Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Pesquisa > Projetos Apoiados > Projetos Apoiados em 2013 > Manejo para conservação de quelônios da FLONA de Tefé e entorno
Início do conteúdo da página

Manejo para conservação de quelônios da FLONA de Tefé e entorno

Ano: 2013

Resumo: A pressão antrópica sobre as populações de iaças, tartarugas-da-Amazônia e tracajás na região da FLONA de Tefé tem se intensificado ao longo dos anos. De acordo com o conhecimento empírico dos ribeirinhos, já é visível a diminuição destas populações, que podem vir a ser extintas localmente. A captura para consumo e venda é realizada tanto por comunitários, quanto por moradores da cidade de Tefé e Alvarães. Considerando esse cenário, foi iniciado um trabalho com os ribeirinhos de manejo para conservação de quelônios na região.

Este projeto é continuo e tem por objetivo iniciar um processo de sensibilização das comunidades ribeirinhas com intuito de diminuir a pressão antrópica sobre estes animais a médio e longo prazo; auxiliar na recuperação das populações de quelônios da região, que vem diminuindo ao longo dos anos; obter dados científicos sobre as espécies para um melhor entendimento da situação atual das populações da região para adequar as estratégias de conservação.

Em 2012, foi realizada uma expedição piloto para o alto rio Tefé, onde se localizam as praias de desova, para transferência de ninhos. Foi feita a transferência de 17 ninhos para praias artificiais próximas as comunidades ribeirinhas envolvidas no projeto, por dois motivos principais: risco de predação antrópica eminente e facilitação logística, tendo em vista que os tabuleiros de desova ficam longe das comunidades. Os ninhos foram cuidados até o nascimento, e os filhotes foram transferidos para berçários, onde permaneceram por 15 dias até a soltura. Foram soltos 371 quelônios em eventos de soltura que envolviam toda a comunidade, em especial as crianças.

Em 2013, devido aos cortes orçamentários do ICMBio e dificuldades na liberação dos recursos aprovados pela DIBIO, apenas alguns comunitários fizeram a transferência de ninhos encontrados em praias próximas, tendo sido soltos 141 filhotes de tracajá.
Atualmente são nove comunidades/localidades ribeirinhas envolvidas no projeto, sendo que outras duas já mostraram interesse em começar a participar. Ressalta-se ainda que este projeto foi demandado, construído e executado pelas comunidades, com o apoio da equipe gestora da FLONA. O grupo já possui dois importantes parceiros: o Programa Pé-de-Pincha da UFAM e a UEA.

Responsável pelo projetoUnidade
Rafael Suertegaray Rossato
rafaelsuerte@yahoo.com.br
Floresta Nacional de Tefé
Fim do conteúdo da página