Projeto de conservação engaja crianças, jovens e adultos no Vale de Jequitinhonha, Minas Gerais.

            O olhar criativo sobre as questões ambientais tem se intensificado. Nos últimos 12 meses, são várias as mudanças ocorridas no mundo, seja na ciência, na economia e também nas atividades de educação ambiental. Atenta a essa questão, a equipe do CBC, em parceria com o Parque Estadual Serra Negra conseguiu envolver mais de 1.900 pessoas em suas atividades de educação ambiental dentro e fora das escolas. 

            Uebelmannia buiningii, pertencente à familia Cactaceae, é uma planta rara e ameaçada de extinção do Vale do Jequitinhonha, Itamarandiba-MG pela destruição de seus habitas e coleta ilegal. Por isso vem sendo estudado pelo Centro de Avaliação da Biodiversidade, Pesquisa e Conservacão do Cerrado-CBC desde 2012. E de lá pra cá tem atraído vários parceiros. Desde 2019 conta o apoio do Instituto Internacional de Educação do Brasil, por meio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado) e do Instituto Jurumi para a Conservação da Natureza, além da parceria da Embrapa-Cenargen e da Rede Nacional de Pesquisa e Conservação das Cactáceas-RedCactos.

      Durante a Semana Florestal, em setembro de 2019, a coordenadora do projeto, Suelma Ribeiro, e sua equipe, juntamente com funcionários do parque percorreram as escolas estaduais e municipais de Itamarandiba para divulgar a existência dessa espécie para a comunidade local e ao mesmo tempo fomentar o seu engajamento para sua proteção. Naquela oportunidade foram envolvidos alunos desde a Educação Infantil até o Ensino médio. "A educação ambiental é uma grande aliada do projeto de conservação dos ecossistemas do Parque Estadual Serra Negra", diz Vanessa Chaves, funcionária da unidade.
     No trabalho com a Primeira Infância destacou-se a criação de uma seção com desenho para colorir a figura do cacto. As atividades com os alunos de nível médio e do Ensino de jovens e adultos-EJA incluíram palestras mostrando a importância de conservação da planta e dos ecossistemas da região. Em todas essas ocasiões participaram, também, professores e funcionários das escolas. " Essas atividades foram fundamentais para o estabelecimento do primeiro contato das crianças com a imagem do cacto", diz Mayco Santos, botânico, educador e integrante da equipe do projeto.
   Todo esse engajamento conduziu à realização de uma campanha para se dar um nome popular ao cacto ameaçado, onde os nomes propostos pelas crianças e jovens foram disponibilizados à votação durante oito dias. Os resultados compilados por Vanessa Chaves indicaram um total de 1.948 votos, os quais 723 foram atribuídos ao nome Coroa de Ita. "Houve a participação de pessoas de 17 Estados brasileiros, além de votantes de outros países como a Alemanha, Estados Unidos, França e Inglaterra", diz Vanessa.
    O nome Coroa de Ita será utilizado em todos os materiais de divulgação que ainda estão em fase de elaboração e ajudará na integração das crianças e jovens às atividades futuras do projeto. Entre essas está o Programa Coroa de Ita na Escola, a ser elaborado com o objetivo de expandir as atividades de educação ambiental para ajudar a amplificar a mensagem de conservação da biodiversidade da região", diz Suelma.

 

CBC E PARCEIROS LANÇAM CAMPANHA PARA DAR NOME POPULAR A UM CACTO AMEAÇADO

 

O CBC/ICMBIO, juntamente com os parceiros do projeto Ecologia e recuperação de Uebelmannia buiningii, lançou uma campanha para dar nome a um cacto ameaçado de extinção da região do Vale do Jequitinhonha, Itamarandiba,MG. Essa iniciativa começou com as atividades de educação ambiental desenvolvidas nas escolas municipais, em 2019, onde os alunos sugeriram nomes populares para o cacto. Essa fase da campanha começa nesta quinta-feira  (27) e segue até o dia 8 de setembro.

Para participar, basta acessar o formulário:https://forms.gle/uaex233herRrh45c7 ,votar em uma das opções de nomes descritas no formulário e aguardar o anúncio do nome vencedor que está marcado para o dia 11 de setembro, dia Nacional do Cerrado. Os nomes sugeridos para o cacto são: Ameixa do cerrado, cabecinha de espinho, cacto de um lugar só, coroa de ita, espinho vermelho, flor-de-ita, pequeno espinhoso, princesa de ita, roxinho e roxinho do cerrado.

Após nomeado, o nome popular do cacto será utilizado em campanhas de divulgação do dia do Cerrado, atividades de educação ambiental na região de Itamarandiba, em projetos de conservação do cacto e em todos os documentos que serão produzidos sobre a espécie.