Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Instaladas 82 armadilhas fotográficas no sul da Bahia
Início do conteúdo da página

Instaladas 82 armadilhas fotográficas no sul da Bahia

Publicado: Segunda, 17 de Setembro de 2018, 15h35
Equipamento serve para registrar onça-pintada e assembleia de mamíferos no Parque Nacional do Pau Brasil e na RPPN Estação Veracel.

proje
A onça-pintada (Panthera onca) é considerada uma das espécies mais ameaçadas da fauna brasileira, em destaque para a Mata Atlântica, bioma onde a espécie se encontra em declínio. Atualmente, as populações estão isoladas umas das outras no bioma, e sujeitas a grande pressão por conta da perda de habitat e da caça. Portanto, ampliar o conhecimento sobre as áreas de ocorrência da onça-pintada na Mata Atlântica é necessário para viabilizar estratégias de conservação e reconexão entre populações.

Para tanto, em agosto, foram instaladas 82 armadilhas fotográficas dividas entre as duas áreas estudadas em formato de grade, visando registrar tanto a onça-pintada quanto a assembleia de mamíferos. As armadilhas ficarão em campo por um período de 60 dias registrando ininterruptamente, por meio de fotos, a presença dos mamíferos. O projeto é financiado pela Veracel Celulose S.A.

projenovoAs armadilhas fotográficas se inserem no projeto intitulado “Estudo populacional e conservação de onças-pintadas da porção norte da Mata Atlântica”, coordenado pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap), do ICMBio, e tem como objetivos identificar indivíduos de onça-pintada (Panthera onca) em duas importantes áreas de Mata Atlântica no sul da Bahia, a RPPN Estação Veracel (6.069 hectares) e o Parque Nacional do Pau-Brasil (19.027 hectares), gerando estimativas de densidade populacional para a espécie.

O projeto visa também obter informações sobre a assembleia de mamíferos de médio e grande porte presente, que possui muitas espécies que são presas da onça-pintada. A porção norte da Mata Atlântica ainda carece de informações quanto a sua fauna, sendo também objetivo do estudo ampliar esse conhecimento. Em longo prazo, o projeto objetiva estabelecer a conexão entre as áreas estudadas, e outros remanescentes florestais próximos, visando aumentar o fluxo dos animais entre elas.


Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página