Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Destaques > ICMBio estuda criação de UCs no Amazonas
Início do conteúdo da página

ICMBio estuda criação de UCs no Amazonas

Publicado: Sexta, 24 de Abril de 2015, 11h50

Assunto foi tema de reunião no Instituto Chico Mendes

Assunto foi tema de reunião no Instituto Chico Mendes

© Todos os direitos reservados. Foto: Nana Brasil

Nana Brasil
nana.nascimento@icmbio.gov.br

Brasília (24/04/2015) – O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Roberto Vizentin, e o diretor de Criação e Manejo de Unidades de Conservação, Sérgio Brant, se reuniram com autoridades do Amazonas para discutir proposta de criação de Unidades de Conservação (UCs) federais em terras públicas da União localizadas no sul do estado. O encontro aconteceu na tarde de quarta-feira (22), na sede do ICMBio, em Brasília.

Participaram da reunião o Secretário de Meio Ambiente do Amazonas, Antônio Stroski, o prefeito de Apuí (AM), Adimilson Nogueira, o deputado estadual Sinésio Campos, representantes da senadora Vanessa Grazziotin e do deputado federal Arthur Virgílio, o presidente da Câmara Municipal de Apuí, Marcos Antônio Lima, além dos vereadores Dirlan Gonçalves, Carlos Weber Santos e João Raimundo Martins.

Também estiveram presentes os representantes da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Alda Carvalho e Carlos Ribeiro, o presidente do Sindicato Rural do Sul do Amazonas (Sindisul), Carlos Roberto Koch, e o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas (Faea), Muni Lourenço.

O propósito do encontro foi ouvir as opiniões e demandas locais e aprofundar o o debate acerca da criação de UCs na porção sul do Amazonas. O número de novas Unidades, bem como suas categorias, são questões que ainda estão sendo estudadas pelo ICMBio, com base nas peculiaridades e tendências de cada local. Antes de fechar a proposta de criação, o Instituto ainda deverá submetê-la a consulta e audiência públicas.

Desenvolver conservando

Durante a reunião, os representantes locais se mostraram favoráveis à implantação de áreas protegidas, demonstrando, no entanto, certa preocupação com eventuais impactos no crescimento econômico da região. "Precisamos buscar soluções que atendam tanto à questão ambiental quanto às questões sociais e econômicas", pontuou o presidente da Faea, Muni Lourenço.

O presidente do ICMBio, por sua vez, ressaltou que 100% das terras apontadas na proposta pertencem à União. "Nós estamos inaugurando uma nova abordagem para a criação de UCs, que evitará sobreposições e conflitos. Mas permanecemos atentos às reivindicações e demandas de cada região. As decisões serão tomadas com rigor técnico e também com base em critérios de justiça, sem passar por cima da realidade local", esclareceu.

Vizentin ressaltou ainda que as questões ambientais, sociais e econômicas não devem ser encaradas separadamente, e sim em sinergia. "As Unidades de Conservação são um alicerce para o desenvolvimento social e econômico", concluiu o presidente.

Escudo protetor da floresta

Dotada de grande potencial de desenvolvimento a partir do aproveitamento racional de seus recursos naturais, a área objeto de análise está situada no entorno da BR-230 (Rodovia Transamazônica), entre a vila do Matupi e a divisa entre os estados do Amazonas e do Pará.

Com grande diversidade biológica e baixa ocupação humana, esta região, inserida na bacia do rio Madeira, funciona como uma espécie de escudo protetor do coração da floresta, sendo indicada, portanto, a criação de áreas protegidas. "O objetivo é ordenar uma área rica em biodiversidade e que ainda é pouco ocupada, evitando conflitos e criando alternativas de uso da floresta", explica o diretor Sérgio Brant.

O sul do Amazonas apresenta alta heterogeneidade ambiental, abrigando espécies da flora ameaçadas de extinção, como a castanheira-do-pará e a cerejeira, e espécies de importância econômica para a região, como a copaíba e o arurá-branco. Uma incrível diversidade de espécies da fauna também se faz presente no local, com grande ocorrência de primatas e a maior riqueza de aves do Brasil.

Por outro lado, é uma região que vem sofrendo pressões crescentes de madeireiros, pecuaristas, produtores de soja, entre outros. Nesse contexto, a criação das Unidades de Conservação poderá conter o avanço do desmatamento e contribuir para a proteção do nosso patrimônio natural.

Conheça a proposta de criação de UCs federais no sul do Amazonas aqui.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página