PESQUISA E MONITORAMENTO

Indice

 

Pesquisa e Conservação de Anfíbios e Répteis Ameaçados de Extinção na Região Sul do Brasil 

melanophryniscus admirabilis - foto acervo ran

 

O projeto está inserido no PAN Herpetofauna do Sul e tem por objetivo a prospecção de novas localidades de ocorrência das espécies ameaçadas, da elaboração de modelos de distribuição potencial e de áreas prioritárias para a conservação, da solução de problemas taxonômicos e da avaliação e redução dos impactos.

Os conhecimentos gerados nestas ações são fundamentais para o direcionamento e viabilização da execução de uma série de outras ações elencadas neste PAN.                                           

  

Melanophryniscus admirabilis

Análise e mapeamento das ameaças sobre as populações de Physalaemus soaresi na Floresta Nacional Mario Xavier, Seropédica/RJ

Projeto realizado desde 2009 para estabelecer as bases do monitoramento da rã Physlaemus soaresie dos requerimentos e exigências estabelecidas para a adequação das obras de engenharia do empreendimento "Arco Metropolitano do Rio de Janeiro", na área de distribuição atualmente reconhecida da espécie, visando a manutenção do equilíbrio populacional dessa rã na Flona Mario Xavier.

Essa espécie ameaçada de extinção ocorre exclusivamente no último fragmento de floresta ombrófila de terra baixa da planície aluvionar do rio Guandu, nessa Unidade de Conservação.

Physalaemus soaresi - Foto Acervo RAN

 Physlaemus soaresi

Objetiva-se a conservação dessa espécie através da proteção e recuperação dos ambientes aluvionais e da vegetação associada aos sítios de reprodução da população dessa rã, fornecendo subsídios para a elaboração e implementação de um plano de manejo para a Unidade.

Monitoramento de Anfíbios e Squamata na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco

Os estudos objetivam caracterizar a composição da diversidade de anfíbios, lagartos e serpentes ocorrentes no alto e médio São Francisco, abrangendo o Parque Nacional das Sempre Vivas e a região prevista para criação do Parque Nacional do Boqueirão da Onça. Esse trabalho é pré-requisito para definir as espécies indicadoras a serem monitoradas e assim contribuir para a definição das estratégias para a conservação da biodiversidade regional.

Pesquisa e Conservação da Herpetofauna Insular Ameaçada de Extinção

Promove ações de pesquisa, proteção e conservação voltadas principalmente para a conservação das serpentesBothrops insularis, B. alcatraz e Dipsas albifrons cavalheiroi e a perereca alcatraz (Scinax alcatraz), contempladas pelo PAN Herpetofauna Insular.

O RAN atua convergindo esforços entre gestores das Unidades de Conservação, pesquisadores e ONGs para aumentar o conhecimento e promover a  conservação da biodiversidade dessas ilhas.

 Monitoramento de squamata em Unidades de Conservação Federais no bioma Caatinga

Contendas do Sincorá

O Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade, realizado em parceria MMA e ICMBio abrange todos os biomas brasileiros.Em sua implementação encontra-se o Monitoramento in situ da Biodiversidade em Unidades de Conservação da Caatinga.Dentre as ações envolvidas, o RAN desenvolve pesquisas e o monitoramento de Squamata.

As Unidades de Conservação inicialmente selecionadas à realização desse programa são o Parque Nacional da Serra da Capivara (PI), a Estação Ecológica Raso da Catarina (BA) e a Floresta Nacional Contendas do Sincorá (BA). Essas UCs são consideradas áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade, por abrigarem importantes extensões de caatinga relativamente bem preservadas e possuírem elevada diversidade com alguns endemismos e distribuições relictuais.

O bioma Caatinga é o único ecossistema exclusivamente brasileiro, composto por um mosaico de florestas secas e vegetação arbustiva, com enclaves de florestas úmidas e de cerrados, que abriga endemismos de lagartos e  serpentes. 

Devido a crescente pressão antrópica nesse bioma, torna-se urgente a obtenção de informações sobre as alterações causadas por impactos, flutuações naturais das populações e o padrão de variação da biodiversidade local. Essas informações subsidiarão a avaliação da efetividade dessas UCs e na elaboração de políticas públicas para ações de gestão ambiental e manejo da região.

Projeto Serpentes da Mata atlântica

A Jibóia de Cropan (Corallus cropanii) , espécie ameaçada que se encontra em uma das regiões mais devastadasCoralus cropani 

do país, a Mata Atlântica do Estado São Paulo, talvez seja a mais rara s serpentes brasileiras. Habita mais especialmente o Vale do Ribeira e somente cinco indivíduos de a espécie já foram registrados desde sua descrição em 1953 .

Na última década foram encontrados dois desses indivíduos, o que reforça a esperança dos pesquisadores de que a espécie ainda não esteja extinta. O trabalho foca principalmente em realizar expedições procurando encotrar ao menos um indivíduo que nos possibilite conhecer um pouco mais desta espécie. Por meio de acordos e parcerias com moradores da região, busca-se encontrar o ambiente mais provável de sua ocorrência e registrar as características ambientais destes locais, para que futuramente sejam elaboradas estratégias que protejam esta espécie tão rara e ameaçada.

 

 

Corallus cropanii

A Jararaca Tapete (Bothrops pirajai)

 É endêmica do sul da Bahia, região cacaueira. Essa espécie encontra-se ameaçada principalmente pela destruição da Mata Atlântica. O RAN em parceria com pesquisadores da Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC/Ihéus/BA, apóia estudos sobre a distribuição geográfica, história natural e avaliação do estado populacional dessa espécie visando propor estratégias para sua conservação.

Avaliação do grau de conservação de répteis e anfíbios ameaçados de extinção na Serra do Espinhaço

A Serra do Espinhaço foi considerada pela Unesco em 2005 a sétima reserva da biosfera brasileira, devido a sua grande diversidade de recursos naturais. Mais da metade das espécies de animais e plantas ameaçados de extinção em Minas Gerais estão nas Cadeias do Espinhaço, especialmente na Serra do Cipó, onde se encontra o maior número de espécies endêmicas da flora brasileira.

A área estudada constitui um mosaico de biomas e fisionomias (mata atlântica, mata seca, mata de galeria, cerrado, campo rupestre-ecossistema único, frágil e de baixa resiliência) onde diversas espécies de répteis e anfíbios constam nas listas oficiais de animais ameaçados de extinção, que estão contempladas pelo PAN do espinhaço.

O projeto iniciado em 2009 pelo RAN/ICMBio e atualmente com o apoio da Fundação Grupo Boticário e Fundação Biodiversitas, visa estudar a taxonomia, distribuição geográfica e genética de populações de espécies de répteis e anfíbios ameaçados de extinção na Serra do Espinhaço.

A Serra do Espinhaço foi considerada pela Unesco em 2005 a sétima reserva da biosfera brasileira, devido a sua grande diversidade de recursos naturais. Mais da metade das espécies de animais e plantas ameaçados de extinção em Minas Gerais estão nas Cadeias do Espinhaço, especialmente na Serra do Cipó, onde se encontra o maior número de espécies endêmicas da flora brasileira.

Placosoma cipoenseA área estudada constitui um mosaico de biomas e fisionomias (mata atlântica, mata seca, mata de galeria, cerrado, campo rupestre-ecossistema único, frágil e de baixa resiliência) onde diversas espécies de répteis e anfíbios constam nas listas oficiais de animais ameaçados de extinção, que estão contempladas pelo PAN do espinhaço.O projeto iniciado em 2009 pelo RAN/ICMBio e atualmente com o apoio da Fundação Grupo Boticário e Fundação Biodiversitas, visa estudar a taxonomia, distribuição geográfica e genética de populações de espécies de répteis e anfíbios ameaçados de extinção na Serra do Espinhaço.



O RAN vem consolidando um programa de pesquisa e monitoramento de longo prazo, que dê suporte a processos de políticas públicas com base em informações cnsistentes sobre as populações de répteis e anfíbios, ecossistemas e suas tendências populacionais, identificando as principais ameaças, as áreas importantes para a manutenção das espécies e a compatibilidade com atividades antrópicas.

Biologia aplicada à conservação do cágado-de-hogei (Mesoclemmys hogei) na Bacia do Rio Paraíba do Sul

Mesoclemmys hogei

 

De acordo com a IUCN, o cágado de hogei está incluído na lista das 25 tartarugas de água doce mais ameaçadas do mundo. O conhecimento atual que se dispõe sobre o cágado de hogei é bastante limitado, contudo, sabe-se que o rio Carangola, localizado em Minas Gerais, é um dos raros sítios da presença da espécie na sua área de distribuição, que está restrita à bacia do rio Paraíba do Sul. A intensa ocupação humana e a destruição de seus habitats representam as principais ameaças à sobrevivência da espécie.

 

 Mesoclemmys hogei

Dentro do PAN Paraíba do Sul, o RAN, em parceria com a Fundação Biodiversitas, o Centro de Estudos Ecológicos e Educação Ambiental e outras instituições conservacionistas locais, implementa uma série de ações que visam o manejo para recuperação das populações naturais do cágado de hogei.

Biologia e conservação de répteis aquáticos no Parque Nacional da Serra do Cipó e Área de Proteção Ambiental Morro da Pedreira/MG

 Objetiva estudar a biologia dos quelônios e crocodilianos do PARNA da Serra do Cipó e da APA Morro da Pedreira, incluindo composição faunística, uso de hábitat e distribuição geográfica, com vistas a produzir informações que permitam avaliar o estado de conservação das espécies nas duas Unidades de Conservação e, quando necessário, elaborar e implementar projetos de monitoramento.

Campo Rupestre

Biologia e Conservação de quelônios do Parque Nacional da Serra da Canastra/MG e Estação Ecológica de Pirapitinga/MG

Realiza levantamentos, monitoramento e estudos ecológicos em áreas ainda  pouco amostradas, porém relevantes à conservação de quelônios no Estado de Minas Gerais.

Monitoramento populacional e biologia de quelônios em Unidades de Conservação na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco,/MG

As áreas de estudo são o Parque Nacional das Sempre Vivas e o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, no alto e médio São Francisco, onde é desenvolvido o monitoramento populacional e reprodutivo dos cágados Acanthochelys spixii e Acanthochelys radiolata.