Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Pesquisa > Projetos Apoiados > Projetos Apoiados em 2012 > Distribuição e análise de estrutura populacional de cinco espécies vegetais ameaçadas no PNCD
Início do conteúdo da página

Distribuição e análise de estrutura populacional de cinco espécies vegetais ameaçadas no PNCD

Ano: 2012

Resumo: Este projeto representa a continuação dos esforços de levantamento da estrutura demográfica e distribuição de espécies vegetais endêmicas, raras ou ameaçadas de extinção da Chapada Diamantina. Foram abordadas quatro das cinco espécies propostas no projeto (Sauvagesia nitida, Cattleya sincorana, Orthophytum amoenum e Thelyschista guillanyi, além de outras três espécies do gênero Sauvagesia. Para Solanum diamantinense, problemas logísticos impediram a execução das atividades de campo. Das demais espécies, Sauvagesia nitida não foi identificada durante a execução das atividades de campo. Outras três espécies do gênero foram amostradas (Sauvagesia insignis, S. paniculata e S. cf. ribeiroi). S. insignis e S. cf. ribeiroi ocorrem tipicamente em ambientes de campo sujo (gerais) e tem populações amplamente dispersas em pequenos contingentes populacionais formando “manchas”. S. paniculata tem apenas duas populações conhecidas, restritas a campos rupestres e com baixo recrutamento de indivíduos. Cattleya sincorana apresenta populações bem distribuídas pela face oeste da Serra do Sincorá. Foi identificado um baixo recrutamento de indivíduos e poucos frutos.

O epifitismo (quando a planta cresce sobre outra planta, sem ser parasita) ocorre principalmente em Vellozia sp e está ligado ao número de forófitos (plantas hospedeiras) disponíveis e ao tamanho dos mesmos. Orthophytum amoenum tem sua distribuição restrita a uma área de 41 Km de extensão norte – sul, na região norte do PNCD e em áreas vizinhas, onde ocorre apenas nos topos dos morros, na linha de ruptura do relevo. Thelyschista guillanyi é uma espécie de distribuição ampla, mas com baixíssima densidade, em geral ocorrendo como indivíduos solitários ou agrupamentos com até 17 indivíduos. Os resultados indicam que as espécies amostradas normalmente precisam de ações contra a coleta seletiva e proteção contra incêndios.

Responsável pelo ProjetoUnidade
Cezar Neubert Gonçalves
cezarngoncalves@gmail.com
Parque Nacional da Chapada Diamantina
Fim do conteúdo da página