Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Pesquisa > Projetos Apoiados > Projetos Apoiados em 2010 > Manejo experimental para controle de espécies invasoras
Início do conteúdo da página

Manejo experimental para controle de espécies invasoras

cpbAno: 2010

Resumo: Com relação ao MLCD, restrito à Mata Atlântica da região sudeste da Bahia e extremo nordeste de Minas Gerais (Raylands et al., 2002), classificado como “Em Perigo” pela IUCN e pela Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Não constava no planejamento inicial do projeto essa demanda, ela emergiu em 2010 demandada por parte de membros do Comitê Internacional e especialistas após a divulgação de um recente relatório coordenado pelo Instituto Pri-Matas para a Conservação da Biodiversidade, sobre o levantamento da população de micos–leões-da-cara-dourada introduzidos no Parque Estadual da Serra da Tiririca e adjacências, no estado do Rio de Janeiro. Neste relatório é citada a presença de 15 grupos de L. chrysomelas com um total de 107 indivíduos, todos observados na Serra da Tiririca e no Parque Municipal Darcy Ribeiro, evidenciando uma população com potencial para dispersar rapidamente.

Conforme exposto acima, o MLCD é um táxon alóctone no estado do Rio de Janeiro ocupando uma área de distribuição original das populações autóctones de Leontopithecus Rosália(mico-leão-dourado) que ocorrem em alguns remanescentes da Mata Atlântica localizados em áreas restritas da região costeira do estado do Rio de Janeiro e também considerado em perigo de extinção nas listas de espécies ameaçadas da IUCN e brasileira. Segundo o relatório, os MLCD invasores podem ocupar os territórios e expulsar os micos-leões-dourados nativos, através da competição direta e/ou introduzindo doenças que originalmente não existiam na região, alem disso, as espécies poderiam se misturar, dando origem a uma população híbrida que ocuparia os remanescentes da Mata Atlântica e poderia, inclusive, extinguir os micos-leões-dourados na natureza.

É o único caso conhecido no Brasil de uma população alóctone de primata ameaçado de extinção com potencial invasor sobre populações autóctones de outro primata ameaçado de extinção, com o agravante de serem congêneres.

Responsável pelo ProjetoUnidade
Plautino De Oliveira Laroque
plautino.laroque@icmbio.gov.br
CPB
Fim do conteúdo da página