Publicação do Sumário Executivo do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) publicou o Sumário Executivo do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Trata-se de uma síntese do processo de avaliação do risco de extinção da fauna brasileira conduzido pelo Instituto, no período de 2010 a 2014, contendo também a lista das espécies que foram categorizadas com algum grau de risco de extinção.

2º Ciclo de Avaliação dos Quelônios Continentais no Brasil

Seis anos após a primeira avaliação (2010), no período de 24 a 27 de outubro 2016, o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação dos Répteis e Anfíbios – RAN/ICMBio realizou a oficina de Avaliação do Estado de Conservação dos Quelônios Continentais, que ocorrem no Brasil.

A metodologia aplicada foi a da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). Doze pesquisadores especialistas em quelônios continentais participaram como avaliadores, representando as seguintes instituições: WCS-Brasil, INEA/RJ, UFMT, UFMS, UFMA, UFAM, UCSAL, UFRGS, CENA/USP e RAN/ICMBio.

Das 31 espécies de quelônios continentais que ocorrem no país quatro ficaram como ameaçadas de extinção, duas como quase ameaçadas, quatro como dados insuficientes e 21 como menos preocupantes. Entretanto, ainda falta a etapa de validação que confere a aplicação da metodologia e categoria atribuída às espécies, só depois o resultado será publicado.

A maioria das espécies ameaçadas sofre forte pressão devido à caça e apanha dos ovos para atender o comércio clandestino, nacional e internacional, ou devido à redução e perda de habitat, principalmente em decorrência do desmatamento das margens dos rios, formação de barragens e alterações nos sistemas hídricos.

Estudos sobre história de vida e monitoramento populacional foram recomendados para verificação dos efeitos dessas ameaças sobre as espécies em geral. Também foi ressaltada a importância da continuidade das ações de proteção e manejo dos quelônios amazônicos e implementação das ações dos Planos de Ação Nacionais voltados para conservação das espécies ameaçadas e demais beneficiadas.

Participantes da Oficina de Avaliação dos Quelônios Continentais

Participantes da Oficina de Avaliação dos Quelônios Continentais, realizada no período de 24 a 27 de outubro de 2016, na Acadebio, Iperó-SP.

Nota de falecimento Presidente Icmbio

É com muito pesar que tomamos conhecimento da morte do Presidente de nosso Instituto, Rômulo José Fernandes Barreto Mello, grande colega e profissional comprometido com a causa ambiental, amigo e companheiro dessa jornada conservacionista. A sua morte nos pegou de surpresa e o levou de nós muito jovem ainda. Neste momento de dor e consternação, só nos cabe pedir a Deus que lhe ilumine e dê conforto à sua família para que possam enfrentar essa imensurável dor com serenidade.

Agradecemos imensamente o tempo que pudemos conviver com ele, desde o IBAMA, e que será sempre lembrado pelo profissionalismo, lealdade, inteligência, competência e sensibilidade para lidar com as inúmeras adversidades que afrontam todos os dias o meio ambiente. Devemos sempre lembrar que Deus quer ao seu lado os melhores, e com certeza o nosso colega já está ao lado do Senhor cumprindo uma nova missão.

Os colegas do RAN/ICMBio deixam os mais sinceros pêsames aos familiares, amigos e demais colegas do ICMBio.

JIBOIA DO RIBEIRA É ENCONTRADA DEPOIS DE 60 ANOS

Graças a um projeto de pesquisadores do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo e do Instituto Butantan, em parceria com o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Répteis e Anfíbios, foi encontrada no Vale do Ribeira uma espécie de cobra raríssima, que há mais de 60 anos não era vista na Mata Atlântica paulista. Esse projeto integra o Plano de Ação Nacional para a Conservação da Herpetofauna do Sudeste do Brasil.

Corallus cropanii corpo do texto

Corallus cropanii. Foto: Lívia Corrêa/Instituto Butantan

A espécie raríssima é a Corallus cropanii, que foi capturada com ajuda de moradores do Guapiruvu, uma comunidade rural do Vale do Ribeira – SP. Considerada a jiboia mais rara do mundo, essa serpente foi descrita em 1953 pelo herpetólogo Alphonse Richard Hoge, do Instituto Butantan, com base em um único exemplar, que foi trazido vivo até ele por um morador do município de Miracatu – SP.

Para ler a notícia na íntegra acesse:

http://ciencia.estadao.com.br/blogs/herton-escobar/cientistas-encontram-jiboia-mais-rara-do-mundo-na-mata-atlantica/

Manejo Conservacionista e Monitoramento Populacional de Quelônios Amazônicos

ICMBio e Ibama publicam manual técnico de conservação e monitoramento de quelônios amazônicos

O ICMBio e o Ibama publicaram o livro Manejo Conservacionista e Monitoramento Populacional de Quelônios Amazônicos. O manual técnico trata dos aspectos metodológicos para conservação e monitoramento de quelônios amazônicos, e traz informações sobre educação ambiental e participação das comunidades locais no processo.

Resultado do trabalho conjunto do ICMBio, Ibama e importantes instituições de pesquisa e conservação, a obra atualiza métodos e orientações técnicas empregados na conservação dos quelônios amazônicos, tornando-se referência para servidores, pesquisadores e estudantes, entre outros potenciais interessados. São nove capítulos que consolidam o estado da arte do conhecimento relativo à conservação dos quelônios amazônicos no Brasil; a história natural e a biologia dessas espécies; questões relacionadas ao envolvimento comunitário; e as ações do planejamento ao preparo das áreas de reprodução, passando pelo monitoramento nos locais de desova e durante a incubação dos ovos, até o manejo dos filhotes.

Capa LIVRO

Denota-se ainda, a relevância deste trabalho pela conjugação de esforços entre ICMBio e Ibama em favor da conservação, absorvido pelo Plano de Ação Nacional para Conservação dos Quelônios Amazônicos. A publicação desse Manual é um dos benefícios apresentados como fruto dessa cooperação técnica em prol da sociedade. A obra objetiva padronizar e nivelar entre os diferentes atores sociais, sejam entidades públicas e organizações não governamentais, as metodologias de manejo e monitoramento populacional de quelônios amazônicos, prerrogativa fundamental para a consolidação do banco de dados do SisQuelônios - Sistema de Gestão e Informação dos Quelônios Amazônicos, compartilhado com o Ibama e coordenado pelo RAN/ICMBio, o que favorecerá análises comparativas das múltiplas variáveis decorrentes dos diversos projetos de pesquisas e monitoramento afins, comenta a Coordenadora do RAN, Vera Lúcia Ferreira Luz.

De acordo com Ana Alice Biedzicki de Marques, diretora de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas (DBFlo) do IBAMA "a produção desse material técnico de referência no assunto tratado é muito importante porque aborda aspectos socioambientais de monitoramento e conservação a partir do envolvimento das comunidades ribeirinhas nas regiões de ocorrência das espécies alvo de conservação".

A recuperação e manutenção dos índices populacionais de quelônios amazônicos desejáveis estão condicionadas à continuidade, ao aprimoramento e à ampliação dos trabalhos de proteção, manejo e pesquisa com esses animais. Essas atividades requer rigoroso planejamento e revisões periódicas dos procedimentos técnico-metodológicos, validadas e adotados pelas diversas instituições interessadas, aponta o Organizador e Editor do livro, Analista Ambiental do RAN/ICMBio Rafael Antônio Machado Balestra.

A editoração do livro foi realizada pelo Centro Nacional de Informação Ambiental (CNIA) do Ibama. Está disponível em formato digital para download gratuito no sítio:

http://www.icmbio.gov.br/ran/downloads.html

 

2.º CICLO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DOS CROCODILIANOS

2ª Oficina de Crocodilianos

2º. Ciclo de Avaliação dos Crocodilianos no Brasil

 Cinco anos após a primeira avaliação (2011), no dia 12 de agosto de 2016, o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação dos Répteis e Anfíbios – RAN/ICMBio realizou a oficina de Avaliação do Estado de Conservação dos Crocodilianos, que ocorrem no Brasil.

 A metodologia aplicada foi a da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). Sete pesquisadores especialistas em crocodilianos, incluindo a Coordenadora do Táxon, Dra. Zilca Campos, representando a UFAM, INPA, Embrapa Pantanal, RAN e CSG/IUCN, participaram como avaliadores.

 Das seis espécies de jacarés que ocorrem no país (Caiman crocodilus, Caiman yacare, Caiman latirostris, Paleosuchus palpebrosus, Paleosuchus trigonatus e Melanusuchus niger), nenhuma está em risco de extinção. Vale ressaltar que para algumas espécies há legislação que permite a criação/comercialização ou manejo sustentável na natureza.

 A maioria das espécies tem ampla distribuição, contudo, em algumas localidades sofrem forte pressão de caça, redução e perda de habitat, principalmente em decorrência do desmatamento das margens dos rios, formação de barragens e alterações nos sistemas hídricos. Estudos de monitoramento populacional foram recomendados para verificação dos efeitos dessas ameaças sobre as espécies.

Manejo Conservacionista e Monitoramento Populacional de Quelônios Amazônicos

ICMBio e Ibama publicam manual técnico de conservação e monitoramento de quelônios amazônicos

O ICMBio e o Ibama publicaram o livro Manejo Conservacionista e Monitoramento Populacional de Quelônios Amazônicos. O manual técnico trata dos aspectos metodológicos para conservação e monitoramento de quelônios amazônicos, e traz informações sobre educação ambiental e participação das comunidades locais no processo.

Resultado do trabalho conjunto do ICMBio, Ibama e importantes instituições de pesquisa e conservação, a obra atualiza métodos e orientações técnicas empregados na conservação dos quelônios amazônicos, tornando-se referência para servidores, pesquisadores e estudantes, entre outros potenciais interessados. São nove capítulos que consolidam o estado da arte do conhecimento relativo à conservação dos quelônios amazônicos no Brasil; a história natural e a biologia dessas espécies; questões relacionadas ao envolvimento comunitário; e as ações do planejamento ao preparo das áreas de reprodução, passando pelo monitoramento nos locais de desova e durante a incubação dos ovos, até o manejo dos filhotes.

Denota-se ainda, a relevância deste trabalho pela conjugação de esforços entre ICMBio e Ibama em favor da conservação, absorvido pelo Plano de Ação Nacional para Conservação dos Quelônios Amazônicos. A publicação desse Manual é um dos benefícios apresentados como fruto dessa cooperação técnica em prol da sociedade. A obra objetiva padronizar e nivelar entre os diferentes atores sociais, sejam entidades públicas e organizações não governamentais, as metodologias de manejo e monitoramento populacional de quelônios amazônicos, prerrogativa fundamental para a consolidação do banco de dados do SisQuelônios - Sistema de Gestão e Informação dos Quelônios Amazônicos, compartilhado com o Ibama e coordenado pelo RAN/ICMBio, o que favorecerá análises comparativas das múltiplas variáveis decorrentes dos diversos projetos de pesquisas e monitoramento afins, comenta a Coordenadora do RAN, Vera Lúcia Ferreira Luz.

De acordo com Ana Alice Biedzicki de Marques, diretora de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas (DBFlo) do IBAMA "a produção desse material técnico de referência no assunto tratado é muito importante porque aborda aspectos socioambientais de monitoramento e conservação a partir do envolvimento das comunidades ribeirinhas nas regiões de ocorrência das espécies alvo de conservação".

A recuperação e manutenção dos índices populacionais de quelônios amazônicos desejáveis estão condicionadas à continuidade, ao aprimoramento e à ampliação dos trabalhos de proteção, manejo e pesquisa com esses animais. Essas atividades requer rigoroso planejamento e revisões periódicas dos procedimentos técnico-metodológicos, validadas e adotados pelas diversas instituições interessadas, aponta o Organizador e Editor do livro, Analista Ambiental do RAN/ICMBio Rafael Antônio Machado Balestra.

A editoração do livro foi realizada pelo Centro Nacional de Informação Ambiental (CNIA) do Ibama. Está disponível em formato digital para download gratuito no sítio:

http://www.icmbio.gov.br/ran/downloads.html

Quelônios Continentais Avaliados no Brasil

Estão disponíveis as fichas e mapas das espécies de Quelônios Continentais Avaliados no Brasil, para conhecer acesse o link:

http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/fauna-brasileira/estado-de-conservacao/2791-repteis-quelonios-continentais.html

Publicada a Portaria do PAN Herpetofauna do Sudeste

No dia 06 de outubro de 2015 foi publicada a Portaria do Plano de Ação Nacional para a Conservação da Herpetofauna Ameaçada da Mata Atlântica da Região Sudeste do Brasil — PAN Herpetofauna do
Sudeste, que tem como objetivo geral "reduzir as ameaças sobre as espécies do PAN por meio de ações e geração de conhecimento, em cinco anos".

Este é o resultado do esforço conjunto entre pesquisadores e técnicos de diversas instituições, que se reuniram em 2014 na Acadebio para estabelecer os objetivos e ações, em uma oficina participativa coordenada pelo RAN. Para acessar o texto na íntegra da Portaria de criação deste PAN, acesse aqui.

Com isso, torna-se oficial o compromisso do ICMBio e colaboradores parceiros no cumprimento das ações que forma pactuadas, e passam a valer o prazos contidos na Matriz de Planejamento, sendo que as datas em si devem ser adaptadas, considerando-se o início do PAN como a data de publicação desta Portaria. A matriz de planejamento está disponível para download em .pdf no mesmo link citado acima. 

O PAN Herpetofauna da Mata Atlântica do Sudeste abrange 37 espécies de anfíbios e répteis nacionalmente ameaçados, ou seja, que foram avaliadas na Portaria 444 do Ministério do Meio Ambiente de dezembro de 2014 nas categorias Criticamente em Perigo (CR), Em Perigo (EN) ou Vulnerável (VU). Assim, são denominadas espécies alvo deste PAN, e estão distribuídas ao longo da Mata Atlântica do Sudeste e extremo Sul da Bahia, abaixo do Rio Jequitinhonha (Figura 1).

Além disso, 143 espécies da herpetofauna categorizada como Dados insuficientes (DD) e Quase ameaçadas (NT) na lista nacional, ou ainda, em categorias de ameaça em listas estaduais, são consideradas espécies beneficiadas pelo PAN.

Abrangência e áreas estratégicas do Plano de ação nacional

Figura 1: Mapa com a área do de abrangência do PAN Herpetofauna da Mata Atlântica do 
Sudeste (em verde) e as áreas estratégicas deste PAN.

Lista da fauna brasileira avaliada como DD e NT

LISTA DE ESPÉCIES QUASE AMEAÇADAS (NT) E COM DADOS INSUFICIENTES (DD)
Acesse a lista atual das espécies da fauna brasileira categorizadas como NT e DD clicando aqui.