Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Especialistas discutem espécies ameaçadas de extinção
Início do conteúdo da página

Especialistas discutem espécies ameaçadas de extinção

Publicado: Quinta, 19 de Setembro de 2019, 10h53
Promovido pelo ICMBio, encontro discutirá 107 espécies ameaçadas de extinção com os pesquisadores dos nove estados nordestinos.
thumbnail Glacomastix abaetensis Magno Lima Travassos de Oliveira Easy Resize.com 1
Thumbnail Glacomastix abaetensis. (Foto: Magno Lima Travassos de Oliveira)

Pesquisadores de todo o Nordeste estarão reunidos em Salvador nesta sexta-feira (20) na Oficina de Elaboração de Indicadores e Metas do Plano de Ação Nacional para Conservação da Herpetofauna Ameaçada do Nordeste (PAN Herpetofauna do Nordeste). Promovido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o Plano de Ação contempla 107 espécies ameaçadas de extinção (23 anfíbios e 84 répteis). O encontro vai reunir em Salvador pesquisadores, especialistas e representantes dos órgãos ambientais dos nove estados nordestinos.

Na sexta-feira (20), às 8h30, será realizada a palestra “Manejo de Espécies Exóticas Invasoras no Parque Estadual na Serra do Conduru e na Estação Ecológica do Rio Preto/BA”, com a doutora Sílvia Ziller, do Instituto Hórus. Com entrada gratuita e aberta ao público, a programação será realizada no auditório térreo do Bloco A, da Universidade Católica do Salvador (UCSal), no campus Pituaçu.

A analista ambiental do ICMBio e coordenadora do PAN do Nordeste, Sônia Santesso, conta que o encontro é essencial para definir metas e acompanhar resultados, além de divulgar estas informações para a sociedade e estimular o debate nos vários setores. Para ela, esse é um momento único para estabelecer indicadores e metas para o segundo ciclo de vigência do plano, os meios de verificação e a periodicidade em que estes devem ser checados, além de mapear a realidade de toda a região. De acordo com o pesquisador Moacir Tinôco, PhD em Biologia da Conservação e coordenador-executivo do PAN Herpetofauna do Nordeste, o envolvimento da comunidade cientifica e da sociedade só traz benefícios para as espécies de répteis e anfíbios ameaçadas.

Espécies ameaçadas
O PAN Herpetofauna do Nordeste contempla 107 espécies, entre elas 46 ameaçadas nacionalmente que são consideradas espécies-alvo, 58 animais beneficiados por estarem nas listas de espécies ameaçadas dos estados da Bahia e Pernambuco e três quase ameaçadas na lista nacional. Entre as espécies-alvo que figuram na lista do PAN, está o Calango do Abaeté (Glaucomastix abaetensis). Descoberto na Lagoa do Abaeté, em Salvador, o abaetensis é genuinamente baiano e só foi descrito pela ciência em 2002. Atualmente é classificada como “Em Perigo” tanto na avaliação nacional do ICMBio quanto na lista da Bahia. Pesquisadores alertam que, caso medidas urgentes não sejam adotadas, esta e outras espécies correm o risco de desaparecer.

Sobre o PAN
O Plano de Ação Nacional para Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção (PAN) é um instrumento de gestão e de políticas públicas coordenado pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Répteis e Anfíbios (RAN), vinculado ao ICMBio, do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Construído de forma participativa, é utilizado para o ordenamento e a priorização de ações para a conservação de espécies e ambientes naturais. O método contempla a participação multilateral e envolve diversos segmentos da sociedade para potencializar os esforços e racionalizar a captação e gestão dos recursos para conservação de espécies ou ambientes-foco dos PANs.


* Texto do jornalista colaborador voluntário do PAN/Marcos Paulo Sales do Nascimento

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) relacionados
15 Vida terrestre 150

Comunicação ICMBio
(61) 2028 9280


registrado em: ,
Fim do conteúdo da página