Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Visitação > Informações sobre Visitação > Parque Nacional da Amazônia
Início do conteúdo da página
Informações sobre Visitação

Parque Nacional da Amazônia

altO Parque Nacional da Amazônia, Unidade de Conservação de Proteção Integral, foi criado em fevereiro de 1974, pelo Decreto n° 73.683, como parte do Programa de Integração Nacional (PIN), logo após a construção da Rodovia Transamazônica, BR-230.

Localiza-se no oeste do Pará, às margens do rio Tapajós, e faz parte do mosaico de Unidades de Conservação da BR-163. O parque é responsável pela proteção de inúmeras nascentes de contribuintes dos rios Tapajós e Amazonas, além de ser habitat de várias espécies ameaçadas de extinção, como a onça pintada, anta e arara juba, animais avistados com certa freqüência no interior da UC.

Há no interior da unidade infraestrutura básica para receber o turista. É possível fazer algumas trilhas sinalizadas no interior da floresta, onde se pode avistar inúmeras espécies de aves. No verão (agosto a dezembro), com a baixa do rio, formam-se os bancos de areia que, junto as águas claras do rio Tapajós, convidam-te para um banho. Do mirante se tem uma bela vista das corredeiras e pedreiras que se afloram no período de seca.

As pessoas que desejarem visitar o parque devem levar alimentação, pois existe a possibilidade de cozinhar, repelente de insetos, protetor solar, botas/tênis para caminhada, chapéu para sol e roupas adequadas. Não existe nenhum ponto de venda nas proximidades, devendo o visitante fazer suas compras nos supermercados em Itaituba. A água potável também é precária, portanto o visitante deve levar água mineral para beber.

Mais informações pelo telefone (93) 3518-4519.

COMO CHEGAR

Via Aérea: Para visitar o Parna da Amazônia deve-se tomar um avião até a cidade de Itaituba, que é atendida pela empresa aérea Azul.

Via Rodoviária: O acesso a Itaituba também é possível por meio da Rodovia Transamazônica, BR-230, que atravessa a cidade. De Santarém, pode-se tomar um ônibus ou ir de carro pela BR-163 até Rurópolis e no entroncamento seguir a BR-230 até Itaituba.

Via Fluvial: Optando-se pela via fluvial, pode-se ir de navio ou lancha, que saem diariamente da cidade de Santarém para Itaituba.

Acesso do município de Itaituba ao Parque Nacional da Amazônia: Partindo-se de Itaituba sentido Jacarecanga, pela Rodovia Transamazônica, chega-se à primeira base do parque, às margens do igarapé Tracoá, a aproximadamente 53 km do centro da cidade.

A segunda base, próxima ao igarapé Uruá, está a 12 km da primeira, também pela BR-230. Como a rodovia não é asfaltada, o acesso fica mais difícil nos meses chuvosos - de janeiro a maio. Chega-se à unidade também por via fluvial, pelo rio Tapajós, que oferece condições de navegabilidade durante todo o ano, mas deve-se escolher um piloto experiente, que conheça bem a região, devido a travessia das corredeiras, principalmente nos meses mais secos - de agosto a dezembro.

ONDE FICAR

A cidade de Itaituba oferece uma rede hoteleira razoável, com diárias que variam de R$ 45,00 a R$ 150,00.

No parque existem dois alojamentos na base do Uruá. Um dos alojamentos dispõe de banheiro, cozinha com fogão, dois quartos com camas e redes. Nesse alojamento possui utensílios de cozinha que podem ser utilizados pelos visitantes. O outro alojamento dispõe somente de vão amplo, varanda e sanitário, devendo os visitantes dormirem em redes. O parque não possui energia elétrica, e conta apenas com motor e gerador, que é ligado por algumas horas do dia.

Também existe a possibilidade de acampar, embora não exista infraestrutura propícia para tal, com banheiros, lavanderia, mesas etc.

A base do Uruá também dispõe de um mirante com três sanitários, onde as pessoas também costumam dormir.

INGRESSOS

Atualmente não são cobrados ingressos aos visitantes, mas é necessário a retirada da Guia de Visitação na sede do ICMBio em Itaituba.

Confira outras informações neste portal, dentro da página da UC

Fim do conteúdo da página