Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Projeto Poraquê

Ano: 2014

Os poraquês são peixes cuja principal característica é a emissão de fortes descargas elétricas de até 650 volts. Mesmo sendo um dos maiores vertebrados da Amazônia, atingindo até 2,5 metros de comprimento, pouco se conhece sobre a biologia da espécie em ambiente natural. Poraquês são utilizados em pesquisas sobre funcionamento de células nervosas, na medicina popular da Amazônia, e até como alimento por algumas pessoas, mas em sua maioria é um animal temido por sua eletricidade. A necessidade de pescar outras espécies que coabitam com os poraquês sem o perigo de choques, faz com que haja o abate de vários indivíduos. O Projeto Poraquê visa descrever a diversidade e a ecologia dos poraquês em seu ambiente natural, visando aumentar a conscientização da população sobre a importância desse animal genuinamente amazônico e aumentar a capacidade proteção de suas populações. As análises genéticas iniciais mostram que pode haver até duas espécies novas de poraquês, ambas ocorrendo em unidades de Conservação do ICMBio. Os resultados preliminares da expedição-piloto do Projeto poraquê, realizada em dezembro de 2014 com apoio do ICMBio e National Geographic Society, sugerem que a reprodução dos animais ocorra no início das chuvas, sendo importante a intensificação do proteção dos poraquês no referido período. Futuras expedições permitirão conhecer a diversidade de espécies e os aspectos básicos da biologia da espécie, como alimentação, crescimento e comportamento na natureza, em especial o comportamento reprodutivo.


Produtos derivados do Projeto:
Vídeos das atividades dos poraquês em seu ambiente natural: após a edição e tratamento de imagem poderão ser utilizados na divulgação do projeto e das ações do ICMBio não só como fomentador de pesquisas científicas, mas também como executor e produtor de conhecimento relacionado a biodiversidade brasileira, e em específico a biodiversidade amazônica.

Gravações das descargas do órgão elétrico: estão disponíveis em formato digital e poderão ser utilizados na divulgação do projeto e das ações do ICMBio não só como fomentador de pesquisas científicas, mas também como executor e produtor de conhecimento relacionado a biodiversidade brasileira, e em específico a biodiversidade amazônica.

Responsável pelo ProjetoUnidade
Raimundo Nonato Gomes Mendes Júnior
raimundo.mendes-junior@icmbio.gov.br
Reserva Extrativista do Rio Cajari
Fim do conteúdo da página