Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Processo de Avaliação do Estado de Conservação do grupo Xenarthra

Publicado: Quarta, 06 de Junho de 2018, 12h56 | Última atualização em Quarta, 06 de Junho de 2018, 12h56 | Acessos: 213

A Supraordem Xenarthra inclui as Ordens Cingulata (tatus) e Pilosa (tamanduás e preguiças) e, no Brasil conta com 19 espécies, sendo quatro destas consideradas ameaçadas. No processo de avaliação dos xenartros brasileiros, há um Analista Ambiental do CPB considerado Ponto Focal (PF). Este tem por função facilitar os trabalhos relativos a presente missão institucional, coordenando a compilação de dados, organizando as reuniões e fazendo a interface entre a Coordenadora de Táxon (CT) e o ICMBio. A Coordenadora de Táxon do grupo Xenarthra é pesquisadora especialista e conhece a metodologia da IUCN, além de possuir boa articulação com a comunidade científica. A CT tem a função de incentivar a participação da comunidade científica no processo e auxiliar o PF na condução da oficina de avaliação.

A primeira etapa desse processo de avaliação consistiu na compilação de informações sobre todos os táxons de Xenartros disponíveis na literatura, através de uma extensa revisão bibliográfica e montagem de uma base de dados. Esta etapa vem sendo desenvolvida pela equipe do CPB desde 2011. As informações foram consolidadas nas fichas das espécies e mapas de distribuição, os quais são agora disponibilizados para colaborações e complementações pela comunidade científica (consulta ampla). Após o período de consulta ampla, uma rede de especialistas, montada pela CT, será responsável pela validação das informações (consulta direta). Após o período de consulta direta as fichas de cada táxon serão consolidadas e preparadas para a Oficina de Avaliação e Categorização pelo PF juntamente com a CT.
A Oficina de Avaliação e Categorização será uma reunião com especialistas selecionados pela Coordenadora de Táxon onde foram avaliados todos os taxóns de Xenarthra brasileiros, considerando-se as categorias e critérios da IUCN. Após a oficina, as fichas de cada táxon avaliado, juntamente com as categorias e critérios utilizados passarão por outra etapa de validação, onde serão avaliadas com relação às informações apresentadas, categorias, critérios e após a validação todas as fichas serão publicadas.

O ICMBio deverá encaminhar, em breve, ao Ministério do Meio Ambiente - MMA a relação das espécies por categoria de ameaça, acompanhada das fichas e mapas. O Ministério será o responsável pela oficialização através da publicação dos instrumentos normativos. Por fim, o ICMBio organizará a nova edição do Livro Vermelho.

Fim do conteúdo da página