Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Cerâmica mais do que bela: transformadora
Início do conteúdo da página

Cerâmica mais do que bela: transformadora

Publicado: Quarta, 02 de Outubro de 2013, 17h19

A inclusão gerada pela cerâmica trouxe um novo sentido para a comunidade do entorno do parque

Sandra Tavares

Em entrevista ao ICMBio, a coordenadora das atividades da Cerâmica Serra da Capivara, Girleide Oliveira fala sobre os avanços da produção artesanal que tem como tema as pinturas rupestres existentes no Parque Nacioal da Serra da Capivara. Entre os avanços está a inclusão das comunidades do entorno, com geração de emprego e renda na região semiárida do Piauí.

produtosQuando o trabalho com a cerâmica começou na Serra da Capivara?
Os trabalho com a cerâmica começaram a partir da inciativa da arqueóloga Niède Guidon com os moradores do Entorno do Parque Nacional na intenção de implantar uma 'cultura de sobrevivência' quando da implantação das escolas da FUMDHAM. A proposta é que as pessoas do entorno tenham uma atividade econômica com o uso das pinturas rupestres e conseguissem viver desta cultura e entender mais rápido a importância desse patrimônio.

Como é feito o processo, resumidamente? Da matéria prima até a arte final?
A Argila é retirada de barreiros que fica próximo às comunidades. Esta argila foi previamente estudada também na época 1989- e usamos o mesmo local atá hoje. Limpa-se esta pequenas barragem na época da seca, transporta-se e armazena-se esta argila na oficina, utilizando-a quando necessário. O processo de limpeza da argila para que ela fique pronta para fazer a peça leva em média 10 dias. O diferencial está em de onde a argila é retirada – de pequenas barragens que são renovadas novamente nas épocas de chuva.

oficinaOnde fica a região da fábrica?
A Cerâmica Serra da Capivara está localizada no povoado do Barreirinho, na área de entorno do Parque Nacional Serra da Capivara, no município de Coronel José Dias, no sudeste do Piauí, em pleno semi-árido. Ela está em funcionamento desde agosto de 1994. A motivação de sua criação foi possibilitar às pessoas que moravam na área de entorno uma nova atividade como fonte de renda, diminuindo, assim, a depredação do meio ambiente (fauna e flora característicos da caatinga) e do patrimônio cultural do Parque (pinturas rupestres e vestígios arqueológicos).

 

Quantos cidadãos da comunidade são empregados nesta atividade?
São 40 empregos diretos gerados a partir desta atividade, garantidos os direitos trabalhistas de todos, e sendo todos moradores do entorno do parque.

E como está a lucratividade da atividade, em termos de venda?
Quando comparamos as vendas dos dois últimos anos, as vendas de 2013 em exposições e eventos superaram as de 2012 em 10%. As vendas da cerâmica são alavancadas exatamente entre os meses de agosto e dezembro, em virtude das festividades de final de não como lembranças, presentes e brindes corporativos. No início de anos temos dificuldades de escoar os produtos, é quando buscamos ser criativos e participamos de feiras de artesanatos e eventos tais como: exposições (todas com vendas) em universidades, em empresas como a Codevasf e Sebrae, museus, entre outros.

artesaojosiasVocês revendem para grandes hipermercados, como a Rede Pão de Açucar. Como começou essa parceria e como ela se dá na prática?
Começamos em 1989, mas já obedecendo as normas ambientais, de saúde pública e etc. E como temos um objetivo social e econômico muito forte, precisávamos então nos adequarmos à logísitica de grandes grupos como Tok Stok e Pão de Açúcar e hoje já esta trabalhando uma terceira grande rede.
Começamos a vender para a Tok Stok em 2005 e espero que continue pro muitos anos. Depois surgiu a oportunidade de vendermos, a partir de 2007, para o Grupo Pão de Açúcar por meio do Projeto de Sustentabilidade chamado "Caras do Brasil'. Esta negociação tem evoluído e hoje o Pão de Açúcar é sem duvida o nosso grande cliente, e que tem mantido nosso projeto nos períodos de baixa nas vendas - ou seja no início do ano.

E em termos de exportação, para que países vocês exportam? E com que frequência?
Exportamos para Itália, o nosso grande e primeiro cliente que nos direcionou para exportação com nosso nome. Exportamos também para Estados Unidos, Portugal e agora em outubro participamos da primeira feira Internacional na França. As exportações sempre são uma vez por ano e sempre no início do ano entre os meses de fevereiro e maio.

Comunicação ICMBio
(61) 3341-9290
Fim do conteúdo da página