Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Peixes - Ginglymostoma cirratum (Bonnaterre, 1788) - Tubarão-lixa
Início do conteúdo da página

Peixes - Ginglymostoma cirratum (Bonnaterre, 1788) - Tubarão-lixa

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Peixes
Elasmobranchii
Orectolobiformes
Ginglymostomatidae
Ginglymostoma cirratum (Bonnaterre, 1788)
Tubarão-lixa
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
VU
A2bcd
IN MMA 005/2004
Justificativa
Ginglymostoma cirratum é amplamente distribuída ao longo da costa brasileira, porém possui habitats específicos. Estudos preliminares de sua biologia indicam forte fidelidade de sítio, o que torna este tubarão vulnerável à extirpação local pela sobre-exploração. Existem evidências recentes de declínios em várias áreas, assim como da diminuição e fragmentação de sua área de distribuição. A espécie, por exemplo, não é mais encontrada no Estado de São Paulo e no Município do Rio de Janeiro. É extremamente vulnerável a pescarias costeiras, sendo incidental e deliberadamente capturada em redes e espinhéis. É um alvo fácil da caça submarina por seus hábitos sedentários e comportamento dócil, e visada em competições por seu tamanho corporal. O tubarão-lixa também é vulnerável a impactos indiretos na zona costeira, particularmente em áreas recifais que constituem seu principal habitat. A degradação desses habitats e a pressão pesqueira sobre os mesmos, ameaçam a integridade das subpopulações regionais. Apesar da sua proteção legal no Brasil desde 2004, a espécie continua sendo capturada pela pesca artesanal e pela caça submarina. Somando os efeitos da perda de habitat, da diminuição da extensão de ocorrência e da pressão continuada da pesca, infere-se, a partir das observações de declínios locais, que a população da espécie diminuiu no mínimo 30% na costa brasileira no período que inclui as três últimas gerações. Portanto, a espécie é listada como Vulnerável (VU) sob o critério A2bcd.
Pesquisadores Participantes do Processo*

Alessandra Lonardoni – UEM, Ana Rita Onodera Palmeira – UFPB, Arturo Mora – IUCN, Carolus Maria Vooren – FURG, Cristiane Elfes - University of California, Santa Barbara, Domingos Garrone Neto – UNESP, Emanuel C. Ferreira – FURG, Fábio Hissa Vieira Hazin – UFRPE, Fernando Fernandes Mendonça – UNESP, Fernando Pedro Marinho Repinaldo Filho – ICMBio, Francisco M. Santana – UFRPE, Getúlio Rincon – UNIP, Guilherme Moro – UFPB, Jorge Eduardo Kotas - CEPSUL/ICMBio, Jules Soto – UNIVALI, Leandro Yokota – USP, Manoel Mateus Bueno Gonzalez - Núcleo de Pesquisa e Estudo em Chondrichthyes/UNISANTA, Maria Cristina Oddone – FURG, Maria Lúcia Góes de Araújo – UFRPR, Mônica Brick Peres – ICMBio, Patricia Charvet - SENAI/PR, Ricardo de Souza Rosa – UFPB, Roberta Aguiar dos Santos - CEPSUL/ICMBio, Rodrigo Risi Pereira Barreto – UFRPE, Rosângela Lessa – UFRPE, Santiago Monte alegre Quijano – FURG, Vicente Faria – UFC.

* São listados os nomes de todos os pesquisadores que participaram de qualquer etapa do processo de avaliação do estado de conservação da espécie (envio de informações e oficina de avaliação). A categoria foi determinada na oficina pela maioria dos participantes, seguindo rigorosamente o método utilizado, e posteriormente validada seguindo o método de análise de consistência.

Referências
Bressan, P.M.; Kierulff, M.C.M. & Sugieda, A.M (coords.) 2009. Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo: Vertebrados. São Paulo: Fundação Parque Zoológico de São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente.

Carrier, J.C. 1991. Growth and aging: life history studies of the nurse shark. In: Gruber, S.H. (ed.). Discovering sharks. pp: 68–69. American Littoral Society, Special Publication 14.

Carrier, J.C. & Luer, C.A. 1990. Growth rates in the nurse shark, Ginglymostoma cirratum. Copeia 1990: 686–692.

Carrier, J.C.; Pratt, H.L. & Martin, L.K. 1994. Group reproductive behavior in free-living nurse sharks, Ginglymostoma cirratum. Copeia 1993: 646–656.

Carvalho, F.; Hazin, F.; Pacheco, J.; Fisher, A.,;Afonso, A. & Burgess, G. 2008. Shark monitoring program off the coast of Pernambuco, Brazil. In: VI Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios. Resumos... Fortaleza, p. 73-74.

Castro, A.L.F. 2000a. Ecologia populacional do Tubarão-lixa (Ginglymostoma cirratum) (Chondrichthyes: Ginglymostomatidae) na Reserva Biológica do Atol das Rocas, Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Castro, J.I. 2000b. The biology of the nurse shark, Ginglymostoma cirratum, off the Florida east coast and the Bahamas Islands. Environmental Biology of Fishes 58: 1–22.

Castro, A.L.F. & Rosa, R.S. 2005. Use of natural marks on population estimates of the nurse shark, Ginglymostoma cirratum, at Atol das Rocas Biological Reserve, Brazil. Environmental Biology of Fishes 72(2): 213–221.

Cervigón, F. & Alcalá, A. 1999. Los peces marinos de Venezuela. Vol. 5. Tiburones y Rayas. Fundación Museo del Mar.

Compagno, L.J.V. 1984. Sharks of the World. An Annotated and Illustrated Catalogue of Shark Species Known to Date. Part 1 - Hexanchiformes to Lamniformes. FAO Fisheries Synopsis 125, Vol. 4, Pt. 1. pp. 1-249.

Compagno, L.J.V. 2001. Sharks of the world. An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date. Volume 2. Bullhead, mackerel and carpet sharks (Heterodontiformes, Lamniformes and Orectolobiformes). FAO Species Catalogue for Fishery Purposes. No. 1, Vol. 2. Rome, FAO. 2001. 269p.

Costa, T.L.A. & Mendes, L.F. 2008b. Pesca de elasmobrânquios durante o verão na praia de Pititinga – RN. In: VI Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios. Resumos... Fortaleza, p. 81.

Ferreira, L.C.; Castilho, P.C.; Sucena, A.A. & Hazin, F.H.V. 2010. Estudos preliminares sobre o monitoramento acústico do tubarão lixa, Ginglymostoma cirratum, no litoral do Recife, Pernambuco. In: III Congresso Brasileiro de Oceanografia. Resumos..., Rio Grande. pp.2954-2957.

Figueiredo, J.L. 1977. Manual de Peixes Marinhos do Sudeste do Brasil I. Introdução, Cações, raias e quimeras. São Paulo: Museu de Zoologia Universidade de São Paulo.

Freitas, J.E.P.; Faria V.V. & Lotufo, T.M.C. 2008. Ocorrência e comportamento de tubarões e raias em um ambiente recifal: o Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio, Ceará, Brasil. In: VI Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios. Resumos... Fortaleza, p. 70-71.

Gadig, O.B.F. 1994. Fauna de tubarões da costa Norte/Nordeste do Brasil (Chondrichthyes: Elasmobranchii). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Gasparini, J.L. & Floeter, S.R. 2001. The shore fishes of Trindade Island, western South Atlantic. Journal of Natural History 35: 1639-1656.

Lessa, R.; Santana, F.M.; Rincón, G.; Gadig, O.B.F. & El-Deir, A.C. 1999. Biodiversidade de Elasmobrânquios do Brasil. Relatório para o Programa Nacional da Diversidade Biológica (PRONABIO) – Necton – Elasmobrânquios. Recife, Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal (MMA), 154pp.
Machado, A.B.M.; Martins, C.S. & Drummond, G.M. 2005. Lista da fauna brasileira ameaçada de extinção: incluindo as espécies quase ameaçadas e deficientes em dados. Belo Horizonte, Fundação Biodiversitas, 160p.

Menezes, N.A.; Buckup, P.A.; Figueiredo, J.L. & Moura, R.L. 2003. Catálogo das espécies de peixes marinhos do Brasil. São Paulo: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. 160 pp.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2004. Lista Nacional das Espécies de Invertebrados Aquáticos e Peixes Ameaçados de Extinção. Instrução Normativa nº 5, de 21 de maio de 2004. Diário Oficial da União, n° 102, de 28 de maio de 2004, Seção 1, pp. 136-142, Brasília, DF.

Passamani, M. & Mendes, S.L. 2007. Espécies da fauna ameaçadas de extinção no Estado do Espírito Santo. Vitória: Instituto de Pesquisas da Mata Altântica, 140 p.

Rio de Janeiro. 2000. Espécies ameaçadas de extinção no Município do Rio de Janeiro: Flora e fauna. Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Rocha, L.A. & Rosa, I.L. 2001. Baseline assessment of reef fish assemblages of Parcel Manuel Luiz Marine State Park, Maranhão, north-east Brazil. Journal of Fish Biology 58: 985-998.

Rosa, R.S. 1987. Levantamento preliminar das espécies de Elasmobrânquios na Costa da Paraíba (Brasil). In: III Reunião do Grupo de Trabalho sobre Pesca e Pesquisa de Tubarões e Raias no Brasil. Resumos... Fortaleza, CE.

Rosa, R.S. 2002. Peixes. In: Lista Oficial da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Workshop, Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte.

Rosa, R.S. & Moura, R.L. 1997. Visual assessment of reef fish community structure in the Atol das Rocas Biological Reserve, off Norteastern Brazil. Proc 8th Int Coral Reef Sym 1:983-986.

Rosa, R.S.; Castro, A.L.F.; Furtado, M.; Monzini, J. & Grubbs, R.D. 2006. Ginglymostoma cirratum. In: IUCN 2010. IUCN Red List of Threatened Species. Version 2010.3. . Acessado em 30 de setembro de 2010.

Santander Neto, J.; Silveira, L.M.; Queiroz, B.J.; Mendes, R.S. & Faria, V.V. 2008. Monitoramento do desembarque de elasmobrânquios capturados pela frota artesanal da enseada do Mucuripe. In: VI Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios. Resumos... Fortaleza, p. 79-80.

Santander-Neto, J.; Shinozaki-Mendes, R.A.; Silveira, L.M.; Jucá-Queiroz, B.; Furtado-Neto, M.A.A. & Faria, V.V. 2011. Population structure of nurse sharks, Ginglymostoma cirratum (Orectolobiformes), caught off Ceará state, Brazil, south-western equatorial atlantic. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom, v. 91, p. 1193-1196.

São Paulo. 1998. Fauna Ameaçada no Estado de São Paulo. Secretaria do Meio Ambiente. Série Documento Ambientais. São Paulo (contém o Decreto nº 42.838 de 4 de fevereiro de 1998).

SEMA/PA - Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Governo do Pará). 2007. Resolução nº 054/2007 (Homologa a lista de espécies da flora e da fauna ameaçadas no Estado do Pará). Disponível em: http://www.sema.pa.gov.br/interna.php?idconteudocoluna=2283 Acessado em 19 de março de 2012.

Soto, J.M.R., 2001, Annotated systematic checklist and bibliography of the coastal and oceanic fauna of Brazil. I. Sharks. Mare Magnum, 1(1): 51-120.

Spina, P. & Szpilman, M. (s.d.) A pesca de tubarões no Rio. Projeto Piloto: levantamento de dados sobre a pesca de tubarões no Estado do Rio de Janeiro. Revista do Protuba, Instituto Aqualung, p. 4-10. Disponível em: www.institutoaqualung.com.br/pdf/Projeto%20piloto-%20pesca%20tubar%F5es%20no%20Rio.pdf.
Fim do conteúdo da página