Publicada a Portaria do PAN Herpetofauna do Sudeste

No dia 06 de outubro de 2015 foi publicada a Portaria do Plano de Ação Nacional para a Conservação da Herpetofauna Ameaçada da Mata Atlântica da Região Sudeste do Brasil — PAN Herpetofauna do
Sudeste, que tem como objetivo geral "reduzir as ameaças sobre as espécies do PAN por meio de ações e geração de conhecimento, em cinco anos".

Este é o resultado do esforço conjunto entre pesquisadores e técnicos de diversas instituições, que se reuniram em 2014 na Acadebio para estabelecer os objetivos e ações, em uma oficina participativa coordenada pelo RAN. Para acessar o texto na íntegra da Portaria de criação deste PAN, acesse aqui.

Com isso, torna-se oficial o compromisso do ICMBio e colaboradores parceiros no cumprimento das ações que forma pactuadas, e passam a valer o prazos contidos na Matriz de Planejamento, sendo que as datas em si devem ser adaptadas, considerando-se o início do PAN como a data de publicação desta Portaria. A matriz de planejamento está disponível para download em .pdf no mesmo link citado acima. 

O PAN Herpetofauna da Mata Atlântica do Sudeste abrange 37 espécies de anfíbios e répteis nacionalmente ameaçados, ou seja, que foram avaliadas na Portaria 444 do Ministério do Meio Ambiente de dezembro de 2014 nas categorias Criticamente em Perigo (CR), Em Perigo (EN) ou Vulnerável (VU). Assim, são denominadas espécies alvo deste PAN, e estão distribuídas ao longo da Mata Atlântica do Sudeste e extremo Sul da Bahia, abaixo do Rio Jequitinhonha (Figura 1).

Além disso, 143 espécies da herpetofauna categorizada como Dados insuficientes (DD) e Quase ameaçadas (NT) na lista nacional, ou ainda, em categorias de ameaça em listas estaduais, são consideradas espécies beneficiadas pelo PAN.

Abrangência e áreas estratégicas do Plano de ação nacional

Figura 1: Mapa com a área do de abrangência do PAN Herpetofauna da Mata Atlântica do 
Sudeste (em verde) e as áreas estratégicas deste PAN.