Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Invertebrados Aquáticos - Mycetopoda legumen (Martens, 1888) - Faquinha-arredondada
Início do conteúdo da página

Invertebrados Aquáticos - Mycetopoda legumen (Martens, 1888) - Faquinha-arredondada

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Invertebrados Aquáticos
Bivalvia
Unionoida
Mycetopodidae
Mycetopoda legumen (Martens, 1888)
Faquinha-arredondada
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
EN
B2ab(ii,iii,iv)
IN MMA 005/2004
Justificativa
Mycetopoda legumen ocorre nas bacias do Atlântico Sul no Rio Grande do Sul, em especial da Laguna dos Patos (porção menos salina) e no lago Guaíba, e no rio Uruguai médio (RS, Brasil) e inferior e no rio da Prata. Ocorre em densidades muito baixas e pontualmente, sendo uma espécie de pouca mobilidade que depende de peixes para dispersar suas larvas. Muitos peixes dispersores dessas larvas estão desaparecendo devido às construções de barragens para hidrelétricas (rio Paraguai e afluentes, rio Uruguai) reduzindo significativamente a dispersão de M. legumen. Por ser encontrada apenas em locais onde a água é corrente e limpa, assume-se que a espécie esteja restrita aos pontos onde foi registrada, com uma Área de Ocupação de 84km². Considerando que o estado de conservação dos rios da região está comprometido devido à crescente construção de barragens, poluição e urbanização, a população encontra-se severamente fragmentada, com declínio continuado da área de ocupação, qualidade do habitat e do número de subpopulações. Além disso, a presença massiva das espécies exóticas Corbicula spp. e Limnoperna fortunei é outra ameaça direta à espécie, pois esses animais vêm se dispersando com extrema facilidade, diminuindo a disponibilidade de recursos para as espécies de bivalves nativos, sendo possível observar a ausência de subpopulações da espécie, em locais onde era registrada no passado. Dessa forma, M. legumen foi categorizada como Em Perigo – EN, pelos critérios B2ab(ii,iii,iv).
Especialistas
Eduardo Colley – MZUSP, Igor Christo Myahira - UERJ e UNIRIO, Ingrid Heydrich - FZB/RS, Isabela Cristina Brito Gonçalves – UERJ, Lenita Tallarico – UNICAMP, Luiz Eduardo Macedo Lacerda – UERJ, Maria Júlia Martins Silva – UnB, Meire Silva Pena - PUC/MG, Monica Ammon Fernandez – FIOCRUZ, Norma Campos Salgado - MN/UFRJ, Silvana Carvalho Thiengo - Fiocruz/RJ, Sonia Barbosa dos Santos – UERJ, Suzete Rodrigues Gomes – MZUSP.
Referências
Agudo-Padrón, A.I. 2008. Listagem sistemática dos moluscos continentais ocorrentes no Estado de Santa Catarina, Brasil. Comunicaciones de la Sociedad Malacológica Del Uruguay 9(91): 147-179.

Amaral, A.C.Z.; Ribeiro, C.V.; Mansur, M.C.D.; Santos, S.B.; Avelar, W.E.P.; Matthews-Cascon, H.; Leite, F.P.P.; Melo, G.A.S.; Coelho, P.A.; Buckup, G.B.; Buckup, L.; Ventura, C.R.R. & Tiago, C.G. 2008. A situação de ameaça dos invertebrados aquáticos no Brasil. Pg. 156-301. In: Machado, A.B.M.; Drummond, G.M. & Paglia, A.P. (orgs). Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção. Brasília. Ministério do Meio Ambiente. Série Biodiversidade vol. 19-I. 519p.

Biodiversitas. 2005. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. http://www.biodiversitas.org.br/livrovermelho2005/index.asp

Bonetto, A.A. 1962. Especies del genero Mycetopoda em el sistema hidrografico del rio de La Plata. Revista del Museo Argentino de Ciencias Naturales Bernardino Rivadavia, 8 (14): 173-182.

Figueiras, A. 1965. La malacofauna dulceacuícola del Uruguay (Parte II). Comunicaciones de la Sociedad Malacológica del Uruguay 1(8): 223-270.

Haas, F. 1931. Versuch einer kritischen Sichtung der sudamerikanischen Najaden, hauptsachlich an Hand der Sammlung des Senckenberg-Museums III. Senckenbergiana, 13: 87–110.

Ihering, H. 1910. Über brasilianische najaden. Abhandlugen der Senkenbergischen Natutuforschenden Gesellschaft 32: 111-140.

Ihering, H. 1923. Especies argentinas del gênero Mycetopoda. Physis, Buenos Aires, 5 (19): 75-76.

Lydeard, C.; Cowie, R.H.; Ponder, W.F.; Bogan, A.E.; Bouchet, P.; Clark, S.A.; Cummings, K.; Frest, T.J.; Gargominy, O.; Herbet, D.G.; Heshler, R.; Perez, K.E.; Roth, B.; Seddon, M.; Strong, E.E. & Thompson, F.G. 2004. The global decline of nonmarine mollusks. Bioscience 54(4): 321-330.

Mansur, M.C.D. & Veitenheimer-Mendes, 1979. Redescrição de Mycetopoda legumen (Martens, 1888) (Bivalvia, Mycetopodidae, Mycetopodidae), Revta Brasil. Biol. 39(3):695-702.

Mansur, M.C.D. & Pereira, D. 2006. Bivalves límnicos da bacia do rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil (Bivalvia, Unionoida, Veneroida e Mytiloida). Revista Brasileira de Zoologia 23(4): 1123-1147.

Pereira, D.; I.L. Veitenheimer-Mendes; M.C.D. MANSUR & M.C.P. Silva. 2000. Malacofauna límnica do sistema de irrigação do arroio Capivara e áreas adjacentes, Triunfo, RS, Brasil. Biociências, Porto Alegre, 8(1): 137-157.

Pereira, D.; Mansur, M.C.D.; Duarte, L.D.S.; Oliveira, A.S.; Pimpão, D.M.; Callil, C.T.; Ituarte, C.; Parada, E.; Peredo, S.; Darrigran, G.; Scarabino, F.; Clavijo, C.; Lara, G.; Miyahira, I.C.; Rodriguez, M.T.R.; Lasso, C. 2014. Bivalve distribution in hydrographic regions in South America: historical overview and conservation. Hydrobiologia, 735(1): 15-44.

Simone, L.R.L. 2006. Land and freshwater molluscs of Brazil. São Paulo, EGB, FAPESP, 390p.

Veitenheimer & Mansur, M.C.D 1978. Morfologia, histologia e ecologia de Mycetopoda legumen (Martens, 1888) (Bivalvia, Mycetopodidae). Iheringia, Série Zoologia(60):63-74.

Veitenheimer-Mendes & Mansur, M.C.D 1978. Mycetopoda legumen (Martens, 1888): Lasidio e desenvolvimento parasitário (Bivalvia, Mycetopodidae). Revta Brasil. Biol. 38(3):531-536.

Fim do conteúdo da página