Novo Registro de Muriquis

 Foto: Christian Spencer

O macaco Muriqui, que só é encontrado na Mata Atlântica, é o maior primata das Américas. Infelizmente, embora reconhecido pela UNESCO como identificador de qualidade ambiental, que o utiliza como símbolo de Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, o Muriqui está entre as 35 espécies mais criticamente ameaçadas da Terra.
 
Os Muriquis pertencem à família Atelidae da ordem dos Primatas e atualmente são divididos em duas espécies Brachyteles arachnoides e Brachyteles hypoxanthus (Coimbra-Filho et al. 1993; Rylands et al. 1995).  Existem, diferenças morfológicas e genéticas observadas nas populações dos Muriquis do norte e do sul. As populações do norte, B. hypoxanthus, possuem faces e genitália manchadas de rosa e branco (despigmentadas) e polegar vestigial, enquanto que as populações do sul, B. arachnoides, a coloração facial e genital é inteiramente preta e não possuem qualquer vestígio do polegar (Lemos de Sá & Glander, 1993). Segundo a literatura, os Muriquis do norte são encontrados desde o noroeste do Rio de Janeiro até o sul da Bahia e os Muriquis do sul são encontrados desde o sul do Rio de Janeiro até o norte do Paraná.
 
No dia 22 de outubro, às 14:00 horas, o artista plástico Christian Spencer avistou um bando de 20 a 25 muriquis no Parque Nacional do Itatiaia. O seu registro fotográfico aponta para uma possível convivência de indivíduos de muriquis do norte e muriquis do sul num mesmo bando. As fotografias e informações estão sendo encaminhadas para pesquisadores especialistas no assunto para verificação e aprofundamento dos estudos.
 
Fonte das informações: http://www.programamuriqui.org.br/ e Christian Spencer.