaque ao monitoramento dos ninhos artificiais das fragatas implantados na Ilha da Trindade. A elaboração desse material faz parte de um dos objetivos do Plano de Ação Nacional para a Conservação das Aves Marinhas (PAN Aves Marinhas). A produção dos cartazes foi realizada por integrantes das instituições: Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (CEMAVE/ICMBio), Recuperação do Ecossistema TERrestre da ilha da Trindade (RETER-Trindade) e Instituto de Biodiversidade e Sustentabilidade (NUPEM/UFRJ).

 

Saiba mais em:

https://www.marinha.mil.br/secirm/psrm/protrindade

https://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/9509-brasil-cria-quatro-novas-unidades-marinhas

https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/pan/pan-aves-marinhas

https://www.marinha.mil.br/secirm/sites/www.marinha.mil.br.secirm/files/publicacoes/protrindade/protrindade-10anos.pdf

 

Conheça os materiais:

Aves Trindade

Cartaz com as oito espécies de aves marinhas que se reproduzem na ilha da Trindade, ressaltando as três espécies criticamente ameaçadas de extinção (CR): grazina-de-trindade, fragata-pequena e fragata-grande. Em destaque, são apresentadas medidas que podem auxiliar na conservação das mesmas.

 

Atoba-vermelho

Cartaz com imagens de indivíduos de atobá-de-pé-vermelho, mostrando seus diferentes tipos de plumagem e os procedimentos a serem tomados caso sejam observados na ilha da Trindade.