Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > ICMBio avalia saúde de peixes-bois soltos na natureza
Início do conteúdo da página

ICMBio avalia saúde de peixes-bois soltos na natureza

Publicado: Quarta, 22 de Outubro de 2014, 08h10

Um dos objetivos é analisar como estão os animais após as solturas

Um dos objetivos é analisar como estão os animais após as solturas

ICMBio avalia saúde de peixes-bois soltos na natureza

Gustavo Frasão
gustavo.caldas@icmbio.gov.br

Brasília (22/10/2014) — O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos (CMA/ICMBio) iniciou no mês de setembro o projeto de pesquisa "Determinação da sobrevida dos peixes-bois marinhos reintroduzidos no Brasil e o reflexo para a conservação da espécie". O objetivo é avaliar a saúde dos peixes-bois marinhos soltos na natureza pelo Centro, prevenir doenças que podem afetar a espécie e analisar como estão os animais após as solturas.

"Começamos o projeto em setembro deste ano e vamos até dezembro de 2015. No dia 10 de outubro iniciamos a parte de pesquisa de campo. Nós temos estudos até a soltura desses animais, agora vamos estudá-los após esse procedimento para ver como estão se comportando em ambiente natural", explicou a coordenadora-substituta do CMA, Fernanda Löffler Niemeyer Attademo.

Para iniciar as atividades, a equipe visitou a APA (Área de Proteção Ambiental) Barra de Mamanguape (PB) e verificou as condições de asseoreamento e possíveis pontos de manejo. Na ocasião, os servidores da Unidade de Conservação (UC) também foram convidados a participar de forma efetiva do projeto. O levantamento da atual localização dos animais reintroduzidos e as características ambientais do local já estão sendo feitos.

"Escolhemos esse local para ser o marco zero do projeto porque coincide com a região da primeira base do CMA/ICMBio, onde existiu o primeiro cativeiro do peixe-boi marinho no Brasil", explicou Fernanda. Atualmente, a Paraíba é considerada uma das áreas mais importantes de ocorrência da espécie no País, além de monitorar seis peixes-bois marinhos.

A expectativa é que os resultados a serem obtidos pelo projeto ajudem as equipes a traçar novas medidas públicas para subsidiar o ICMBio na tomada de decisão para a conservação da espécie. A próxima etapa será voltada para a educação ambiental e deverá acontecer no mês de novembro. Em dezembro deverá ocorrer a recaptura dos seis animais monitorados na Paraíba.

O projeto foi aprovado junto à  Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza (Projeto Boticário) e conta com o apoio da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN), Projeto Cetáceos da Costa Branca (PCCB), Fundação Guimarães Duque (FGD) e Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

registrado em:
Fim do conteúdo da página